oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



Você está vendo os artigos na categoria “Listas de Livros”
19 jul 2017

Livros Divertidos, Finais Surpreendentes!

Escrito por
Destaques, Divertidos, Listas de Livros, Livros, Para dar risada

Quem nessa vida não curte terminar um livro e se deparar com um final pelo qual a gente simplesmente não esperava? Daí a ideia dessa seleção: 6 livros infantis super com finais surpreendentes pra curtir junto com a criançada! Clica no vídeo!

 

SENÃO…

“Senão…”, da francesa Alice Bassié, é um livro pequenininho, com história curta, poucas palavras…e muita emoção! A história do lobo que entra na confeitaria da senhora Bompão em busca de uma bomba de chocolate tem ritmo, humor, a repetição que os pequeninos adoram (BEM legal pra turma dos 2, 3 anos, viu?), suspense e um final MUITO do surpreendente! Pra ler rapidinho (mas caprichar na leitura dramática), uma, duas, infinitas vezes com a criançada – e rir sempre! Publicado pela Brinque-Book.

BOM DIA, DOUTOR

Na sala de espera do consultório estão ovelha, pato, coelho, lobo, elefante e jacaré. Todos esperam ser atendidos – primeiro, é a vez do jacaré, com dor de dente. Logo em seguida, o elefante: a queixa é dor no nariz. Mas enquanto o doutor vai chamando seus simpáticos pacientes, algo muito misterioso acontece na sala de espera: a fila está andando depressa demais. O barato é observar atentamente as ilustrações…e dar de cara com um final muito do inesperado! Livrinho altamente divertido: rende risadas e surpresas! Da Edições SM.

QUERO MEU CHAPÉU DE VOLTA

Volta e meia a gente descobre alguns livros infantis que são pra lá de sensacionais: são engenhosos, especiais no conteúdo, ilustração, edição. “Quero Meu Chapéu de Volta”, de Jon Klassen, editado no Brasil pela WMF Martins Fontes é desses: não só traz uma história divertida demais, como tem uma edição impecável, na qual texto, ilustração, cores e fontes se fundem num contexto incrível – e hilário. Tudo começa com um urso que busca seu chapéu. Lá sai ele perguntando para raposa, sapo, tartaruga, coelho, tatu – mas ninguém viu o dito cujo. Até uma hora que PERA! – ele lembra de algo: será que não viu mesmo o chapéu por ali? Então o urso volta, correndo – e aí, sem spoilers, porque esse é um livro que traz um final absolutamente surpreendente, cheio de ironia e longe de qualquer lugar comum!

Nícolas em O PRESENTE

Nícolas é esse menino simpático, de bochechas rosadas, jeito sapeca e algumas aventuras – todas publicadas no Brasil pela Aletria. Mas nessa em especial Nícolas está demais: está todo curioso em torno de um presente, um embrulho azul de laço dourado guardado no escritório do pai. Todos os dias ele chega lá de mansinho, escadinha nas mãos, e sobe até o topo do armário, onde o presente se esconde atrás de outras caixas de papelão. Então ele sacode, ouve o barulho, tudo com delicadeza…e coloca-0 de volta no lugar. Mas a verdade é que Nícolas não para um segundo de pensar no tal presente, seja na escola, seja no banho, seja na hora de dormir. Até que chega o grande dia e…opa, opa, melhor parar por aí. Uma delícia descobrir o final com a criançada…e se surpreender, sorrisão no rosto! Livro lindo!

O DIA DA FESTA

Naquele reino todos sabiam: um dia chegaria à Terra um unicórnio. Chegaria de surpresa, tornaria muito poderoso o rei que nele montasse e traria saúde e prosperidade para todo o povo. O animal seria facilmente identificado por seu porte, força, elegância e claro, por seu chifre. Era uma história antiga, contada de geração para geração – mas todos viviam prontos, ansiosos pelo tão aguardado momento. Eis que um dia surge cruzando pelo reino o tal animal: garboso, dono de si e de um único chifre sobre sua cabeça – só poderia ser ele, oras! Pois então. “O Dia da Festa”, do artista plástico Renato Moriconi, é daqueles livros que reservam surpresas mesmo ao leitor mais atento. Traz uma história original e um final delicioso, absolutamente imprevisível e repleto de humor. Nas ilustrações também há humor, um tantão de beleza e inúmeras referências. São pinturas mescladas a colagens, repletas de elementos da história da arte (listados ao final do livro para o leitor curioso): Tarsila do Amaral, Sandro Botticelli e Gustave Doré são alguns dos artistas aqui presentes. Livro incrível, prato cheio pra quem ama um final surpreendente, pra quem ama arte, pra quem ama…um bom livro, oras! Da Pequena Zahar.

