oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



12 jul 2016

O Conto do Carpinteiro, de Iban Barrenetxea

Escrito por
Destaques, Divertidos, Novidades e Lançamentos, Para dar risada

Aaah como é bom ganhar livro bonito de presente! Quando o Fran ganha um livro legal, me sinto presenteada também – e fico boba de feliz junto com ele. Esse aqui a gente ganhou no último aniversário (Francisco fez 6 anos no final de junho!) e adorou: que história mais maluca, incrível, redondinha! “O Conto do Carpinteiro” é de Iban Barrenetxea e foi lançado recentemente pela Companhia das Letrinhas

Era uma vez um carpinteiro, Firmín. Ele fabricava coisas tão perfeitas de madeira que ninguém acreditava – suas rodas giravam o mundo inteiro num só impulso, suas cadeiras faziam com que ninguém quisesse ofender seus próprios traseiros sentando em outras depois de experimentá-las, suas mesas não bambeavam jamais… era um carpinteiro caprichoso!

Um dia recebeu um recado inusitado: o glorioso Barão von Bombus havia perdido o braço direito em uma batalha, e precisava de outro urgente. A missão de Firmín então era fazer outro, perfeito – e não fez diferente: o braço ficou ainda melhor que o antigo, segundo o Barão. Não passou muito tempo, outra mensagem: nova batalhe, enorme calamidade, e dessa vez o Barão perde também o braço esquerdo! A história se desenrola nessa hilária repetição, já que o Barão, danado, vai perdendo membros de carne e osso e arranjando novos, de madeira, polidos, muito melhores que os originais.

O final é engraçado como todo o livro, cheio de ironia e humor. Livro absolutamente delicioso para se contar em voz alta, repleto de aventuras e surpresas – e ilustrações maravilhosas! 

***


4 jul 2016

Nossos 10 livros preferidos entre os 30 melhores da Revista Crescer 2016!

Escrito por
Destaques, Interativos e Livros-Brinquedo, Listas de Livros, Novidades e Lançamentos, Para dar risada, Para Refletir

Todo ano a Revista Crescer faz uma seleção muito legal com os melhores livros infantis do ano, para facilitar a vida dos pais na hora de escolher boa literatura para os pequenos. Eu adoro acompanhar, fico sempre de olho – e como sou muito da metida (e também a pedidos da minha amiga Michelle, lá do Vida Materna), fiz esse ano uma super seleção dentro da seleção. Pois é, me empolguei e escolhi dez dos nossos preferidos  (meus e do Francisco também!) da lista, para vocês conhecerem um pouco mais sobre cada um deles. E ah, não deixem de ver o vídeo, viu?

1. O REI, de Luiz Tatit e Renato Moricone

É um livro, mas é também uma música – na verdade, O Rei é uma música do Luiz Tatit, que ilustrada por Renato Moriconi, virou esse lindíssimo livro infantil. Lindo mesmo: na edição (adoro esses livros com formatos diferentes, fora do comum!), nos desenhos, na história do rei que sofre por nunca ser levado a sério até o dia que todos precisam dele. Quando as forças do mal invadem o país, é atrás dele que o povo corre. E ele surge, pacífico, de trás de sua montanha, e vem instaurar a paz. Uma história emocionante, deliciosa de se ler em voz alta, cheia de ritmo e música (literalmente, né?). Da Jujuba Editora.

“O REI”

2. UNIFORME, de Tino Freitas e Renato Moricone

Eu já falei desse livro em outra lista, quando escolhi, no final dos ano passado, os 10 melhores livros infantis publicados em 2015. A gente gosta demais, demais desse livro – primeiro porque ele é uma experiência super interativa, divertidíssima; segundo, porque tem uma mensagem poderosa! Nessa história curtinha, mas cheia de surpresas, conhecemos Clóvis, um rapaz meio camaleão, que gosta mesmo é de dançar conforme a música. Enquanto lemos a história, somos convidados a procurá-lo pelas páginas do livro, nas ilustrações do Renato Moricone. E Clóvis segue camaleônico, seguindo a maré, até um dia que de tanto seguir os outros, ele percebe melhor mesmo é…seguir seu coração. O livro, que é todo em preto e branco, esconde uma feliz surpresa no final – o Francisco sempre abre a última página com um “uaaau!” e eu simplesmente AMO isso! Publicado pela Edições de Janeiro.

