oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



30 jun 2016

“O Pacto do Bosque”, de Gustavo Martin Garzo e Beatriz Martin Vidal

Escrito por
Clássicos, Destaques, Fábulas, Para Refletir

Se tem um envelope esperado em casa é o envelope pardo do Clube de Leitores A Taba, que chega com livrinho novo por aqui todo santo final do mês. Sexta passada o Francisco chegou da escola no final da tarde e o envelope esperava em cima da mesa. Abriu o pacote cheio de entusiasmo, mas pegou o livro de dento um tanto ressabiado: a capa dava “um pouco de medo”, disse ele.

Processed with VSCO with 7 preset

O Pacto do Bosque e sua capa misteriosa

Por conta do medo, não foi o livro novo o escolhido para nossa leitura da noite de sexta. Lemos outros –  mas no sábado de manhã, café na cama, preguiça deliciosa de um dia sem compromissos, propus então que lêssemos o livro que havia chegado no dia anterior. O Fran, já mais valente por conta da luz do dia, logo aceitou.

E aí que a história de “O Pacto do Bosque”, publicado pela Pulo do Gato, já começa linda, com um momento similar, que por aqui se repete desde que o Francisco era bebê – o que por si só já me emocionou (vale culpar os hormônios desse meu último mês de gestação, vale sim!): a mãe aconchegada às crianças contando-lhes histórias na hora de dormir.

Lambe-Lambe e Orelhinha adentram o bosque escuro

Todas as noites seus dois filhos, Paula e Gustavo,  lhe pedem a mesma história: aquela do bosque no qual lobos e coelhos eram amigos. Então ela começa: Orelhinha e Lambe-Lambe eram coelhos irmãos, e apesar das ordens expressas da mãe de não adentrarem o bosque, um dia a desobedecem. Lá dentro, o passeio inicia-se tranquilo – até darem-se conta de que estão perdidos, e com a escuridão que logo cai, vai ser difícil achar o caminho de volta.

Os dois coelhos ouvem um choro na floresta, longe – uma loba cinza, gigante, prestes a parir, queixa-se por estar cega. Tem medo de não conseguir cuidar de seus filhotes que logo vão nascer. O coelhinho menor, Lambe-lambe, tinha uma mania que lhe dava o apelido: lambia o que via pela frente. Apesar do receio, aproxima-se da loba e lambe-lhe os olhos, cuidadosamente, até retirar todo o barro acumulado – e até que a loba finalmente volte a enxergar.

Lambe-lambe e os olhos da grande loba

Quando a loba reconhece que a ajuda veio de dois pequenos coelhos, aquece-os junto à barriga e os leva na manhã seguinte para casa. É daí que um trato é selado: os lobos começam a acreditar que as salivas dos coelhos são mágicas, e por isso, naquele bosque, nunca lhe fazem mal. No final, Paula, a pequena que escuta atenta à história, pergunta à mãe:

– Mas não tinha nenhuma mágica, não é, mamãe? Lambe-Lambe só tirou o barro dos olhos da loba com sua saliva!

– Bem, querida, quem há de saber o que aconteceu? – respondeu a mãe. – Na realidade, o que curou foi o amor.

Especial é notar como as ilustrações de Beatriz Martin Vidal são mesmo sombrias, porém impressionantemente bonitas, e como comunicam-se com o texto: os pequenos coelhos são na verdade crianças fantasiadas de coelhos, e muito se parecem, na fisionomia e nos atos, com os irmãos que acompanham a história.

No final, o Fran me olhou todo orgulhoso: “não é assustador, é sobre amor!”. É bem isso: um conto lindo sobre amor, amizade e coragem. Francisco terminou a leitura feliz por ter sido valente, enfrentado a tal capa misteriosa e ter mergulhado numa história tão gostosa; e eu, emocionada pela nossa nova descoberta juntos (hormônios, gente, hormônios!). Obrigada, A Taba! 🙂

***


24 jun 2016

Especial: Livros Sobre Livros (Parte 2)

Escrito por
Destaques, Divertidos, Listas de Livros, Para dar risada

Se na primeira parte os livros sobre livros foram mais, digamos assim, filosóficos e cheios de homenagens ao livro em si, nessa segunda parte a coisa é um pouquinho diferente: aqui os livros também são protagonistas da história!