A GRANDE DESCOBERTA

Aconteça o que acontecer, apenas me prometa uma coisa: que se você gosta de literatura infantil (se você tá por aqui, imagino que sim!) e ainda não conhece os livros de Tomi Ungerer, você vai conhecer assim que tiver a oportunidade e vai me contar o que achou. Sem brincadeira! Dá para começar por vários: Os Três Ladrões, o sensacional Homem Lua, Crictor, Tremolo, talvez O Chapéu …quer saber? Por qualquer um, mas tem que conhecer, simplesmente. A Grande Descoberta, por exemplo, é outro de seus contos incríveis. Conta a história de um senhor, Monsieur Racine, que vivia recluso. Ele tinha, em seu jardim, uma enorme pereira que dava os frutos mais suculentos. Um dia descobre que (quase) todas as pêras se foram, e monta uma armadilha para descobrir quem anda cometendo o furto. Mas captura um ser estranhíssimo: “de longe parecia mais um monte de cobertores velhos: orelhas compridas, em forma de meias, pendiam de ambos os lados de uma cabeça aparentemente sem olhos.” Intrigado, Monsieur Racine se aproxima e descobre que a criatura é muito mansa – e acabam virando os dois grandes companheiros. Vivem de sorvete, biscoitos, passeios e brincadeiras – mas aquele ser segue intrigando o velho senhor. O final, minha gente, é surpreendente, hilário – e as ilustrações incríveis! Livro tão delicioso que dá vontade de dividir com todo mundo. Ah, publicado pela primeira vez em 1972, a obra é dedicada a adivinha quem? Maurice Sendak. Sim, Ungerer e Sendak eram amigos! Publicado pela Global Editora. ❤️

***


31 maio 2017

Abecedários Incríveis

Escrito por
Abecedários, Destaques, Listas de Livros, Livros

Se tem uma coisa que eu curto, mas curto muito, são abecedários: fico boba como autores e ilustradores são capazes de brincar com nosso ABC. Esses livros não só são super criativos como são especialmente legais de se curtir com as crianças – eles as aproximam do alfabeto de uma forma lúdica e muito divertida! Hoje separei alguns dos nossos preferidos, meus e do Francisco: tem abecedário artístico, tem abecedário dos dinossauros, tem abecedário maluco – um mais divertido que o outro. Clica no vídeo!

ALFABARTE

Um alfabeto que mistura arte com brincadeira só pode resultar em diversão! “Alfabarte” foi dica lá do Bamboleio – gostei tanto da ideia por trás dele que fui logo atrás. A brincadeira é achar as letras dentro de grandes obras – de Dalí a Picasso, de Delaunay a Matisse. Em algumas o desafio é fácil; em outras, mais difíceis e instigantes. No final, há a “cola”, mostrando onde cada letra está escondida – e também mais informações sobre cada uma das obras. Livro legal demais para crianças que estão começando a se habituar com o alfabeto ou para aquelas que já o conhecem bem, mas curtem um desafio! Ah, e também para os adultos: explorar obras de grandes artistas junto com a criançada à caça de letras é pura diversão! Da Companhia das Letras. 

ABCDINOS

Outro abecedário que faz sucesso com a criançada é esse: “ABCDinos”. Cada letra traz o nome de um dinossauro diferente, dentro de um poeminha cheio de humor – e sim, há dinossauro pra tudo que é letra: o Kakuru, o Zunicerátopo, o Wintonotitã. Há também informações sobre cada um deles, onde viveram, como se pareciam, do que se alimentavam. A linguagem é toda divertida, cheia de curiosidades – e as ilustrações super coloridas! É um abecedário muito divertido de curtir já com os pequenininhos – as cores, os desenhos, o tamanho do livro são bem legais para mãos pequenininhas (e é bastante resistente também, vale comentar). Mas também é um livro legal de curtir com os grandinhos e grandões! Quem resiste a conhecer tanto dinossauro diferente, tanta coisa nova? Publicado pela Peirópolis.

