oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



Você está vendo os artigos na categoria “Livros”
12 maio 2015

guia de viagem: Nova York com Crianças + sorteio!

Escrito por
Livros

Por aqui, a gente curte demais viajar – já viajamos algumas vezes eu e Francisco, às vezes sozinhos, às vezes acompanhados do resto da família. No ano passado, por exemplo, fomos à Disney com meu pai (ô saudade dele!), e eu compartilhei boa parte da viagem aqui no blog – e se tem uma coisa que eu me arrependi um pouco (e falei sobre isso aqui) foi de não ter planejado certas coisas com alguma antecedência. Porque uma coisa é fato: viajar com os filhos é uma delícia sem tamanho, mas é também um empenho sem tamanho – e por isso é bom se preparar, organizar os passeios, planejar as visitas com alguma antecedência. Porque aí é só chegar e ser feliz!

NY02

 

A Pulp é uma editora aqui de Curitiba, que entre diversas coisas bacanas faz guias de viagens especiais pra quem viaja com os filhos. Tem de Buenos Aires, São Paulo, Paris, Londres e agora Nova York. Esse último é lançamento, escrito pela jornalista (e coautora do blog Eu Viajo com Meus Filhos) Fernanda Ávila – mas o mais bacana é que o guia está longe de um ser um guia comum. As duas filhas de Fernanda, Nina e Lili (11 e 5 anos), são também as autoras dele – participam ativamente com dicas divertidas de passeios, compras, livrarias e guloseimas. O fato das meninas terem idades bem diferentes e serem super curiosas deixa o guia muito mais divertido: Nina dá a dica de que não dá pra deixar de passear de charrete no Central Park (“mesmo que seus pais digam que é coisa de turista”!), Lili sugere colorir, pintar e recortarno Children’s Museum of the Arts.

NY03

E tem a parte prática também, que é bem completa: a Fernanda dá dicas de como comprar complementos ou papinhas, qual modelo de carrinho de bebê é mais prático, como se virar no metrô. Além de dicas de onde ficar, comer, comprar – sempre lugares que curtem e recebem bem a criançada. O Top 10 de passeios é de morrer de vontade de viajar hoje-agora-já – coisa mais divertida!

NY04

Agora o presente: a Fernanda me deixou  de presente uma cópia do guia pra sortear entre os leitores aqui do blog – é só deixar um comentário aqui embaixo ou lá no facebook, na publicação sobre o livro. Não esquece de deixar nome e email pra eu entrar em contato – o sorteio vai ser na próxima quinta-feira, dia 14 de maio, às 13 horas. Fiquem ligados! 🙂


6 maio 2015

Especial: 5 Livros Infantis para o Dias das Mães

Escrito por
Livros

Dia das mães tá aí, próximo domingo – então resolvi fazer um especial sobre o tema essa semana: escolhi cinco livros infantis bem diferentes que falam sobre as mães. Alguns, pra variar, eu peguei emprestado na Biblioteca Pública e li durante essa última semana com o Francisco. Outros são nossos – a lista ficou divertida, com livros bem diferentes e pra todos os gostos: tem pra emocionar, pra refletir, pra rir muito, pra rimar. Ah, e dessa vez tem vídeo também, lá no youtube:

1. MAMÃE ZANGADA

Esse foi daquelas surpresas boas – peguei o livro na biblioteca pública, e juro, estranhei um bocado o nome. Mas foi começar a ler o livro (e terminar logo em seguida, que a história é bem curtinha) e logo curti demais – o Francisco também! A história, na voz de um simpático pinguim, começa assim:

“Hoje de manhã mamãe gritou tanto

que eu me despedacei em pleno ar.”

