oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 7 anos, e vinícius, de 1 ano. seja bem-vindo! Leia mais



Você está vendo os artigos na categoria “Para Refletir”
4 jul 2016

Nossos 10 livros preferidos entre os 30 melhores da Revista Crescer 2016!

Escrito por
Destaques, Interativos e Livros-Brinquedo, Listas de Livros, Novidades e Lançamentos, Para dar risada, Para Refletir

Todo ano a Revista Crescer faz uma seleção muito legal com os melhores livros infantis do ano, para facilitar a vida dos pais na hora de escolher boa literatura para os pequenos. Eu adoro acompanhar, fico sempre de olho – e como sou muito da metida (e também a pedidos da minha amiga Michelle, lá do Vida Materna), fiz esse ano uma super seleção dentro da seleção. Pois é, me empolguei e escolhi dez dos nossos preferidos  (meus e do Francisco também!) da lista, para vocês conhecerem um pouco mais sobre cada um deles. E ah, não deixem de ver o vídeo, viu?

1. O REI, de Luiz Tatit e Renato Moricone

É um livro, mas é também uma música – na verdade, O Rei é uma música do Luiz Tatit, que ilustrada por Renato Moriconi, virou esse lindíssimo livro infantil. Lindo mesmo: na edição (adoro esses livros com formatos diferentes, fora do comum!), nos desenhos, na história do rei que sofre por nunca ser levado a sério até o dia que todos precisam dele. Quando as forças do mal invadem o país, é atrás dele que o povo corre. E ele surge, pacífico, de trás de sua montanha, e vem instaurar a paz. Uma história emocionante, deliciosa de se ler em voz alta, cheia de ritmo e música (literalmente, né?). Da Jujuba Editora.

“O REI”

2. UNIFORME, de Tino Freitas e Renato Moricone

Eu já falei desse livro em outra lista, quando escolhi, no final dos ano passado, os 10 melhores livros infantis publicados em 2015. A gente gosta demais, demais desse livro – primeiro porque ele é uma experiência super interativa, divertidíssima; segundo, porque tem uma mensagem poderosa! Nessa história curtinha, mas cheia de surpresas, conhecemos Clóvis, um rapaz meio camaleão, que gosta mesmo é de dançar conforme a música. Enquanto lemos a história, somos convidados a procurá-lo pelas páginas do livro, nas ilustrações do Renato Moricone. E Clóvis segue camaleônico, seguindo a maré, até um dia que de tanto seguir os outros, ele percebe melhor mesmo é…seguir seu coração. O livro, que é todo em preto e branco, esconde uma feliz surpresa no final – o Francisco sempre abre a última página com um “uaaau!” e eu simplesmente AMO isso! Publicado pela Edições de Janeiro.

“UNIFORME”

3. DOIS PASSARINHOS, de Dipacho

Outro livro divertido que trata de um assunto importante e bastante atual – e que olha, rende um bom papo! Nesse livro-imagem a gente acompanha dois pássaros que vivem muito bem cada um em seu galho, cada um de um lado de uma árvore. Até o dia que um sai e volta com alguma coisa…um abajur, no caso. O outro também sai e volta com uma TV. Aí aquele primeiro traz mais uma coisinha: um livro. O outro, imagine só se não, sai de novo e volta com uma privada! É tanto cacareco que logo os dois viraram verdadeiros acumuladores, numa hilária competição. No final, seus galhos pesam tanto, mas tanto, que desabam no chão. E terminam os dois, adivinha? Sem nem ter onde morar! Livrinho precioso do artista colombiano Dipacho, publicado no Brasil pela Pulo do Gato.

dois-passarinhos-02

“DOIS PASSARINHOS”

4. ANTES DEPOIS, de Anne-Margot Ramstein e Matthias Aregui

Outro livro-imagem surpreendente é esse aqui. Livro grosso, grandão, repleto de ilustrações, brinca com uma ideia muito básica: do lado esquerdo, o antes; do direito, o depois. Não há palavra alguma, mas a narrativa está ali, muito clara, muito elaborada – e isso é lindo demais! Alguns “antes e depois” são previsíveis, como um botão e em seguida uma flor, ou uma lagarta e uma borboleta. Mas outros são tão engenhosos que levam a imaginação longe, muito longe: um estilingue e uma janela com o vidro quebrado; um cavalinho de madeira na luz do dia, em seguida uma cadeira de balanço no anoitecer. As histórias em torno deles ficam por nossa conta! Nossa edição é da Candlewick Press, mas no Brasil o livro saiu pelo selo Livros da Raposa Vermelha, da WMF Martins Fontes.

