oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



Você está vendo os artigos na categoria “Para Refletir”
4 abr 2016

O Segredo Mais Forte do Mundo

Escrito por
Destaques, Natureza e Ecologia, Novidades e Lançamentos, Para Refletir

Eu tenho um carinho especial por livros redondinhos – sabe como? Aquelas histórias que começam, envolvem, têm seu auge e terminam, redondinhas, completas. E sempre penso no desafio que é fazer uma história dessas em um livro infantil, com poucas palavras, muito conteúdo – esses são os livros mais incríveis! Dia desses recebi por aqui um livro que agarrou a gente assim, eu e o Francisco, de primeira: “O Segredo Mais Forte do Mundo”.

Processed with VSCO with kk2 preset

Começa assim:

“Havia um reino

Nesse reino, havia um palácio

e, nesse palácio, 

havia uma Rainha. 

Em suas mãos, havia um segredo. 

Um segredo que ninguém conhecia.”

Um dia, chegam nesse reino muitos e muitos navios, pelo mar – e de um deles desce um homem chamado Bao-O-Terrível. Cheio de poder e de ordens, Bao exige que a Rainha seja sua mulher e o palácio se torne seu: “eu sou o homem mais forte do mundo!” diz ele. A Rainha, tranquila, responde que bem…há algo mais forte que ele: o oceano, oras! É ele quem transporta seus navios, é ele quem devora as falésias – sem ele, aquele homem lá não estaria. Bao cerra os dentes e enfrenta o grande oceano, que logo lhe responde: não, não, ele não é o mais forte. Mais forte que o oceano ainda é o riacho, que desce lá do alto da montanha. Sem ele, o oceano não existiria.

IMG_4532

Bao então enfrenta montanhas e montanhas até se deparar com o riacho, que aponta a nuvem, que aponta a árvore e nesse ciclo genial ciclo segue até uma singela…abelha. O homem maldoso ri debochado, como uma abelha poderia ser mais forte que ele? E a mata, com um simples tapa. E é aí que as coisas se transformam…mas dentro das mãos da Rainha, lembre-se: há um segredo! Um livro lindo que aborda natureza e força feminina, ideal para ler em voz alta, em roda, de se compartilhar a leitura. Escrito e ilustrado pelos franceses Gael Aymon e Pauline Comis, publicado no Brasil pela Dedo de Prosa


23 mar 2016

Você Não Vem Brincar?, de Ilan Brenman

Escrito por
Destaques, Novidades e Lançamentos, Para Refletir

Dos escritores brasileiros atuais de livros infantis, há um que não pode faltar na biblioteca dos pequenos: Ilan Brenman. Autor de mais de 60 obras (sim!), são dele livros como o hilário Até As Princesas Soltam Pum e o Caras Animalescas, entre outros. Brenman tem alguns dons: além do de criar e contar boas histórias, parece saber o timing exato para criá-las. Em “Você Não Vem Brincar?”, lançamento da editora Brinque-Book, o tema não podia ser mais atual: uma criança e seus jogos digitais.

"Você Não Bem Brincar?" - Ed. Brinque-Book

“Você Não Bem Brincar?” – Ed. Brinque-Book

“Pedro, você não vem brincar?”, pergunta a irmã. Mas lá está ele com seu joguinho: “mas eu já estou brincando!”. O livro segue: os amigos da escola, o pai que monta um grande quebra-cabeça sentado no chão da sala, os avós – todos chamam por Pedro. Pedro acredita que está mesmo brincando – e está, mergulhado no universo de algum jogo digital, sozinho. É no final do livro que o Pedro reflete, para pensa…e não resiste ao convite dos avós, que brincam juntos, eufóricos.

No final do livro, o próprio Brenman faz uma nota interessante: em uma pesquisa que fez recentemente, perguntou a várias crianças o que as deixavam felizes. As respostas foram as mais variadas: jogar futebol, coisas quentinhas, ouvir histórias – nenhuma mencionava tablets ou videogames. Jogos podem até ser divertidos (eu mesma tenho meus preferidos, o Francisco os dele!), mas não saciam por completo a necessidade de brincar das crianças. É mais do que sabido: o estar junto, seja brincando, jogando cartas, inventando histórias ou rabiscando uma folha de papel jamais será substituído por um jogo de video-game – são essas as lembranças que ficam na memória!

FullSizeRender 11

os bonecos tridimensionais de Carlo Giovani, divertidíssimos!

Um super destaque para as ilustrações de Carlo Giovani, tão divertidas: o artista usou muitas caixas de papelão, madeira, tecidos, tintas super coloridas e brincadeiras (olha só!) para criar o universo em que Pedro vive. As ilustrações são fotos dessas criações, e dá vontade de tocar os personagens! Foi algo que logo despertou o interesse Francisco: os cabelos encaracolados da irmã, as cabeças quadradas, a pipoca de isopor! Demais!

***


2 mar 2016

Especial: Biografias de Mulheres Incríveis

Escrito por
Biografias, Destaques, Diversidade e Respeito, Listas de Livros, Para Refletir

Dia 8 de março é o dia da mulher – aproveitando toda a importância e celebração que há por trás dessa data, esse ano fiz uma reviravolta na nossa biblioteca atrás de biografias de mulheres fortes e incríveis para apresentar à criançada. Histórias reais e inspiradoras!

