oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 7 anos, e vinícius, de 1 ano. seja bem-vindo! Leia mais



Você está vendo os artigos na categoria “Divertidos”
13 out 2016

Puns, Melecas e Afins – Livros para Rir!

Escrito por
Divertidos, Livros, Para dar risada

Tem coisa melhor que ler um livro e dar risada? Aqui em casa um assunto que sempre faz sucesso é pum, meleca ou coisas do tipo: livros com histórias melequentas, absurdas e muito hilárias. Esses são quatro dos preferidos do Francisco no momento – todos com alguma coisa em comum!

Assista ao vídeo:

 

1. O PUM E O PIRIRI DO VIZINHO

o-pum-e-o-piriri-do-vizinho

Se você ainda não conhece o cachorro Pum (acho difícil), não sabe o que está perdendo. O cão mais querido da literatura infantil já aprontou um bocado – o Pum já foi solto na escola, já escapou no parque, já deu trabalho! Em sua quarta aventura, “O Pum e o Piriri do Vizinho”, Pum e família ficam encarregados de cuidar do cachorro do vizinho, o Piriri (que aliás é filhotinho do Pum e da Couve-Flor). Só que não é fácil segurar o Piriri não, que quando chega, chega chegando! Não bastasse o Piriri, também vem o gato do vizinho junto, o Chulé – mas esse pelo menos é mais discreto. Com tanto Pum, Chulé e Piriri numa só história, é impossível ler com a criançada sem causar (e também dar) gargalhadas! Da Companhia das Letrinhas.

2. MAMÃE JÁ FOI PEQUENA ANTES DE SER GRANDE

mama%cc%83e-ja-foi-pequena-antes-de-ser-grande

Que pum, meleca e peraltices em histórias fazem a criançada rir alto todo mundo sabe – agora imagine só tudo isso ligado a uma figura tão comportada como a da…mãe da gente. “Mamãe Já Foi Pequena Antes de ser Grande” brinca com texto e imagem, que se contradizem e fazem rir! A mãe que sempre raspava o prato, que nunca, nunquinha falou um palavrão, que jamais sentiu ciúme do irmão. Será mesmo? Livrinho hilário, muito do politicamente incorreto e delicioso, publicado pela editora Rocco.

3. SHREK

shrek-livro

Os pais de Shrek eram feios de dar dó, mas Shrek nasceu mais feio ainda. Era verde, narigudo, exalava maus cheiros e ainda por cima não era nada bom. Quando saiu de casa (enxotado pelos pais, coitado), cruzou com uma bruxa que lhe garantiu: encontraria, um dia, uma princesa. O ogro então partiu mundo afora, determinado. No caminho, cruzou com dragões, adentrou florestas misteriosas, afungentou árvores, pessoas, raios e trovões. Mas quando finalmente encontrou a tal princesa, não teve dúvidas: ela era tão asquerosa quanto ele, só podia ser mesmo a mulher da sua vida! Publicado pela primeira vez em 1990, é esse o Shrek que inspirou o filme: sua história tem muita meleca, aventura e humor – e um final digno de conto de fadas! Da Companhia das Letrinhas.

4. A INCRÍVEL HISTÓRIA DO MENINO QUE NÃO QUERIA CORTAR O CABELO

a-incrivel-historia-do-menino-que-queria-cortar-o-cabelo

Tá certo que grande parte dos livros preferidos do Francisco no momento envolvem histórias com melecas, fedores e bagunças. Mas no caso desse aqui, envolve também baba de cachorro bravo, casco podre de cavalo e até pelo de sovaco de macaco! No alto de uma montanha morava um garoto com sua mãe – o garoto não era nada fácil, era birrento, teimoso e o pior: detestava tomar banho e escovar os dentes. A mãe já não sabia o que fazer e resolveu inventar uma história, com a intenção de amedrontar mesmo o filho: dizia que existia um tal bruxo malvado, repleto dessas melecas todas, que colecionava crianças. Suas presas preferidas, claro, eram as crianças birrentas. Ele as descobria pelo seu cheiro! A história era inventada, mas um dia, adivinhem só: fugindo do barbeiro da cidade, que tentava dar um jeito naqueles madeixas grudadas e fedidas, o menino foi pego por mãos compridas, com unhas gigantes repletas de musgo e lama…e aí, só lendo o livro pra descobrir o final! Publicado pela Editora Evora.