1.O INCRÍVEL MENINO DEVORADOR DE LIVROS

Se você não tem um livrinho do Oliver Jeffers na biblioteca das criançada, olha, pode seguir meu conselho e correr atrás de um: não há criança que não curta os traços divertidos e as histórias cheias de humor desse autor e ilustrador americano. Nesse livro aqui, publicado no Brasil pela Editora Salamandra, a gente conhece o menino Henrique, que descobre uma coisa um tanto inusitada: comendo livros ele ficava inteligente, inteligente demais! Tudo começou quando ele provou uma página aqui, deu uma mordidinha ali…de repete, já estava engolindo dezenas deles de uma só vez. Problema é que digerir aquela quantidade enorme de papel não era tarefa fácil, e o que começou como uma brincadeira acabou virando um pesadelo: ele tinha enjôos, suas ideias já se embaralhavam. O recomendado então foi, claro, parar de comer os livros – e ao invés disso, Henrique começou a lê-los. E sabe o que ele descobriu? Que lendo ele ficaria igualmente inteligente…só precisava de um pouco mais de paciência!

o-incrivel-menino-devorador-de-livros

2. O SENHOR RAPOSO ADORA LIVROS

Outra história que traz um literal devorador de livros – mas um raposo, no caso! O Sr. Raposo era um cara do bem, um cara legal – mas ele tinha esse diferencial: para se alimentar, só livros. E não pense que qualquer livro não: quanto melhor as obras, melhor o sabor, melhor a digestão. Clássicos russos, por exemplo, eram dos seus preferidos. Problema é que livros são caros, e seguir se alimentado dessa forma não era fácil – até vender todos seus móveis para comprar comida, digo, livros, ele já havia tentado. A primeira ideia do Sr. Raposo foi então frequentar uma biblioteca – mas logo os livros pararam de ser devolvidos, outros eram devolvidos mordidos e babados (eca!) e a bibliotecária se deu conta de que o melhor era proibi-lo daquele ambiente. Sr. Raposo encontra então uma saída drástica: assaltar uma livraria! Tudo certo até a polícia descobrir onde ele se escondia (e onde saboreava seus livrinhos, pobre coitado!), e o Sr. Raposo acaba preso. Na cadeia as coisas começam difíceis…mas logo tomam um rumo diferente e muito do feliz, rá! Livro hilário (sério gente, IMPERDÍVEL) escrito e ilustrado pela alemã Franziska Biermann e publicado pela Cosac-Naify – mas que ufa, ainda se acha fácil e que vale demais ter na biblioteca!

o-sr-raposo-adora-livros

3. OS FANTÁSTICOS LIVROS VOADORES DE MODESTO MÁXIMO

Esse já se tornou um clássico entre apaixonados por livros e bibliotecas – a história d’Os Fantásticos Livros Voadores de Modesto Máximo se tornou um livro impresso depois de que o curta-metragem levou um Oscar em 2012, além de muitos outros prêmios. Pois é, muita gente acha que é o contrário, que o livro inspirou o curta, mas não. O curta saiu em 2011, criação absolutamente fantástica dirigida por William Joyce e Brandon Oldenburg. É fácil de achar no youtube, tem duração de 15 minutos e vale DEMAIS assistir junto com as crianças – não tem diálogo algum, mas muita música e uma viagem fantástica pelo mundo da biblioteca desse rapaz, o Morris Lessmore (ou Modesto Máximo, em português). Em 2012, o curta não só virou livro, mas também aplicativo, e logo foi editado no Brasil pela Rocco. A edição é impecável, e as ilustrações, frames do curta, são muito bonitas – mas corre ver o vídeo que olha, esse é inesquecível. E ver os livros voando e dançando enquanto o Sr. Morris Lessmore dança animado é de encher o coração de alegria!

