4 nov 2014

livro + filme + desabafo: O Menino Maluquinho

Escrito por
Clássicos Destaques Divertidos Literatura Brasileira Para Conversar Sobre a Morte Para dar risada Para Refletir Posts Especiais

Entre as coisas das quais mais me lembro da minha infância são livros. Livros meus, livros dos outros. Tive o privilégio de ter um pai e uma mãe leitores – meu pai rodeado por enciclopédias sempre fora do lugar (era pesquisa o tempo todo: dos meus irmãos, do meu próprio pai, de quem estivesse disposto a pesquisar), minha mãe com seus romances e García Márquez (compartilhamos até hoje nosso livro preferido, aliás: O Amor nos Tempos do Cólera). Além disso, quando eu tinha a idade do Francisco, meus irmãos (sou a caçula de uma família de três) também viviam com seus livros: meu irmão do meio ingressava no segundo grau. O mais velho já estava na faculdade de medicina, e estudioso (ou melhor, CDF mesmo) como era (e ainda é, diga-se de passagem), passava madrugadas mergulhados em livros que me despertavam todo tipo de curiosidade.

E lógico, tinham os meus livros. Livros que minha mãe teve a sabedoria de guardar muito bem guardados e de me entregar todos, anos depois. Releio muitos com o Francisco – já até falei de alguns por aqui, como o Lúcia-Já-Vou-Indo (Francisco jura que a lesma se parece comigo, obrigada) e O Sapato que Miava, da Sylvia Orthof, entre outros. Eu tenho uma memória afetiva enorme com esses livros, e reler cada um deles com o Francisco me traz um monte de coisa boa de volta, é delicioso. Para mim e para ele, que se sente todo orgulhoso de conhecer os livros da infância da mamãe e tem a chance de ler muita coisa boa – porque não é por nada, mas como tinha livro legal na nossa época!

os livros da minha infância, de volta para mim e agora para o francisco também

Esses dias fiz a festa em mais uma caixa de livros lá do meu tempo. Nela, meus preferidos de quando era pré-adolescente, como a série Vagalume (que estou relendo com amigos, porque o entusiasmo foi geral), a série Salve-se Quem Puder e vários outros livros de dois escritores (sempre suspense!) que eu idolatrava: Stella Carr e Ganymedes José. Além desses, alguns que já venho relendo com o Francisco, como os da Bruxa Onilda (todo amor do mundo por ela) e um bem, mas bem especial: O Menino Maluquinho, do Ziraldo.

Mas vou contar do início: aqui em casa, o caminho foi inverso: primeiro apresentei para o Francisco o filme, e só depois o livro. O filme foi sugestão de uma amiga – na história, o avô do Menino Maluquinho vem a falecer. Como meu pai, avô do Francisco, já estava doente fazia alguns meses, vítima de um câncer terminal, o filme nos deu a brecha para conversar sobre esse assunto difícil, a morte. No filme, ela é tratada com muita delicadeza: o avô falece um pouco antes de um torneio de futebol que organizava com os garotos. E o torneio acontece assim mesmo, como uma homenagem ao grande avô.

Na sexta-feira passada, dia 31 de outubro, foi a vez do avô do Francisco de fato vir a falecer. Era esperado, como eu disse – mais do que isso, foi o derradeiro alívio de uma doença que o estava fazendo sofrer muito. E o filme fez o Francisco entender de um jeito que acredito que não entenderia tão facilmente se não tivéssemos conversado sobre isso – “o vovô morreu, igual ao do Menino Maluquinho? então eu sou o Menino Maluquinho, né?”.

Mas o filme é também muito divertido – eu não esperava, no início, que cativasse tanto o Francisco. Mas não deu outra: foi assistir a primeira vez e pronto, dá-lhe alugar o Menino Maluquinho na tv a cabo, que era o único lugar no qual eu havia encontrado (depois achei o DVD baratinho na Livraria da Folha, mas acho que comprei o último – logo ficou esgotado. mas se liga: tem no youtube o filme completo de grátis, rá!). O filme é muito engraçado – pelo menos o Francisco morre de rir em algumas cenas, como uma em que todos os garotos se reúnem embaixo do cobertor para ver, pasmem, quem tem o pum mais fedido. Pois é – o filme é todo assim, uma sequência de traquinagens atrás da outra, muitas um tanto quanto politicamente incorretas, mas que fazem a garotada rir demais.

menino1

o livro, minha antiga edição, e o filme em dvd

O livro aqui em casa veio depois – justamente nessa caixa da qual eu falava lá em cima. A primeira leitura já rendeu uma choradeira daquelas: é que ele tinha sido presente da minha avó, a Vó Zazana, mãe do meu pai – e nele encontrei uma dedicatória linda, escrita por ela em 1990, no meu aniversário de 8 anos. Peço a licença de dividi-la aqui com vocês:

“Minha querida Daisy,

Este pequeno presente representa muito o valor que você tem, pois no primeiro ano escolar ganhou o prêmio de melhor aluna, prêmio de muito valor para todos nós. Daisy, você não é menino e muito menos maluquinho, mas na sua idade pequenina, você sabe “ouvir e entender estrelas”, por ser muito inteligente! Como livrinhos de história, foi este que eu quis lhe dar. Espero que goste. Os teus irmãos vão gostar, e teu pai se lembrará também que foi um menino maluquinho.