***


5 set 2016

Meu Primeiro Dicionário, de Richard Scarry

Escrito por
Clássicos, Divertidos, Fases e momentos especiais, Leitura com Bebês, Literatura Universal, Para dar risada

Richard Scarry foi um autor norte americano de enorme sucesso – teve mais de 300 livros publicados! Muitos se tornaram grandes clássicos, e seguem encantando gerações. “Meu Primeiro Dicionário” é um deles, publicado pela primeira vez em 1966! Lá fora está esgotado há muito, mas aqui no Brasil tivemos sorte: foi trazido em 2014 pela Editora WMF Martins Fontes nessa edição grandona, bonita e resistente.

meu-primeiro-dicionário

clássico desde 1966!

Esse é daqueles livros para se ter por boa parte da infância (daí a importância do “resistente”), que acompanha a criança em diversas fases. É um dicionário com 2.500 verbetes, cada um trazendo uma micro historinha e ilustrações coloridíssimas, muitas vezes engraçadas. Os personagens são animais variados (apresentados na primeira página do livro), cada um com seu nome, com suas manias.

meu-primeiro-dicionário-02

ilustrações vintage e textos curtinhos 

O barato é com os pequenos (1, 2 anos) curtir as imagens, criar historinhas diferentes e aprender muitas palavras novas (frutas, alimentos, meios de transporte) sempre em contextos divertidos. Com os maiores (na faixa dos 6 anos, como aqui em casa), a leitura rende boas conversas (há lições de boas maneiras em muitos dos quadrinhos, reflexões interessantes) e também boas risadas.

Também é muito legal pra quem está começando a ler sozinho: as historinhas curtas acompanhadas de muitas ilustrações dão autonomia e confiança – e despertam a curiosidade! Um livrão clássico para se ter na biblioteca e reler infinitas vezes: junto, sozinho, separado. 💚

***


19 ago 2016

A Pior Senhora do Mundo, de Francisco Hinojosa e Rafael Barajas

Escrito por
Destaques, Divertidos, Livros, Novidades e Lançamentos, Para dar risada

Se tem uma coisa que me entusiasma nesse mundo é quando o Francisco gosta MUITO de um livro e quer sair por aí mostrando pra avó, professora, para os amigos da escola. Acontece volta e meia, e foi exatamente assim com esse aqui: “A Pior Senhora do Mundo” conquistou o Fran de primeira (pra ser sincera, já com a capa!) e rendeu boas risadas (além de alguns sustos).

a-pior senhora

A história é hilária, divertidíssima, e especialmente diferente por uma razão: é politicamente incorreta, exatamente como a criançada adora. A pior senhora do mundo é uma mulher má que só, terrível – maltrata quem vier pela frente, seja bicho, filho ou vizinho. Tem cinco filhos e bate em todos eles –  quer se comportem bem, quer se comportem mal. Com as crianças vizinhas não é diferente; nem com gatos, gaivotas e baratas – todos correm perigo perto dessa mulher tão malvada.

Um dia, de tanto sofrer, o povo todo resolve ir embora. E ela fica sozinha com um pombo-correio, sua única vítima. Quando percebe que logo vai matar o pombo de tanto judiar dele, resolve escrever um pedido de desculpas para todos. É o pombo quem leva o bilhete, e todos voltam, crentes de que as coisas vão mudar. Mero engano – não só a mulher segue terrível, como dessa vez constrói uma enorme muralha em torno da cidade para que ninguém saia de lá. O jeito, então, é o povo se unir novamente, dessa vez com algumas ideias bastante diferentes – e finalmente acabar com as torturas da vilã.

Escrito pelo mexicano Francisco Hinojosa e ilustrado por Rafael Barajas, conhecido como “El Fisgón”, o livro já tem quase 25 anos – e está sendo reeditado esse ano no Brasil pela Sesi-SP. Pra ver um pouquinho mais da obra, só assistir ao vídeo:

***