ABECEDÁRIO

Esse se chama simplesmente “Abecedário”, tá certo, mas é muito do diferente – é que traz verbos que têm tudo a ver com a vida das crianças, ilustrados com pessoinhas divertidas colocando-os em ação. As ilustrações do argentino Diego Bianki mostram com muito humor o que é cada coisa, e por si só rendem boas histórias! Um abecedário que já levou até o Prêmio Bologna de literatura infantil, criativo e mega divertido. Da Companhia das Letras.

UM JARDIM DE A A Z

Aqui em casa a gente tá tinha curtido abecedário de dinossauros, de sentimentos, de verbos e até abecedário pra hora de dormir – mas um de flores, nunca! Olha que ideia mais legal: “Um Jardim de A a Z” traz poeminhas curtos, rimados e cheios de delicadeza, cada um para uma flor. Alecrim, girassol, hortensia, margarida (minha flor preferida: cês sabiam que meu nome, Daisy, é margarida em inglês?) rosa e tulipa…e também quaresmeira, umbu, xique-xique e zínia. Pura primavera! Com ilustrações de Taline Schubach, a publicação é da Edelbra.

ALFABETO ESCALAFOBÉTICO

“Alfabeto Escalafobético” também traz um poema para cada letra, de A a Z – mas são poemas visuais, malucos e maramilhosos. Cada poema brinca com o som, o formato, o lugar das letras dentro das palavras – assim como as ilustrações! É legal demais porque não dá pra ler rapidinho não: tem que parar, curtir cada letra, observar como os desenhos e textos brincam juntos. Um dos alfabetos mais diferentes que conheci, um dos que o Francisco mais curtiu descobrir comigo! Parceria divertidíssima de Claudio Fragata e Raquel Matsushita, o livro é publicado pela Jujuba Editora.

HOJE SINTO-ME

Sabe aqueles dias que a gente se sente…meio sem palavras pra definir? Audaz, distante, heroico, invisível – “Hoje Sinto-me” traz em cada letra do alfabeto uma emoção completamente diferente, mas que todo mundo um dia já conheceu. Bonito demais, divertido, poético – as ilustrações em aquarela são lindas, e complementam as palavras com muita poesia. Outro livro que também já levou o Prêmio Bologna – obra prima de Madalena Moniz, publicado pela editora portuguesa Orfeu Negro e (infelizmente) ainda sem edição no Brasil.

***


11 abr 2017

Livros Infantis Para (Também) Pais e Mães

Escrito por
Destaques, Divertidos, Listas de Livros, Livros, Para Refletir, Posts Especiais

Nem se deixe enganar: são livros para curtir com as crianças, tá certo – mas garanto que vão fazer você refletir. Especialmente sobre sua relação com seus filhos!

NÃO FALTA NADA, de Tatiana Filinto e Visca

“Não Falta Nada”, da Editora Peirópolis, chegou por aqui fazendo o Francisco dar risada – e me fazendo refletir pacas, ufa! Um garoto conta um pouco sobre sua trajetória: “desde que nasci, sempre tinha alguém do meu lado”, começa ele. E não lhe faltava nada. Era chorar um pouco – ele mal sabia porque estava chorando – e já lhe vinham com uma chupeta. Nos seus primeiros passos, não lhe davam sossego – ele ia se cansar, oras, melhor dar colo! Nos primeiros dias de aula, a mãe chegou logo avisando tudo que o pequeno gostava, o que deixava de gostar, como proceder – e a verdade é que de tanto saberem por ele, ele já não sabia mais bem o que querer. O final é delicioso – aliás, deliciosas também são as ilustrações do artista Visca, que dão um tom especialmente divertido à história. Para rir, refletir e inspirar, que livro bacana!