E segue – cada pedacinho do pinguim vai parar em um canto: do universo ao fundo do mar, da selva às montanhas, até o bumbum dele não se salva e cai no meio da rua. Mas no final acaba tudo bem: a mamãe zangada recolhe os pedacinhos todos e costura-os um a um – e o livro termina com um pedido de desculpas. Uma metáfora delicada e divertida. Livro curto, pequenininho, mas nem por isso menos sensível. Escrito e ilustrado pela alemã Jutta Bauer, editado no Brasil pela Cosac-Naify.

mamaezangada

mamaezangada2

2. QUANDO  MAMÃE VIROU UM MONSTRO

Aqui também há uma transformação física – mas aqui, quem se transforma, é a mãe. E se transforma num monstro! Arrisco dizer que esse foi o livro preferido do Francisco – ele riu um bocado com a história. Em “Quando Mamãe Virou um Montro”, a mãe recebe um telefonema – vai receber visita dos sobrinhos à tarde para lanchar. Então ela começa a ajeitar a casa, preparar um bolo – e nada dos dois filhos ajudarem. Aliás, eles só apavoram – fazem uma bagunça terrível, brigam entre si, choram. Enquanto isso, a mãe vai se transformando: pedaços verdes e apavorantes começam surgir em em seu corpo. Tentáculos, dedos de bruxa, rabo – a criançada leva um susto! Mas também, coitada da mãe – juro que senti compaixão por ela! A sorte é que fica tudo bem – as crianças resolvem finalmente ajudar e a mãe vai voltando a ser mãe, ufa. O final é bem divertido, e as ilustrações também – tem jeitão de gibi, com tirinhas bem coloridas e desenhos com cara de quadrinho. Divertido demais! Da britânica Joanna Harrison, publicado no Brasil pela Brinque-Book.

monstro

monstro2

3. MINHA MÃE É UM PROBLEMA

Os amantes das bruxas Onildas, bruxinhas atrapalhadas (eu!) e afins vão curtir esse livro, certeza. Eu curti bastante, o Francisco achou bem engraçado: o problema do garotinho da história é ter essa mãe feiticeira, de chapéu pontudo e vassoura. Os pais dos outros alunos – e os próprios alunos – vivendo olhando feio pra ele. Mas a mãe bruxa acaba conquistando todo mundo: a criançada se diverte com os doces cheios de bichos (eca) que ela faz e os pais a agradecem quando ela faz um feitiço para fazer chover na escola em um incêndio. Pois é, pais difíceis de conquistar esses, mas tudo termina bem. Historinha e ilustrações bem engraçadas e divertidas! Esse é um livro mais antigo – foi publicado pela primeira vez em 1986, e já teve algumas edições por aqui. Por isso dá pra encontrar fácil em sebos – na Estante Virtual tem a partir de 7 reais. Escrito e ilustrado por Babette Cole, uma das autoras infantis mais conhecidas e tradicionais da Inglaterra, foi editado no Brasil pela Companhia das Letrinhas.

problema

problema2

4. CORAÇÃO DE MÃE

Tá aí um livro pra emocionar todas as mães e avós do planeta terra, sem brincadeira. Eu dei uma choradinha na primeira vez que li, tão bonito é. Nele, a portuguesa Isabel Minhós Martins conta que cada coração de mãe é ligado pelo coração do filho por um fino fiozinho, e é por isso que sempre que alguma coisa acontece com o filho, a mãe sente fundo, dentro do próprio coração. Um trechinho, aquele ali que eu li no vídeo:

“Quando não compreende os filhos, o coração de mãe é como um novelo embaraçado.

No coração de mãe passa uma nuvem escura sempre que um filho é mal-educado.”

