oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 7 anos, e vinícius, de 1 ano. seja bem-vindo! Leia mais



Você está vendo os artigos na categoria “Destaques”
16 fev 2016

Especial Bebês: Dicas e Livros para Curtir com os Pequenininhos

Escrito por
Destaques, Fases e momentos especiais, Leitura com Bebês, Listas de Livros

Eu volta e meia recebo emails e mensagens lá no facebook com pedidos especiais – indicações de livros para ajudar em momentos específicos, indicações de tudo que é tipo. Mas sabe qual o campeão dos pedidos? Livros para ler com bebês!

O que acontece é que o mercado está repleto de livros indicado para os mais pequenos – cartonados, de pano, de banho. Livros que podem ser mordidos, jogados, babados, amassados – as livrarias estão cheias desses, e são geralmente os que primeiro vêm à mente quando pensamos em livros para bebês. Mas esses livros geralmente parecem mais brinquedos do que livros em si – o conteúdo é fraco, o preço é alto. Vale ter dois ou três, a criançada gosta, não adianta – mas não é preciso se restringir a esses não.

Importante mesmo é escolher livros que durem boa parte da infância – que ainda sejam muito lidos e relidos, que saiam e voltem às prateleiras, que encantem e divirtam! Livros que tenham boas edições (resistentes, ainda que de papel), ilustrações bonitas, histórias com conteúdo e gostosas de serem lidas em voz alta.

Quando penso em leitura para bebês, gosto de pensar em três coisas:

Hábito – Leitura é hábito, costume. É difícil fazer uma criança amar a leitura se ela só começar a ler na escola, como obrigação. Meu conselho é começar já na gravidez – juro! Parece loucura, mas estudos mostram que a partir de algumas semanas de gestação o bebê já ouve sons e reconhece a voz da mãe. Depois, nos primeiros meses, é só manter o hábito – ler antes das sonecas, depois de mamar, antes da hora de dormir. Você não precisa de resposta imediata, saber se ele está mesmo acompanhando – acredite, ele está! E já está fazendo da leitura um hábito!

Vínculo – Acho incrível a aproximação que a leitura permite – ler junto, apontar e descobrir as ilustrações, as cores, letras, palavras. Eu posso dizer que olha, foi na leitura onde mais me encontrei com o Francisco e onde mais sigo me encontrando – escolher um livro, se aninhar um ao outro e ler é dos momentos mais especiais que temos juntos, desde que ele era muito pequenino. E é legal aproveitar justamente esse momento pra já ir ensinando à criança os cuidados com os livros – afinal, você vai estar junto, o livro não vai ficar ali solto na mão do pequeno. E se ele quiser pegar, deixa sim – é importante! Depois é guardar e oferecer novamente – é esse o momento de já ensinar os cuidados com os livros.

Repetição – Repita, sem medo de ser feliz. Se a criança não se interessar hoje, tente outro dia. E depois, e depois. Leia um pouco hoje, um pouco amanhã. E se ela curtir, leia a mesma história todos os dias – a repetição é importante para as crianças, e especialmente quando bem pequenas, elas gostam e precisam disso. Por isso, na hora de escolher, vale ir atrás de livros com rima, ritmo, repetição na história – essas que são gostosas de serem lidas muitas e muitas vezes em voz alta!

Dadas as dicas, vamos aos livros!

1.  A ÚLTIMA ÁRVORE DO MUNDO

Primeirão da lista por uma razão específica: esse era o livro preferido do Francisco quando ele era bem pequenininho. Para vocês verem como a coisa toda é muito subjetiva e não há fórmula – esse livro não tem rimas, nem repetições, muito menos ilustrações mega coloridas, mas era o livro que o Fran queria ler toda santa noite, por um bom tempo. Não à toa, a primeira palavra que o Francisco disse foi “árvore”, do jeito dele – não foi mamãe, nem água, nem nada parecido. Ár-vo-re! Na historinha acompanhamos a última árvore que restou no mundo – um vaga-lume pisca nela durante a noite, um macaco peludo rouba suas frutas, um esquilo brinca na chuva. O livro é da dupla Lalau e Laurabeatriz, que têm juntos mais de 20 livros editados. Esse é publicado pela Scipione.

a-ultima-arvore-do-mundo

“A Última Árvore do Mundo”