“ANTES DEPOIS”

5. A RAINHA DAS RÃS NÃO PODE MOLHAR OS PÉS, de Davide Cali e Marco Somà

Essa é uma daquelas histórias que tanto gosto: redondinha, com início genial e um final bastante surpreendente. Conta a história de uma rã que um dia, em um mergulho no lago, encontra uma coroa. Curiosa, coloca a coroa na cabeça, e naquele mesmo momento, vira a grande Rainha das Rãs. Nesse instante, tudo muda – a rainha consegue conselheiros, que claro, têm também seus privilégios e de repente todas as rãs, que viviam muito bem e tranquilas, têm que viver em função da nova rainha (que nem sabe qual sua função, já que o lago nunca teve uma). Uma hora esse poder começa a ser questionado, e num mergulho coletivo, na vez da Rainha, ela volta…sem coroa. E aí, ah, aí as coisas mudam. História fascinante, ilustrações sensacionais (de Marco Somá) e uma importantíssima reflexão sobre autoridade e poder. Da Pulo do Gato.

“A RAINHA DAS RÃS NÃO PODE MOLHAR OS PÉS”

6. LÁ E AQUI, de Carolina Moreyra e Odilon Moraes

Falei desse livro dia desses lá no instagram, quando me pediram dicas de literatura infantil que abordasse o tema “separação” – foi o primeiro que lembrei, porque é um dos livros mais delicados e bonitos que conheço sobre o tema. Nele, um garoto conta como era sua vida – a casa, o jardim, tudo antes da separação dos pais. Até o dia que tudo muda. Com um texto poético, através das metáforas mais bonitas, ele fala da dor e da sensação de desamparo diante da nova situação. É triste, fato, mas tocante, importante demais – e o final é puro aconchego, segurança. O lar agora são dois, mas o garoto sabe que está sempre em casa, onde quer que esteja. As aquarelas de Odilon Moraes são lindas demais – um livro pequenininho, delicado em tudo. Publicado pela Pequena Zahar.

la-e-aqui-02

“Lá e Aqui”

7. ESSE LIVRO COMEU O MEU CÃO!, de Richard Byrne

Esse é um livro para rir, rir muito – e bem legal de curtir com as crianças pequeninhas, a partir de 1, 2 anos! Tudo começa com um passeio: Bella e seu cão caminham pela página quando de repente…ele desaparece, na dobra entre as páginas. Ela não entende nada do que acontece, claro, e pede ajuda – mas aí, todo mundo acaba sumindo nessa dobra misteriosa. É aí que o leitor recebe um recado: que ele vire o livro na vertical e chacoalhe, chacoalhe, chacoalhe…até que todos os personagens caiam dali. Sabe livro pra brincar, mas brincar mesmo? Ler no chão, fazendo teatro, bagunça e barulho – para ouvir muitas risadas e pedidos do tipo “lê de novo?”. Da Panda Books.

este-livro-comeu-meu-cão-02

“Este Livro Comeu O Meu Cão!”

8. A REVOLTA DOS GIZES DE CERA, de Drew Daywalt e Oliver Jeffers

Outro livro pra rir muito, daqueles tão criativos que você fica se perguntando da onde o autor tirou uma ideia tão legal! Um dia, Diego vai pegar sua caixinha de gizes de cera e encontra um bolo de cartas. São os próprios, os gizes de cera, se queixando da dura vida que levam: o giz vermelho não aguenta trabalha tanto: dia dos namorados, ele pinta corações; Natal, ele pinta Papai Noel – não é fácil ter que trabalhar até nos feriados! O preto não aguenta mais ser contorno; o cinza também cansou de pintar coisas grandes, o branco é muito pouco usado e acha isso um desaforo! Cada giz de cera tem sua razão pra chorar. As ilustrações do Oliver Jeffers são o grande charme do livro, as cartas escritas à mão, os desenhos infantis como se fossem do próprio Diego. No Brasil a publicação é da Salamandra.