Tem rima, fluência, um monte de surpresa, é gostoso demais de ler – e também tem as ilustrações mais bonitas! A nossa cópia eu trouxe de Portugal, é da Planeta Tangerina (que tem um livro mais sensacional que o outro, gente!) – mas a boa notícia é que tem edição por aqui, yay! Saiu pela editora Alaúde, pelo selo Tordesilhinhas – um presente lindo para mãe e filho!

coração

coração2

5. A MÃE QUE CHOVIA

Eu deixo por último esse porque é meu livro do coração, com licença – eu já até falei dele por aqui há dois anos, assim que comprei nossa cópia, lá em Lisboa. É o primeiro livro infantil de um dos escritores que eu mais gosto, o José Luís Peixoto – e é um livro que já me emocionou um bocado! Ô história bonita. Pra vocês terem uma ideia, eu gosto tanto desse livro, que quando voltei pra Portugal, trouxe várias outras cópias para presentear mãe, psicanalista, amigas – porque é lindo assim, e infelizmente, ainda não tem edição aqui no Brasil. O livro conta a história de um menino que é filho da chuva – fala sobre ausência, sobre tristeza. Mas também fala sobre reencontro, felicidade, sobre mãe e filho, sobre natureza. Um dos trechinhos que mais me emociona, pra vocês verem o quão linda é a história:

“Mas esse rapaz esperto, composto por boa disposição e com a idade de mais ou menos, não precisava que lhe dissessem que era a sua mãe. Ele conhecia-a melhor do que os assuntos que conhecia mesmo bem. Juntos, trocavam tardes de domingo, descanso, beijinhos e coisas mornas de mãe e filho. Enchiam a barriga de brincadeiragem. ”

Daqueles livros que são mais nossos que dos filhos (desculpa aí, Francisco!), daqueles pra serem lidos, relidos, abraçados. Da editora portuguesa Quetzal, lançado recentemente no Brasil pela Companhia das Letras.

chovia

chovia2

***


25 abr 2015

5 livros da minha infância + vídeo no youtube!

Escrito por
Livros

Já foram algumas as vezes em contei aqui o quanto adoro ler com o Francisco os livros que eu lia quando era pequenina. É uma experiência divertida, traz um monte de coisa boa, lembranças passadas, desperta a curiosidade dele e olha, é até emocionante. Eu sei que isso soa um tanto quanto piegas dito assim, mas é verdade: com livro a gente se apega, se emociona. E eu lembro bem das emoções que sentia quando era criança e pensava na lesminha Lúcia, que não chegava a festa alguma, coitada, ou quando imaginava a barulheira que o gato Deodato fazia no sapato da sua dona – reencontrar essas memórias junto do meu filho é bom demais!

A lista de hoje é essa: cinco livros que eu curtia quando criança e que hoje é o Francisco quem curte lendo comigo. Esses foram meus, que minha mãe teve o cuidado de guardar pra mim – mas quem não teve essa sorte encontra fácil esses livros em sebos como a Estante Virtual – esses e muitos outros lá do nosso tempo, vale procurar. Ah, a novidade é que agora eu tô ali no youtube também (é um trabalho da minha pós-graduação, gente, depois eu conto!) – então dá pra ver as dicas no vídeo, ler aqui no post ou então fazer os dois, rá! Bora?

1. LÚCIA-JÁ-VOU-INDO

Um dos primeiros posts aqui do blog foi sobre o Lúcia Já-Vou-Indo – e também um dos posts mais acessados desde então. É que esse foi o livro da infância de muita gente, lido demais nos anos 80. É um dos livros pelo qual eu mais tenho carinho – tá destruído, o pobre coitado, tantas as vezes que foi lido, relido, abraçado, amassado. A história da lesminha que sempre se atrasa e nunca chega a festa alguma é divertida e tem um final bem feliz e cheio de amigos. As ilustrações são demais também – repletas de detalhes, recados, cores psicodélicas (tava reparando nisso agora!) e muito engraçadas. Tanto o texto quanto os desenhos são de Maria Heloísa Penteado – ela faleceu no ano passado, aos 95 anos, e deixou mais de 40 livros infantis publicados. O livro tem reedições, mais recentes, mas ainda com a mesma carinha – problema é que não são muito fáceis de achar. O bom é que esse muita gente ainda tem na estante! Da editora Ática.

