oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 7 anos, e vinícius, de 1 ano. seja bem-vindo! Leia mais



Você está vendo os artigos na categoria “Clássicos”
30 jun 2016

“O Pacto do Bosque”, de Gustavo Martin Garzo e Beatriz Martin Vidal

Escrito por
Clássicos, Destaques, Fábulas, Para Refletir

Se tem um envelope esperado em casa é o envelope pardo do Clube de Leitores A Taba, que chega com livrinho novo por aqui todo santo final do mês. Sexta passada o Francisco chegou da escola no final da tarde e o envelope esperava em cima da mesa. Abriu o pacote cheio de entusiasmo, mas pegou o livro de dento um tanto ressabiado: a capa dava “um pouco de medo”, disse ele.

Processed with VSCO with 7 preset

O Pacto do Bosque e sua capa misteriosa

Por conta do medo, não foi o livro novo o escolhido para nossa leitura da noite de sexta. Lemos outros –  mas no sábado de manhã, café na cama, preguiça deliciosa de um dia sem compromissos, propus então que lêssemos o livro que havia chegado no dia anterior. O Fran, já mais valente por conta da luz do dia, logo aceitou.

E aí que a história de “O Pacto do Bosque”, publicado pela Pulo do Gato, já começa linda, com um momento similar, que por aqui se repete desde que o Francisco era bebê – o que por si só já me emocionou (vale culpar os hormônios desse meu último mês de gestação, vale sim!): a mãe aconchegada às crianças contando-lhes histórias na hora de dormir.

Lambe-Lambe e Orelhinha adentram o bosque escuro

Todas as noites seus dois filhos, Paula e Gustavo,  lhe pedem a mesma história: aquela do bosque no qual lobos e coelhos eram amigos. Então ela começa: Orelhinha e Lambe-Lambe eram coelhos irmãos, e apesar das ordens expressas da mãe de não adentrarem o bosque, um dia a desobedecem. Lá dentro, o passeio inicia-se tranquilo – até darem-se conta de que estão perdidos, e com a escuridão que logo cai, vai ser difícil achar o caminho de volta.

Os dois coelhos ouvem um choro na floresta, longe – uma loba cinza, gigante, prestes a parir, queixa-se por estar cega. Tem medo de não conseguir cuidar de seus filhotes que logo vão nascer. O coelhinho menor, Lambe-lambe, tinha uma mania que lhe dava o apelido: lambia o que via pela frente. Apesar do receio, aproxima-se da loba e lambe-lhe os olhos, cuidadosamente, até retirar todo o barro acumulado – e até que a loba finalmente volte a enxergar.

Lambe-lambe e os olhos da grande loba

Quando a loba reconhece que a ajuda veio de dois pequenos coelhos, aquece-os junto à barriga e os leva na manhã seguinte para casa. É daí que um trato é selado: os lobos começam a acreditar que as salivas dos coelhos são mágicas, e por isso, naquele bosque, nunca lhe fazem mal. No final, Paula, a pequena que escuta atenta à história, pergunta à mãe:

– Mas não tinha nenhuma mágica, não é, mamãe? Lambe-Lambe só tirou o barro dos olhos da loba com sua saliva!

– Bem, querida, quem há de saber o que aconteceu? – respondeu a mãe. – Na realidade, o que curou foi o amor.

Especial é notar como as ilustrações de Beatriz Martin Vidal são mesmo sombrias, porém impressionantemente bonitas, e como comunicam-se com o texto: os pequenos coelhos são na verdade crianças fantasiadas de coelhos, e muito se parecem, na fisionomia e nos atos, com os irmãos que acompanham a história.

No final, o Fran me olhou todo orgulhoso: “não é assustador, é sobre amor!”. É bem isso: um conto lindo sobre amor, amizade e coragem. Francisco terminou a leitura feliz por ter sido valente, enfrentado a tal capa misteriosa e ter mergulhado numa história tão gostosa; e eu, emocionada pela nossa nova descoberta juntos (hormônios, gente, hormônios!). Obrigada, A Taba! 🙂

***


9 jun 2016

O BGA – O Bom Gigante Amigo

Escrito por
Clássicos, Destaques, Divertidos, E mais!, filmes e cinema, Literatura Universal, Para dar risada

Uma das leituras mais divertidas desse ano, aventura que fez o Francisco se encantar (e eu junto!), foi um livro que conheci através do Desafio A Taba: O BGA – O Bom Gigante Amigo, do britânico Roald Dahl, publicado no Brasil pela Editora 34. Lançado no início dos anos 80 na Inglaterra, conta a história de uma garotinha, a Sofia, que de dentro da janela de seu orfanato vê ao longe um grande gigante – mas não consegue se esconder; uma vez também vista pelo enorme ser, é levada para longe, muito longe…para a Terra dos Gigantes!