Processed with VSCO with h4 preset

“A REVOLTA DOS GIZES DE CERA”

9. SELVAGEM, de Emily Hughes

A menina da nossa história não tem nome, ela é uma selvagem. Ninguém sabe como ela foi parar na floresta, mas cresceu ali – aprendeu a falar com as aves, a comer com os ursos, brincar com as raposas. E vivia bem assim, era feliz! Até o dia que humanos a encontram, e ela é levada até a civilização. Não é fácil para ela, não é fácil para o casal que a acolhe, já que tudo é muito errado, para ambos os lados. É demais acompanhar o texto curto e mergulhar nas ilustrações, tão detalhadas, tão maravilhosas de Emily Hughes. Tem humor, tem aventura, tem tudo ali – e tem uma edição impecável, linda demais, da Pequena Zahar. Preciso dizer que é um dos nossos xodós?

“SELVAGEM”

10. ÔNIBUS, de Marianne Dubuc

Esse é um livro que o Francisco gosta muito! Parte de uma ideia simples, mas cheia de significado: a mãe leva a menina até o ponto de ônibus para sua primeira viagem sozinha. O desenrolar da história é justamente sua primeira viagem, e tudo que acontece nela. Os outros passageiros são (com exceção de um coleguinha) todos bichos, e ela vai observando o que cada um faz, o que acontece. Divide biscoitos, observa um quase-roubo, vê muita coisa acontecer – e a gente vai vendo junto, antecipando acontecimentos, observando vestígios de outros. Tem uma parte que o ônibus entra em um túnel, e fica tudo escuro – essa é a hora que o Francisco mais curte da leitura, aguarda ansioso por essa página. Gosto tanto disso! No final, ela chega até sua vovó, que a espera no ponto de ônibus – cheia de histórias pra contar! Da Jujuba Editora.

“ÔNIBUS”

***

Vale dizer: a lista de livros da Crescer tem o ano de 2016 porque esse é o ano da edição da revista, mas os livros foram publicados, em sua maioria, em 2015 – ou até antes. Outros da lista já saíram em seleções aqui do blog, como n’Os Melhores de 2015 e outras mais. 😉

***


30 jun 2016

“O Pacto do Bosque”, de Gustavo Martin Garzo e Beatriz Martin Vidal

Escrito por
Clássicos, Destaques, Fábulas, Para Refletir

Se tem um envelope esperado em casa é o envelope pardo do Clube de Leitores A Taba, que chega com livrinho novo por aqui todo santo final do mês. Sexta passada o Francisco chegou da escola no final da tarde e o envelope esperava em cima da mesa. Abriu o pacote cheio de entusiasmo, mas pegou o livro de dento um tanto ressabiado: a capa dava “um pouco de medo”, disse ele.

Processed with VSCO with 7 preset

O Pacto do Bosque e sua capa misteriosa

Por conta do medo, não foi o livro novo o escolhido para nossa leitura da noite de sexta. Lemos outros –  mas no sábado de manhã, café na cama, preguiça deliciosa de um dia sem compromissos, propus então que lêssemos o livro que havia chegado no dia anterior. O Fran, já mais valente por conta da luz do dia, logo aceitou.

E aí que a história de “O Pacto do Bosque”, publicado pela Pulo do Gato, já começa linda, com um momento similar, que por aqui se repete desde que o Francisco era bebê – o que por si só já me emocionou (vale culpar os hormônios desse meu último mês de gestação, vale sim!): a mãe aconchegada às crianças contando-lhes histórias na hora de dormir.

Lambe-Lambe e Orelhinha adentram o bosque escuro

Todas as noites seus dois filhos, Paula e Gustavo,  lhe pedem a mesma história: aquela do bosque no qual lobos e coelhos eram amigos. Então ela começa: Orelhinha e Lambe-Lambe eram coelhos irmãos, e apesar das ordens expressas da mãe de não adentrarem o bosque, um dia a desobedecem. Lá dentro, o passeio inicia-se tranquilo – até darem-se conta de que estão perdidos, e com a escuridão que logo cai, vai ser difícil achar o caminho de volta.