1.COLEÇÃO ANTIPRINCESAS – FRIDA KAHLO, VIOLETA PARRA e JUANA AZURDUY

No final do ano passado, a editora argentina Chirimbote lançou uma coleção que deu o que falar: a Coleção Antipricesas, na qual a ideia é apresentar às crianças a biografia de grandes mulheres latino-americanas. O assunto rendeu por aqui! Saíram matérias em portais como Hypeness e Catraca Livre que foram amplamente compartilhados em facebooks e afins – foi bonito de ver, todo mundo interessado em falar sobre mulheres reais, fortes, absolutamente incríveis! Achei a ideia tão legal que até tentei comprar os livros pela internet – mas olha, não é fácil encontrar livrarias argentinas que entreguem no Brasil. A sorte foi que numa viagem para lá, no início do ano, pude finalmente conhecer a coleção ao vivo, e trouxe para casa os três livrinhos: o primeiro trata da artista Frida Kahlo, o segundo apresenta a cantora chilena Violeta Parra e o terceiro, por fim, nos mostra quem é Juana Azurduy, boliviana que lutou pela independência da América Latina. Dicionário em punho, lemos os livros – são bem informativos, com datas, lugares e informações específicas sobre cada uma das personagens. Admito que não me entusiasmei tanto com os livros em mãos – ao vivo, parecem mais revistinhas, tanto na edição (papel brilhante, capa molinha), quando na diagramação e ilustrações. Mas como sou a chata do livro bonito, então pode relevar essa parte e conhecer sem medo: a ideia é legal demais! E se liga na boa notícia: a editora SurLivro acaba de lançar o primeiro livro da coleção, sobre a Frida Kahlo, em português. 😉

colecao-antiprincesas

2. FRIDA

Ahhh esse livro! Quer apresentar a Frida para as crianças através de uma história encantadora, com ilustrações de tirar o fôlego? Então é esse o livro que você busca! Eu não o conhecia até ganhar de presente, eu e Francisco – foi no ano passado. Desde então, já perdi a conta de quantas vezes o lemos e relemos, quantas vezes já mergulhamos em seus desenhos – nele, conhecemos a história da artista desde a sua infância. Suas influências, sua criatividade e curiosidade sem tamanho. A história segue através da adolescência de Frida, vida adulta e grande sofrimento pelo qual passou, mas que transformou em beleza como nenhuma outra artista. Acho especialmente bonito que as ilustrações de Ana Juan têm muitas, muitas referências do trabalho de Frida – então, enquanto acompanhamos a história, entendemos sua arte também. Esse é da Cosac-Naify, editora que como todos sabem, fechou recentemente – mas vale procurar que ainda dá para encontrar o livro em livrarias online e físicas (mas rápido antes que acabem os estoques!).

frida

3. CARMEN – A GRANDE PEQUENA NOTÁVEL

Não há quem não conheça Carmen Miranda – aqui ou lá fora, pensou em Carmen, pensou em dança, babados, frutas na cabeça! Mas a verdade é que a gente sabe muito pouco da história dessa mulher incrível – eu, pelo menos, sabia era nada! E veja só, foi através de um livro infantil, que li junto com o Francisco, que fui conhecer um bocado e me apaixonar por essa figura que foi Carmen Miranda. Carmen nasceu em Portugal, mas logo se tornou “mais brasileira do que a jabuticaba e mais carioca do que a Praia de Cobacabana”. Também foi uma criança brincalhona, curiosa, gostava de jogar futebol com os meninos e fazer concurso de xixi à distância com as meninas (sim senhor!) – mas principalmente, gostava de cantar, gostava muito de cantar. Teve que começar a trabalhar muito cedo, mas logo que sua voz foi descoberta (a história por trás dessas descoberta é fantástica!) já deixou o Brasil e começou uma grande carreira de sucesso lá fora – mas sem jamais perder o carinho e as referências do país onde cresceu. A linguagem desse livro é deliciosa! Impossível não ler sorrindo, cantando, rebolando até (não me julguem!). Publicado pelas Edições de Janeiro.

carmen-a-grande-pequena-notavel

4.DIFERENTE COMO CHANEL

Outra mulher incrível foi Coco Chanel, sabiam? Pois eu não sabia, e fiquei também feliz da vida em conhecê-la e apresentá-la ao Francisco através desse livro aqui, divertido e muito do bonito! Chanel foi revolucionária à sua maneira: foi ela quem no início do século XX, tirou os apertados espartilhos da mulherada e começou um movimento para que elas se vestissem mais livres, inclusive usando preto (povo naquela época não curtia isso não!). Também teve uma infância e adolescência difícil, mas lutou como pôde – e logo conseguiu um emprego numa alfaiataria, e lá aprendeu a fazer suas próprias roupas e chapéus, que no início chocavam a todos. O livro é cheio de curiosidades sobre Chanel, com ilustrações bonitas e delicadas e capa dura – um belo presente, viu? Também da Cosac-Naify, infelizmente – mas também ainda fácil de encontrar, então corre!

diferente-como-chanel

5. MALALA – A MENINA QUE QUERIA IR PARA A ESCOLA

O último livro da lista não podia faltar de jeito nenhum – é outro livro do qual muito se falou recentemente, importante e essencial. A indicação desse fica pra criançada mais velha – a partir dos 11, 12 anos. Conta a história da Malala, a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel da Paz – por isso, você já deve ter ao menos ouvido falar dela. Malala é uma menina paquistanesa que lutou e segue lutando pelo direito de todas as mulheres de terem acesso aos estudos. Sua história é incrível, inspiradora – e o livro é uma delícia de ler, um livro reportagem para crianças. Tem a dose certa de suspense, ação, aventura – e uma lição sem tamanho! O texto é da jornalista Adriana Carranca, que viajou ao Vale do Swat, onde Malala nasceu e cresceu, para escrever esse relato emocionante; as ilustrações, bonitas demais, são da Bruna Assis Brasil. Um livro completo, delicioso, importante em todos os sentidos, publicado pela Companhia das Letrinhas.

malala-a-menina-que-queria-ir-para-a-escola

***