O livro, que começa com muito mistério e suspense (é delicioso!), logo se desenrola em muito humor – e também aventura. Porque para sorte de Sofia, O BGA não é como os outros gigantes: não é como o Matamoças, nem como o Mascamenino, muito menos como o Comecarnecrua, outros gigantes que habitam a tal terra. O BGA é o Bom Gigante Amigo, cara divertido, ingênuo que só, comedor de nabobrinhas (assim mesmo, com “N”) e bebedor de fizpunzinhos (uma bebida gasosa que bem, nem queiram saber os hilários efeitos sobre o corpo). Juntos, os dois bolam um fantástico plano para acabar com os outros gigantes comedores de gente – um plano que reúne exércitos, helicópteros e até a Rainha da Inglaterra.

O BGA do Francisco e o BGA de Quentin Blake 😉

O barato da nossa leitura não foi só a história em si, que tivemos a sorte de conhecer  – mas a experiência toda! Quando o livro chegou, logo achei que talvez fosse um livro ainda “grandão” pro Fran, que talvez fosse melhor esperar para curtir com ele – mas foi mergulhar no mistério das primeiras páginas pra notar que não podia, simplesmente, privá-lo de uma história tão bacana. Queria compartilhar a leitura, com pressa.

Então lemos no tempo dele: um, dois, três capítulos por noite, no ritmo do Francisco – que aguardava ansioso que a história continuasse no dia seguinte. Às vezes líamos antes algum livro ilustrado que ele escolhia – e já baixada a energia do rapazinho, iniciávamos a leitura do texto mais longo do BGA. Vozes, barulhos e muita leitura dramática da mamãe aqui (é, a gente paga desses micos pros filhos – e como eles amam!) e terminamos juntos nossa primeira grande aventura literária. Boa literatura não tem faixa etária mesmo: basta escolher o momento, o ritmo, a forma de ler – e mergulhar junto! Não há criança ou adulto que resista. 🙂

Ah, olha que demais: em julho agora sai o filme O BGA, dirigido por ninguém menos que Steven Spielberg. Ai a ansiedade de ver essa história no cinema! Confere o trailer:

***


25 abr 2016

O Pequeno Príncipe (minhas duas edições preferidas do clássico)

Escrito por
Clássicos, Destaques, Literatura Universal, Livros, Posts Especiais

Faz uns dias já que venho recebendo diariamente um anúncio de uma editora vendendo uma tal edição “de luxo” de O Pequeno Príncipe por “apenas” 59 reais. E como eu sou metida, eu digo uma coisa pra vocês: não caiam nessa não. O Pequeno Príncipe é uma obra linda, clássica, importante demais na biblioteca de qualquer adulto ou criança – mas é uma obra de domínio público, e por isso, com tantas edições diferentes disponíveis no mercado: algumas ótimas, muitas fraquinhas que só.

Pois bem, tá certo que é gosto, que se você acha bonito, quem sou eu pra te dizer pra não investir nesse ou naquele livro – mas vamos combinar: fazer uma edição de capa almofadada (?), ilustrações um tanto pobres e ainda por cima com texto simplificado, tacar um “luxo” no título e vender a 60 pila é um tanto quanto injusto.

IMG_5712

Mesmo livro, duas edições: uma simples, outra pop-up.

Temos duas edições diferentes aqui em casa – as duas trazem o mesmo texto (que é integral, sem alterações, como um bom clássico deve ser) e as mesmas ilustrações, que são aquarelas do próprio autor, Antoine de Saint-Éxupery. Uma é brochura, simples; a outra, capa dura, pop-up, edição especial. Mas são duas edições que admiro e recomendo.

A primeira é da Agir, e é uma edição que se repete desde 1952, e segue o modelo da original. É pequena, leve, simples que só – mas quem precisa de frescuras quando se tem um bom texto?! Foi esse O Pequeno Príncipe que li quando era pequena, foi esse o que reli com o Francisco. Agora a melhor parte: dá pra encontrar por aí novinho em folha a partir de 6 reais. Pois é!

IMG_5714

página interna da edição pop-up

A outra, publicada pela Harper-Collins, é pra quem busca algo assim, vamos dizer, mais diferente. É uma edição de capa dura, grandona, grossa que só, daquelas que impressionam mesmo – e por isso, tão especial de dar de presente! O mais legal é que as aquarelas são do autor, o texto é na íntegra, mas as ilustrações pulam (literalmente) aos olhos: é tudo pop-up. É um livro bastante delicado, mas lindo demais. Já foi bastante caro – e ainda é, mas sabendo procurar, dá para encontrar a partir de 48 reais (ou seja, AINDA mais barato que a tal “luxo” que contei pra vocês).

Mas como eu disse, a coisa é muito pessoal. Essas são as duas edições que temos em casa, e que recomendo por experiência própria. Você tem alguma edição especial desse clássico? Então conta pra mim que eu quero mais é conhecer! 😉

***