2. O BALÃO DE ZEBELIM

Olha, pra fazer esse especial para bebês eu fiz uma reviravolta na nossa biblioteca – e nela, resgatei muitos dos que o Francisco curtia quando bebê. Esse era outro que ele amava – e inclusive foi sobre ele o primeiro post do blog, há 3 anos. Na historinha, acompanhamos um bichinho, o Zebelim, que perde seu balão vermelho, e sai em busca dele junto com amigos que vai fazendo no caminho. Algumas confusões e muito chororô depois, nada do balão – mas Zebelim faz a conta e percebe que acaba saindo no lucro: fez muitos amigos durante a procura. O livro é rimado e tem uma repetição divertida, mas também adoro o capricho editorial desse livro: folhas grossas e resistentes, impressões bonitas (as ilustrações são em xilogravura, lindas!). Publicado pela Scipione.

o-balao-de-zebelim

“O Balão de Zebelim”

3. MACACO DANADO

Tá aí uma dupla que sabe divertir os pequenos nos seus livros: Julia Donaldson e Axel Scheffler. Ela escreve, ele ilustra – o querido Grúfalo, O Filho do Grúfalo e Carona na Vassoura são os mais conhecidos deles, mas Macado Danado é uma delícia, especialmente para os menorzinhos. Conta a história de um macaco criança que se perde de sua mãe. Uma borboleta então resolve ajudar – e começam a busca através da descrição que ele faz: é maior do que ele, mas pera, não é um elefante. Costuma enrolar a cauda, mas calma, não é a cobra. Vive no topo das árvores, mas não é uma arara. O bacana é que durante a busca, vamos descobrindo as características de certos animais em ilustrações cheias de cor e textos rimados, divertidos – e no final, dá tudo certo, o macaco danado encontra sua mãe. E a borboleta explica: “aaah, ela era parecida com você? Você devia ter me dito isso antes! É que veja meus filhotes, como são diferentes de mim…como eu ia saber?” Da Brinque-Book.

o-macaco-danado

“Macaco Danado”

4. O ELEFANTE DIFERENTE QUE ESPANTAVA TODA A GENTE

Bom, todo mundo sabe que a gente tem muitas vezes que ler e reler a mesmíssima história para os pequenos – tem fases que ó, socorro! Pois essa repetição toda é importante demais para as crianças, e quando a história tem ritmo e é gostosa de ser lida em voz alta, é melhor ainda de ser ouvida! Nesse livrinho a gente acompanha um elefante e sua tromba gigante, nada obediente:

“se ele chegava em casa e ainda pegava as chaves para abrir o portão,

a tromba, muito espertinha,

já estava na cozinha cheirando as panelas do fogão.”

De tanto saracotear por aí, a tromba acaba se perdendo – para ainda voltar disfarçada no final! História redondinha e cheia de rimas divertidas, bem no estilo “era uma vez”. Ah, ainda é ilustrada pela Madalena Matoso, lá do Planeta Tangerina! Publicado pela LeYa.

um-elefante-diferente-03

“O Elefante Diferente (Que Espantava Toda A Gente)”

5. UMA LAGARTA MUITO COMILONA

Eric Carle é um autor e ilustrador que olha, cá entre nós, não pode faltar na biblioteca das crianças – seus textos divertidos e ilustrações coloridas, cheias de recortes, são legais demais de curtir com os pequeninos. Esse aqui é seu maior clássico: “Uma Lagarta Muito Comilona” conta a história de uma lagarta que nasce e quer crescer – e come, come, come! A cada página, vamos acompanhando sua comilança, repetindo os nomes dos dias da semana, das frutas e de outras guloseimas mais (que assim como nós, a lagarta não é de ferro). Nossa versão é em inglês, “The Very Hungry Catterpillar”, pequenininha e cartonada, dá pra deixar na mãos (e boca) dos bebês sem medo – no Brasil existe a mesma, publicada pela Callis. Mas vale ficar atento na hora de comprar online, pois há edições bem diferentes: cartonada, brochura e até pop-up!

uma-lagarta-muito-comilona

“The Very Hungry Catterpillar”, em português “Uma Lagarta Muito Comilona”

6. DA CABEÇA AOS PÉS

Olha, Eric Carle é tão divertido de curtir com bebês que eu me permito repetí-lo aqui na lista! Se você não conhece, pode ir atrás sem medo – não tem como errar com os livros dele! Esse é pr ler fazendo altas bagunças (portanto, não recomendado para a hora do sono!): é que é um livro, mas também uma grande brincadeira! A cada página, a gente é convidado a imitar um bicho: você consegue dobrar a cabeça como uma girafa? Balançar os braços como um macaco? Curvar as costas como um gato? O livro é grandão, mas é cartonado, super resistente – e as ilustrações grandiosas e coloridonas são irresistíveis! Também editado pela Callis.