Os dois coelhos ouvem um choro na floresta, longe – uma loba cinza, gigante, prestes a parir, queixa-se por estar cega. Tem medo de não conseguir cuidar de seus filhotes que logo vão nascer. O coelhinho menor, Lambe-lambe, tinha uma mania que lhe dava o apelido: lambia o que via pela frente. Apesar do receio, aproxima-se da loba e lambe-lhe os olhos, cuidadosamente, até retirar todo o barro acumulado – e até que a loba finalmente volte a enxergar.

Lambe-lambe e os olhos da grande loba

Quando a loba reconhece que a ajuda veio de dois pequenos coelhos, aquece-os junto à barriga e os leva na manhã seguinte para casa. É daí que um trato é selado: os lobos começam a acreditar que as salivas dos coelhos são mágicas, e por isso, naquele bosque, nunca lhe fazem mal. No final, Paula, a pequena que escuta atenta à história, pergunta à mãe:

– Mas não tinha nenhuma mágica, não é, mamãe? Lambe-Lambe só tirou o barro dos olhos da loba com sua saliva!

– Bem, querida, quem há de saber o que aconteceu? – respondeu a mãe. – Na realidade, o que curou foi o amor.

Especial é notar como as ilustrações de Beatriz Martin Vidal são mesmo sombrias, porém impressionantemente bonitas, e como comunicam-se com o texto: os pequenos coelhos são na verdade crianças fantasiadas de coelhos, e muito se parecem, na fisionomia e nos atos, com os irmãos que acompanham a história.

No final, o Fran me olhou todo orgulhoso: “não é assustador, é sobre amor!”. É bem isso: um conto lindo sobre amor, amizade e coragem. Francisco terminou a leitura feliz por ter sido valente, enfrentado a tal capa misteriosa e ter mergulhado numa história tão gostosa; e eu, emocionada pela nossa nova descoberta juntos (hormônios, gente, hormônios!). Obrigada, A Taba! 🙂

***


25 maio 2016

Gigante Pouco a Pouco, de Pablo Albo e Aitana Carrasco

Escrito por
Destaques, Diversidade e Respeito, Divertidos, Para dar risada, Para Refletir

Já escolheu livro pela capa? Eu já, muitos – admito! Tá certo que algumas vezes me dei mal nessa, mas outras tantas vezes me dei muito bem – como nessa vez aqui. Escolhi “Gigante Pouco a Pouco”, publicado pela Editora Biruta, por essa capa divertida – cheia de colagens, um ar um tanto retrô e um quê de Monty Python. E acabei descobrindo junto com o Francisco um livro delicioso, engraçado e com uma lição e tanto sobre amizade e tolerância!

Miguel era um garotinho como qualquer outro – mas só até os 7 anos. Quando completou essa idade, começou a crescer, crescer demais – é que Miguel era filho de gigantes. Na escola, no início, seus colegas de classe estranharam. Mas só porque ver surgir uns olhos gigantes na janela, umas botas gigantes caminhando por aí…nada mais normal que levar um susto! Pois assim que reconheceram que era o amigo, ficou tudo bem – é que Miguel era um cara legal demais, e não importava que ele não pudesse jogar futebol com a turma por riscos de um pisão fatal, muito menos que ele não conseguisse entrar mais na sala de aula por sua altura. Seus amigos gostavam tanto dele que adaptaram o que podiam – a brincadeira, antes futebol, virou subir altas montanhas agarrados nos cadarços de Miguel, e a aula, assistiam todos lá fora (se chovesse, o guarda-chuva de Miguel cobria a todos, sem problemas!).

gigante-pouco-a-pouco-02

A história foi escrita por Pablo Albo e ilustrada por Aitana Carrasco, ambos espanhóis. O livro faz parte do acervo da mais importante biblioteca de literatura infantil e juvenil do mundo, em Munique, na Alemanha, a (olha o nome difícil!) Internationale Jugendbibliothek (IJB) e compõe o catálogo The White Ravens. Uma história absolutamente deliciosa, dessas ideais para serem contadas em voz alta: redondinha, cheia de emoção, humor e com um final ainda por cima bastante diferente! Uma lição incrível sobre amizade e respeito às diferenças.

***