“UNIFORME”

3. DOIS PASSARINHOS, de Dipacho

Outro livro divertido que trata de um assunto importante e bastante atual – e que olha, rende um bom papo! Nesse livro-imagem a gente acompanha dois pássaros que vivem muito bem cada um em seu galho, cada um de um lado de uma árvore. Até o dia que um sai e volta com alguma coisa…um abajur, no caso. O outro também sai e volta com uma TV. Aí aquele primeiro traz mais uma coisinha: um livro. O outro, imagine só se não, sai de novo e volta com uma privada! É tanto cacareco que logo os dois viraram verdadeiros acumuladores, numa hilária competição. No final, seus galhos pesam tanto, mas tanto, que desabam no chão. E terminam os dois, adivinha? Sem nem ter onde morar! Livrinho precioso do artista colombiano Dipacho, publicado no Brasil pela Pulo do Gato.

dois-passarinhos-02

“DOIS PASSARINHOS”

4. ANTES DEPOIS, de Anne-Margot Ramstein e Matthias Aregui

Outro livro-imagem surpreendente é esse aqui. Livro grosso, grandão, repleto de ilustrações, brinca com uma ideia muito básica: do lado esquerdo, o antes; do direito, o depois. Não há palavra alguma, mas a narrativa está ali, muito clara, muito elaborada – e isso é lindo demais! Alguns “antes e depois” são previsíveis, como um botão e em seguida uma flor, ou uma lagarta e uma borboleta. Mas outros são tão engenhosos que levam a imaginação longe, muito longe: um estilingue e uma janela com o vidro quebrado; um cavalinho de madeira na luz do dia, em seguida uma cadeira de balanço no anoitecer. As histórias em torno deles ficam por nossa conta! Nossa edição é da Candlewick Press, mas no Brasil o livro saiu pelo selo Livros da Raposa Vermelha, da WMF Martins Fontes.

“ANTES DEPOIS”

5. A RAINHA DAS RÃS NÃO PODE MOLHAR OS PÉS, de Davide Cali e Marco Somà

Essa é uma daquelas histórias que tanto gosto: redondinha, com início genial e um final bastante surpreendente. Conta a história de uma rã que um dia, em um mergulho no lago, encontra uma coroa. Curiosa, coloca a coroa na cabeça, e naquele mesmo momento, vira a grande Rainha das Rãs. Nesse instante, tudo muda – a rainha consegue conselheiros, que claro, têm também seus privilégios e de repente todas as rãs, que viviam muito bem e tranquilas, têm que viver em função da nova rainha (que nem sabe qual sua função, já que o lago nunca teve uma). Uma hora esse poder começa a ser questionado, e num mergulho coletivo, na vez da Rainha, ela volta…sem coroa. E aí, ah, aí as coisas mudam. História fascinante, ilustrações sensacionais (de Marco Somá) e uma importantíssima reflexão sobre autoridade e poder. Da Pulo do Gato.

“A RAINHA DAS RÃS NÃO PODE MOLHAR OS PÉS”

6. LÁ E AQUI, de Carolina Moreyra e Odilon Moraes

Falei desse livro dia desses lá no instagram, quando me pediram dicas de literatura infantil que abordasse o tema “separação” – foi o primeiro que lembrei, porque é um dos livros mais delicados e bonitos que conheço sobre o tema. Nele, um garoto conta como era sua vida – a casa, o jardim, tudo antes da separação dos pais. Até o dia que tudo muda. Com um texto poético, através das metáforas mais bonitas, ele fala da dor e da sensação de desamparo diante da nova situação. É triste, fato, mas tocante, importante demais – e o final é puro aconchego, segurança. O lar agora são dois, mas o garoto sabe que está sempre em casa, onde quer que esteja. As aquarelas de Odilon Moraes são lindas demais – um livro pequenininho, delicado em tudo. Publicado pela Pequena Zahar.

la-e-aqui-02

“Lá e Aqui”

7. ESSE LIVRO COMEU O MEU CÃO!, de Richard Byrne

Esse é um livro para rir, rir muito – e bem legal de curtir com as crianças pequeninhas, a partir de 1, 2 anos! Tudo começa com um passeio: Bella e seu cão caminham pela página quando de repente…ele desaparece, na dobra entre as páginas. Ela não entende nada do que acontece, claro, e pede ajuda – mas aí, todo mundo acaba sumindo nessa dobra misteriosa. É aí que o leitor recebe um recado: que ele vire o livro na vertical e chacoalhe, chacoalhe, chacoalhe…até que todos os personagens caiam dali. Sabe livro pra brincar, mas brincar mesmo? Ler no chão, fazendo teatro, bagunça e barulho – para ouvir muitas risadas e pedidos do tipo “lê de novo?”. Da Panda Books.

este-livro-comeu-meu-cão-02

“Este Livro Comeu O Meu Cão!”