Da tua vovó,

Zazana”

menino2

a dedicatória da minha avó, em 1990 🙂

Li com meu pai dedicatória na semana passada, alguns dias antes dele falecer, e foi muito emocionante. O livro, venho lendo noite e dia com o Francisco. O fato de a gente ter visto e revisto o filme diversas vezes ajudou na curiosidade do rapaz: logo na primeira vez que lemos ele já prestou atenção e reconheceu diversas coisas do filme. Mas a verdade é que o livro não mesmo tem igual. Em tempos de tanto debate sobre o quanto é importante brincar, ele é a obra infantil mais atual possível – a história de um menino que gostava mesmo era de molecar, aprontar e se divertir. Um menino que passou por poucas e boas como todas crianças – afinal, também é importante conversar sobre assuntos tristes, mas que são parte da vida mesmo e não tem jeito. A separação dos pais, a despedida de um amigo que muda para outra cidade, a morte do avô.

“(…) ele ri baixinho

quando a saudade

apertava

pois descobriu

que

a saudade

era o lado

de um dos lados

da vida

que vinha aí.

Agora vejam se pode

uma descoberta dessas!

Só mesmo sendo maluco

ou sendo amado demais.”

 

Mas era mesmo o final do livro que me emocionava quando eu era criança: Ziraldo conta lá o quanto o moleque era bom de bola, segurava todas quando brincava de goleiro. Só não conseguiu mesmo foi segurar o tempo – cresceu. E o principal: cresceu e virou um cara legal! Minha Vó Zazana, no fim, tava certa: o meu pai, Napolho, como eu o chamava (seu nome era Luis Napoleão), era mesmo um menino maluquinho. Só podia ser mesmo, porque virou um cara legal também, legal demais. E na semana passada deixou uma saudade sem tamanho, que tá difícil de engolir. Mas é como o próprio Menino Maluquinho: essa é uma das partes da vida, e é assim e pronto.

menino3

Enfim, tudo isso, todo esse papo para hoje recomendar esse livro, O Menino Maluquinho. É daqueles que não dá pra deixar de ter na biblioteca, pra ler e reler e reler e reler, anos e anos depois (vide nós aqui). Pra rir e chorar. E o filme, o filme também. Vale assitir, rir, chorar rapidinho e voltar pro livro. Dá-lhe Ziraldo, o mestre. Obrigada por isso.

***

O Menino Maluquinho

autor e ilustrador: Ziraldo

Editora Melhoramentos

onde achar : na Estante Virtual tem a partir de 4 reais

o filme: esse é mais difícil, em dvd. tem alguns à venda no Mercado Livre, mas são meio caros. a boa notícia é que tem gratuito no youtube, vale ver. 😉


7 Comentários

  1. Sandra Corral disse:

    Meus pêsames pela morte do seu pai e parabéns pelo texto.

  2. Nossa você tem 2 livros da coleção Salve-se quem Puder. Adoro essa coleção e tenho vários até hoje. Fica a dica para uma releitura da série e uma matéria em breve a respeito desses livros de aventura maravilhosos 😉

    • daisy carias de oliveira disse:

      lionel, eu arrisco dizer que tenho a série toda! esses aí eu deixei na frente só pra me exibir, mas a caixa está cheia deles. eram meus preferidos da pré-adolescência, não me esqueço deles! 🙂

  3. Denise disse:

    Daisy, você me fez chorar. Talvez porque me trouxe de volta a lembrança de tantos livros que temos em comum e que aqui em casa, guardo em um armário. Mostrei apenas alguns para o Manoel até agora.
    Talvez porque esteja grávida e quando a gente vive esse estado interessante, tudo nos interessa. Especialmente a vida, a morte, as contradições e alegria de estar aqui nesse mundo, agora.
    Depois, essa história linda do seu pai “Napolho”, que deve ter sido um homem incrível por ter trazido tanta delicadeza ao mundo através de você.
    Só posso agradecê-la por sua generosidade em nos contar essa história linda de amor às palavras, aos livros e ao seu pai – que agora também habita o mundo das histórias. Lá e no seu coração, você poderá encontrá-lo sempre que quiser.
    Um grande beijo e um abraço maior que o nosso amor aos livros.

    • daisy carias de oliveira disse:

      ô denise, que recado lindo esse seu. me emocionou muito! obrigada pelo carinho, de verdade. e parabéns pelo bebê que vem aí, muito amor pra vocês! um beijo grande! <3

  4. Ariane disse:

    Oi Daisy!

    Acompanho seu blog há muito tempo, mas pela primeira vez escorreram algumas lágrimas ao ler um texto seu!
    Também sou louca por livros! Já encontrei vários que eu tenho em casa aqui no blog, e já anotei vários dos que você descreveu pra comprar também.
    Tenho duas sugestões, se você me permite:
    Também passei por um processo de tentar entender a morte com a minha filha, quando a avó dela teve câncer e, depois de um ano, faleceu.
    Um livro que trata isso de uma forma super delicada e bonita é O Pato, a Morte e a Tulipa do Wolf Erlbruch (chorei lendo ele na bisbilhoteca e levei na hora). Tem um curta da história no youtube – chorei vendo ele também.
    Outro que eu leio bastante e nos divertimos com as histórias é o Contos de Enganar a Morte, do Ricardo Azevedo.

    Não existe fórmula pra tratar de um assunto tão delicado, mas tenho certeza de que os livros nos ajudaram bastante, e continuam ajudando até hoje.

    Meus sentimentos pelo seu pai. Como disse minha pequena quando a vovó foi embora: espero que ele vire uma borboleta ou um bichinho pequeno que voe, pra ficar pertinho espiando a gente sem a gente saber que é ele!

    Um beijo!