da-cabeca-aos-pes

“Da Cabeça Aos Pés”

7. TER UM PATINHO É ÚTIL

Acho esse livrinho legal demais – e vou contar pra vocês, é um livro que adoro dar de presente para bebês! Porque não tem erro: é pequenininho, daqueles que cabem nas mãos dos pequenos, cartonado e resistente, mas traz uma historinha criativa em um formato muito do diferente. De um lado, uma visão – um menino nos conta como ter um patinho é útil, tudo que pode fazer com seu mais novo brinquedo. Só que quando termina, é só virar e tcha-rãn! Vira outro livro, agora na visão do próprio patinho – e para ele, ter um menino também é muito útil! As ilustrações são simples, mas divertidas: o barato fica para o jogo de cores e o formato – o livro é lido como uma sanfoninha. Da premiada artista argentina Isol, o livro era publicado pela Cosac-Naify, que recentemente anunciou seu fechamento. A boa notícia é que ainda dá pra achar fácil – e por um preço bem em conta!

ter-um-patinho-e-util

“Ter Um Patinho É Útil”

8. TÁ TUDO BEM, NENÉM

O último da lista foi descoberta recente – é da mesma artista que criou outro livro que o Francisco adora, chamado “Monstros Medrosos”, que mostrei recentemente aqui (mas esse para os maiorzinhos!). A suíça Emanuelle Houdart é um escândalo (desculpa a pieguice, mas é!): suas ilustrações são lindíssimas e esquisitas ao mesmo tempo, seres fantásticos, meio humanos, cores e estampas impecáveis por toda parte. Nesse livrinho pequenino, absolutamente delicioso de ler e brincar com os bebês, já dá para ter uma bela ideia do que é seu trabalho. A brincadeira é ir descobrindo quem anda mexendo nos objetos do neném – uma sereia de mãos ligeiras esconde a mamadeira, um gorducho diabinho senta no troninho, um monstro marinho, cheio de simpatia, na banheira se enfia. Publicado pelas Edições SM.

ta-tudo-bem-nenem-02

Mais uma dica!

Ok, dadas as dicas de como escolher os livrinhos dos pequenos e começar a biblioteca, vamos combinar que não é fácil pra todo mundo ir atrás de todos esses livros. Às vezes falta tempo, disposição, ou até segurança na hora de escolher entre os muitos e muitos livros que existem (e que seguem surgindo) no mercado. Uma boa ideia é fazer uma assinatura! Já recomendei o Clube de Leitores A Taba por aqui e é o que sigo recomendando: gosto especialmente da seleção caprichada na escolha dos livros, nada de livrinho da moda, ou livro de uma só editora – a seleção é feita por especialistas, com carinho e cuidado. Você escolhe o tipo de leitor baseado na faixa etária, e mensalmente a criança recebe um livro diferente, acompanhado de um mapa de exploração – e o mais bacana é que agora também há a opção bebês. Uma ideia legal demais pra começar a biblioteca dos que estão chegando ou já chegaram! Para saber mais, só clicar aqui. 😉

***


11 fev 2016

Monstros Doentes, de Emanuelle Houdart

Escrito por
Destaques, Divertidos, Para dar risada

Desde muito pequena eu curtia ler – mas os meus livros preferidos mesmo tinham uma fórmula: terror e humor. Bruxas, vampiros e monstros podiam até ser aterrorizantes, mas quando se envolviam em desastrosas aventuras e algumas confusões, pronto, ficavam muito mais próximos e divertidos. Nesse livrão (daqueles em formato grandão que a gente tanto ama!) a gente conhece monstros assustadores e de cara feia, no entanto…doentes, coitados. O ogro sofre com uma forte indigestão, o bicho-papão de enxaqueca, o gigante tem depressão e o vampiro, adivinha? Dor de dente!

"Monstros Doentes", de Emanuelle Houdart

“Monstros Doentes”, de Emanuelle Houdart

As ilustrações de Emanuelle Houdart são impressionantes: os monstros podem sim ser assustadores, mas são impecáveis, com cores incríveis, repletos de detalhes e referências cuidadosamente colocadas em cada desenho. Merecem mesmo páginas grandiosas como dessa edição, para que nada passe despercebido. Cada monstro doente vem acompanhado de um texto delicioso, cheio de ironia e bom-humor: a descrição da doença em si, seus sintomas, tratamentos possíveis e uma pequena observação ao leitor.

O pobre ogro e sua indigestão.

O ogro, por exemplo, depois de exorbitar um bocado à mesa, sofre com uma forte indigestão:

“de início, feliz por ter feito um bom banquete, o futuro doente, pousando os olhos sobre a barriga, descobre espantado que ela dobrou de volume.”