lucia01

lucia02

2. O SAPATO QUE MIAVA

Outro livro do qual já falei por aqui uma vez. Esse é um dos que mais me traz memórias divertidas e que o Francisco mais gosta de ler comigo. Acho que muita gente deve lembrar desse ou de outros livros da Sylvia Orthof – outro grande nome da literatura infantil brasileira, Sylvia faleceu em 1997 e deixou nada mais que 140 livros publicados. Muitos são clássicos da criançada dos anos 80 – esse aqui é meu clássico particular, e arrisco dizer que a primeira história de amor da qual me lembro! Conta a história de uma senhora que vai à feira com o gato preso no sapato – aí o cachorro de um velhinho simpático corre atrás do gato no sapato, e pronto, dali surge um bonitinho romance. Essa edição é de 1988 – a nova tem outras ilustrações, bem diferentes. Mas nem preciso dizer que me recordo e gosto mesmo é dessa aqui: dessa senhora negra, gorducha, de cabelos brancos, óculos fundo de garrafa e meias furadas. Pura simpatia! Da editora FTD.

sapato01

sapato02

3. BICHOS, BICHO!

Ciça é o apelido da escritora Cecilia Whitaker Vicente de Azevedo Alves Pinto – e é como ela assina seus livros. É outra autora que escreveu vários livros na nossa época, muitos deles em poesia – esse aqui, Bichos, Bicho! é assim, poesias curtas sobre os mais diversos (e diferentes) animais. Os versinhos são engraçados, cheios de trocadilho e rimas. As ilustrações são de ninguém menos que Ziraldo – e são muito divertidas. Bom, o camelo de calça lee na capa já diz tudo. Eu adoro a ovelha que comprou seu casaco em Baaaaaaaris e o Francisco curte o urubu que está só urubuservando – pra ler com aquela leitura dramática básica e dar risada. Esse é um livro mais fácil achar – tem usado a partir de 10 reais na Estante Virtual! Da editora FTD.

bichos01

bichos02

4. AS PINTAS DO PREÁ

Esse é um livro mais simples, com pouco texto e uma historinha menos emocionante, vamos dizer – mas era outro que eu curtia demais quando era criança! O texto é bem curto, fácil e tem bastante repetição, as ilustrações são limpas e coloridas. Faz parte de uma coleção que se chama Gato e Rato e que tem 20 livros no total – esse aqui, As Pintas do Preá, escolhi porque é um dos que mais me lembro: os preás com as pintinhas coloridas, a pedra escondida sendo confundida com um preá. Mas tem outros que muita gente há de recordar: Dia e Noite, A Bota do Bode, O Vento. São todos escritos pela mesma dupla: Mary França e Eliardo França. É uma coleção que vale procurar em sebos – dá pra achar fácil e bem em conta. Da editora Ática.

prea01

prea02

5. BRUXA ONILDA VAI À FESTA

E por último, claro, o meu preferido. Tá, meio arriscado e injusto com tantos outros livros eu dizer isso, mas verdade é que eu sempre curti demais bruxinhas e afins. Na minha vida teve a bruxinha atrapalhada da Eva Furnari e teve também a Onilda – que é tão ou mais atrapalhada quanto, aliás. No original em espanhol a personagem é La Bruja Aburrida, algo como a bruxa aborrecida – no Brasil que virou Onilda, vai saber o porquê. A questão é que deu muito certo, e a bruxa Onilda foi a leitura de uma meninada da minha época, ali no início dos anos 90 – eu tinha 8 anos na época e amava todos os livros. Hoje dou risada com o Francisco lendo as (des)aventuras dela: Onilda indo à praia, a Paris, a Veneza, Onilda se casando como Bruxo Pedrusco Padursco, Onilda indo fazer festa. São vários os livros da coleção, e dá para achar fácil! Da Editora Scipione.

onilda01

onilda02

***

E você, tem algum livro da sua infância que você curte reler com seus filhos? Conta mais! 🙂