CONTROLE REMOTO, de Tino Freitas e Mariana Massarani

A cegonha deixa um bebê para os pais – junto dele, um controle remoto. No início os dois nem reparam no controle – mas quando começam a usá-lo, fica tudo tão fácil! O botão SAP decifra que o pequeno quer; o MUTE o silencia, o REPEAT faz com que obedeça ordens. A vida segue tranquila até um dia que nada do controle funcionar…o jeito é levar criança, pais e controle ao técnico, que logo faz o diagnóstico: é hora de jogar o dito fora, foi usado em excesso. Todos se angustiam um pouco no início – agora vão ter que se ouvir, se entender, nada fácil! Mas vale o esforço, ah se vale! O livro tem o texto divertido de Tino Freitas, as ilustrações alegres de Mariana Massarani e formato diferente: retangular, como um controlão. Parte chata: o livro era publicado pela Manati, que fechou – por isso está esgotado. Com sorte se encontra em sebos por aí, como a Estante Virtual, e também em bibliotecas.

 AGORA NÃO, BERNARDO, de David McKee
“Agora Não, Bernardo” é um livro aparentemente muito simples: a historinha é curta, o texto pouco. Mas a verdade é que traz uma história e tanto, que faz a criançada rir e os pais refletirem – não tem jeito! Um garotinho chama a mãe, chama o pai – mas ninguém tem tempo para conversar: “agora não, Bernardo!”. Certa hora ele vem avisar que tem um monstro no jardim pronto para devorá-lo. Qual a resposta? “Agora não, Bernardo!”. Acaba que o mostro não só o devora como entra na casa, tomando o lugar do garoto. E quem disse que os pais percebem a troca? Da WMF Martins Fontes.

O GRITALHÃO, de Hedi Gnädinger e Philip Waechter

Helena era uma garotinha feliz, tinha talento musical e morava numa casinha à beira de um rio azul com sua família. Sua vida só não era mais tranquila porque seu pai simplesmente não sabia conversar normalmente: gritava pra tudo! “ONDE ESTÃO MINHAS BOTAS???”, “MEU OVO COZIDO FICOU MOLE!!”, gritava ele – tudo era motivo pra berros e mais berros. A mãe explicava que era porque ele era um gritalhão, vinha de uma família de gritalhões, e que se Helena quisesse, até ela podia virar uma gritalhona um dia. Mas ela não queria, não se conformava, e um dia tomou uma difícil decisão – pra só assim mudar o comportamento do pai. E você, já conheceu também um gritalhão ou gritalhona por aí? Da Global Editora.

MEU REINO, de Kitty Crowther

Uma garotinha conta que vive numa colina, entre dois reinos – seus vizinhos são a Rainha Dominique e o Rei Patrick, e eles se dão muito, muito mal. A garota não aguenta mais as brigas, se sente cada vez menor, com muito medo. Um dia a Rainha bate à sua porta com um bolo e um pedido de desculpas; em seguida, chega o Rei com um buquê de flores, outro pedido de desculpas. Mas quando são surpreendidos um pela presença do outro, é mais uma vez só briga – mas dessa vez é a garotinha quem perde a paciência, pede trégua! As coroas caem de suas cabeças – e aí sim, você entende, ali era uma família. Vale dizer: a autora e ilustradora, Kitty Crowther, trata de assuntos delicados sempre assim, de forma leve, muito divertida – e seus livros são maravilhosos por isso! Outros dois dela publicados no Brasil que valem demais conhecer é o “Cric, Crec, Pi, Ploft“, que trata do medo dos pequenos na hora de dormir e o sensacional “Meu Amigo Jim“, uma linda história sobre diferenças e respeito. Todos saíram pela editora Cosac-Naify, que recentemente encerrou suas atividades, mas seguem disponíveis na Amazon (e por um preço super em conta!). Imperdível!

LEO E A BALEIA, de Benji Davies.

Leo mora com o pai e seis gatinhos, pertinho do mar. Mas pai e filho não se encontram muito – o pai sai cedo para pescar, todos os dias. Uma noite acontece uma grande tempestade, dessas que quem mora perto do mar sempre vê – mas ela traz um filhote de baleia, que fica encalhado na areia, e é de longe avistado por Leo. O menino, cuidadoso, tem uma ideia: levar a pequena baleia para casa e deixá-la na banheira, para que não fique sem água. Conta-lhe histórias, traz lanchinhos, cuida com carinho da nova amiga. Mas não demora muito para que seu pai a veja – mas não, ele não fica brabo nem nada, mas percebe que seu filho se sentia mesmo muito sozinho. O final é cheio de cumplicidade, coisa linda – aliás, o livro todo, estreia super premiada do autor e ilustrador Benji Davies. A publicação no Brasil é da Paz e Terra, selo do Grupo Editorial Record.

***