os-fantasticos-livros-voadores-de-modesto-maximo

4. O MONSTRO QUE ADORAVA LER

Essa é uma história bem divertida de ler com os pequenininhos – traz fantasia e muitos monstros, mas monstros leitores! Conta a história de um monstrengo muito do feio que mora numa floresta, e que gosta mesmo é de ficar lá apavorando humanos. Até o dia em que uma garota surge lendo um livro, e não se assusta ao primeiro berro do monstro. É só no segundo que ele faz ela correr, e sem querer, deixar o livro para trás. Ele então leva aquele estranhíssimo material para sua toca e tenta descobrir o que fazer com ele. Quando entende que aquele livro é para ser lido, fica tão curioso que aprende a ler só para mergulhar na história. E aí, vocês já devem imaginar, não tem volta. Ele não só vira um voraz leitor como faz todos os outros monstros também se encantarem com a leitura! Nossa cópia é canadense (a escritora Lili Chartrand é do Quebec), mas no Brasil o livro saiu pelas Edições SM.

o-monstro-que-adorava-ler

***


22 jun 2016

Sorteio de Livros! – PetiteBook – ENCERRADO

Escrito por
Livros

Mês passado o clube de assinaturas PetiteBook gentilmente enviou para mim e para o Francisco dois livrinhos – até falei deles lá no instagram, duas leituras divertidas! Aí chegou nova caixa do clube aqui, fomos abrir e…opa, livros repetidos! Foi alguma falha da transportadora, mas combinei com o pessoal da PetiteBook: vou aproveitar e presentear o pessoal do blog com os livros. Afinal, presente nunca é demais né? 😀

Para participar, basta comentar aqui com nome e email (para eu poder entrar em contato depois!) até o dia 28 de junho, terça-feira, ao meio-dia. Simples assim. À tarde eu anuncio o sortudo ou sortuda que vai receber em casa esses dois livrinhos:

Cópia de 22

FESTA NA FLORESTA, de Brian Wildsmith

Na floresta, um píton (tá aí um nome diferente, mas é uma espécie de serpente; e no masculino mesmo!) sente fome. Mas não anda fácil encontrar uma bela refeição, e ele tem uma ideia (que esconde, lógico, um plano): fazer uma grande festa e convidar todos os animais da floresta. Cada um deve apresentar um truque! Todo mundo acaba se animando: a hiena rola sobre melões, o leão se salpica de lama para se fantasiar, o pelicano guarda os amigos dentro do bico. Até que o último é o píton: ele consegue guardar ainda mais amigos dentro da boca que o pelicano, querem ver só? E lá vão os bichos cheios de confiança, um a um…olha, sorte que o elefante passa por ali bem na hora e dá uma bela lição no píton traiçoeiro, libertando a bicharada. Uma fábula divertida e cheia de cor. Publicado pela Brinque-Book.

Cópia de 21

OS TRÊS PORQUINHOS, de Rosinha

Todo mundo conhece “Os Três Porquinhos”, todo mundo sabe de trás pra frente a história, tá certo – mas o mais bacana desses clássicos são justamente as mil formas que podem ser contados! Por exemplo, através de um livro-imagem, sem texto algum, como nesse livro – apenas ilustrações muito coloridas, diferentes e divertidíssimas, obra da ilustradora Rosinha. O barato de ler um livro sem texto, mas que traz uma história tão conhecida, é justamente ir seguindo a narrativa e deixando as lembranças e a criatividade contarem a história – aqui foi o Francisco quem contou pra mim, feliz da vida! Mas olha, no final há o conto completo, então, se houver alguma dúvida ou falha na memória, só recorrer a ele.
Da editora Callis.

***

Sorteio ENCERRADO!

A Natália Franco, mãe do Dante, quem levou os livrinhos! Parabéns! 😀