Aí é ânsia, e bem, o resto a gente já sabe…mas há divergências quanto ao tratamento:

“uns defendem o método radical de apresentar ao doente quitutes bem cheirosos, como ovos de codorna podres ou camarões em via de decomposição, acelerando assim o processo de limpeza. Outros, mais caridosos, o o farão ingerir grandes quantidades de chá de sementes de papoula e alcaçuz, o que acalmará seu estômago.”

IMG_1386

O gigante sofre de uma tristeza sem fim: é depressão.

Já o gigante, que sofre de depressão, tem sintomas tão humanos que dá vontade de abraçar:

“Para o doente acometido por depressão, tudo fica de pernas pro ar: o sábado se veste de domingo; a calça, encharcada de lágrimas, fica do avesso; o sapato direito aparece no pé esquerdo, e no pé direito, uma meia-furada.”

Mas ainda bem que há o tratamento, acessível e seguro:

“É preciso cobrir o doente de doces carícias e beijos, na mesma proporção das lágrimas que lhe escorrem dos olhos.” 

Publicado pelas Edições SM, um livro divertido para se dar de presente, levar alguns sustos, dar boas risadas e se divertir um bocado!

***


8 fev 2016

Aula de Samba – A História do Brasil em Grandes Sambas-Enredo

Escrito por
Datas Especiais (Páscoa, Natal...), Destaques, Divertidos, Posts Especiais

Divertido mesmo é aprender história e geografia e nem se dar conta – ouvindo samba-enredos que marcaram nossa música, por exemplo. O livro “Aula de Samba – A História do Brasil em Grandes Samba Enredo” é um livro legal demais idealizado por Martinho Filho, filho de Martinho da Vila – reúne 11 sambas-enredos cuidadosamente selecionados que contam a história de nosso país. É conhecer as letras, o contexto e história de como foi composto e descobrir os fatos e personagens históricos de cada um deles, em textos deliciosos de Maria Lucia Rangel e Tino Freitas, fotos da época dos sambas e  ilustrações de ninguém menos que Ziraldo. O barato é que um cd ainda acompanha o livro, com todos os sambas-enredos cantados por grandes intérpretes: Chico Buarque, Lenine, Maria Rita, entre outros.

O primeiro deles, e talvez dos mais conhecidos, é o “Exaltação a Tiradentes” – coisa linda cantada por Chico Buarque.! Escrito em 1949 por Mano Décio, o livro conta que um dia Mano sonhou que estava catando uma música – acordou e pediu que sua mulher fizesse coro com ele. “Ficou tão animado que no dia seguinte faltou ao trabalho, comprou peixe na feira e preparou o almoço” – a letra ele escreveu se guiando no livro do primeiro ano de ginasial de sua filha, e conta a história de Tiradentes, primeiro grande mártir da Independência do Brasil. Foi traído, condenado e recebeu punição severa: foi enforcado, teve seu corpo esquartejado e exposto ao longo da Estrada Real, no dia 21 de abril de 1792. Não bastasse isso,  a Coroa Portuguesa ainda queimou sua casa, confiscou seus pertences e e ainda jogou sal no terreno para que nada fosse plantado lá.

Outro samba-enredo cheio de história é o “Dia do Fico”, composto 1962 por Cabana e cantado por Paulinho Moska nesse projeto. O sambinha conta a história do dia em que Dom Pedro I declamou a famosa frase: “Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, estou pronto: diga ao povo que fico!” – alguns meses depois o Brasil se tornaria independente de Portugal e teria seu primeiro imperador. Divertido é descobrir as curiosidades em torno desses momentos e das figuras: Dom Pedro I, por exemplo, tinha um nome comprido pra caramba: Pedro de Alcântara Francisco Antônio João Carlos Xavier de Paula Miguel Rafael Joaquim José Gonzaga Pascoal Cipriano Serafim de Bragança e Bourbon. Pois é!

IMG_1505

Além desses, há outros sambas-enredos cheios de história e curiosidades: “Dona Beja, A Feiticeira de Araxá” conta a história de Dona Beja, mineira nascida em 1800, cheia de modernidade para a época: era mãe solteira de duas meninas, generosa, inteligente e muito influente. Já “Heróis da Liberdade” fala sobre duas liberdades: a dos negros escravizados e do fim da dependência de Portugal. Daqueles livros que são para crianças, mas agradam e encantam os adultos também, mergulho cheio de ginga na nossa história! Publicado pela Edições de Janeiro.

***