8. A REVOLTA DOS GIZES DE CERA, de Drew Daywalt e Oliver Jeffers

Outro livro pra rir muito, daqueles tão criativos que você fica se perguntando da onde o autor tirou uma ideia tão legal! Um dia, Diego vai pegar sua caixinha de gizes de cera e encontra um bolo de cartas. São os próprios, os gizes de cera, se queixando da dura vida que levam: o giz vermelho não aguenta trabalha tanto: dia dos namorados, ele pinta corações; Natal, ele pinta Papai Noel – não é fácil ter que trabalhar até nos feriados! O preto não aguenta mais ser contorno; o cinza também cansou de pintar coisas grandes, o branco é muito pouco usado e acha isso um desaforo! Cada giz de cera tem sua razão pra chorar. As ilustrações do Oliver Jeffers são o grande charme do livro, as cartas escritas à mão, os desenhos infantis como se fossem do próprio Diego. No Brasil a publicação é da Salamandra.

Processed with VSCO with h4 preset

“A REVOLTA DOS GIZES DE CERA”

9. SELVAGEM, de Emily Hughes

A menina da nossa história não tem nome, ela é uma selvagem. Ninguém sabe como ela foi parar na floresta, mas cresceu ali – aprendeu a falar com as aves, a comer com os ursos, brincar com as raposas. E vivia bem assim, era feliz! Até o dia que humanos a encontram, e ela é levada até a civilização. Não é fácil para ela, não é fácil para o casal que a acolhe, já que tudo é muito errado, para ambos os lados. É demais acompanhar o texto curto e mergulhar nas ilustrações, tão detalhadas, tão maravilhosas de Emily Hughes. Tem humor, tem aventura, tem tudo ali – e tem uma edição impecável, linda demais, da Pequena Zahar. Preciso dizer que é um dos nossos xodós?

“SELVAGEM”

10. ÔNIBUS, de Marianne Dubuc

Esse é um livro que o Francisco gosta muito! Parte de uma ideia simples, mas cheia de significado: a mãe leva a menina até o ponto de ônibus para sua primeira viagem sozinha. O desenrolar da história é justamente sua primeira viagem, e tudo que acontece nela. Os outros passageiros são (com exceção de um coleguinha) todos bichos, e ela vai observando o que cada um faz, o que acontece. Divide biscoitos, observa um quase-roubo, vê muita coisa acontecer – e a gente vai vendo junto, antecipando acontecimentos, observando vestígios de outros. Tem uma parte que o ônibus entra em um túnel, e fica tudo escuro – essa é a hora que o Francisco mais curte da leitura, aguarda ansioso por essa página. Gosto tanto disso! No final, ela chega até sua vovó, que a espera no ponto de ônibus – cheia de histórias pra contar! Da Jujuba Editora.

“ÔNIBUS”

***

Vale dizer: a lista de livros da Crescer tem o ano de 2016 porque esse é o ano da edição da revista, mas os livros foram publicados, em sua maioria, em 2015 – ou até antes. Outros da lista já saíram em seleções aqui do blog, como n’Os Melhores de 2015 e outras mais. 😉

***


30 jun 2016

“O Pacto do Bosque”, de Gustavo Martin Garzo e Beatriz Martin Vidal

Escrito por
Clássicos, Destaques, Fábulas, Para Refletir

Se tem um envelope esperado em casa é o envelope pardo do Clube de Leitores A Taba, que chega com livrinho novo por aqui todo santo final do mês. Sexta passada o Francisco chegou da escola no final da tarde e o envelope esperava em cima da mesa. Abriu o pacote cheio de entusiasmo, mas pegou o livro de dento um tanto ressabiado: a capa dava “um pouco de medo”, disse ele.

Processed with VSCO with 7 preset

O Pacto do Bosque e sua capa misteriosa

Por conta do medo, não foi o livro novo o escolhido para nossa leitura da noite de sexta. Lemos outros –  mas no sábado de manhã, café na cama, preguiça deliciosa de um dia sem compromissos, propus então que lêssemos o livro que havia chegado no dia anterior. O Fran, já mais valente por conta da luz do dia, logo aceitou.

E aí que a história de “O Pacto do Bosque”, publicado pela Pulo do Gato, já começa linda, com um momento similar, que por aqui se repete desde que o Francisco era bebê – o que por si só já me emocionou (vale culpar os hormônios desse meu último mês de gestação, vale sim!): a mãe aconchegada às crianças contando-lhes histórias na hora de dormir.

Lambe-Lambe e Orelhinha adentram o bosque escuro

Todas as noites seus dois filhos, Paula e Gustavo,  lhe pedem a mesma história: aquela do bosque no qual lobos e coelhos eram amigos. Então ela começa: Orelhinha e Lambe-Lambe eram coelhos irmãos, e apesar das ordens expressas da mãe de não adentrarem o bosque, um dia a desobedecem. Lá dentro, o passeio inicia-se tranquilo – até darem-se conta de que estão perdidos, e com a escuridão que logo cai, vai ser difícil achar o caminho de volta.

Os dois coelhos ouvem um choro na floresta, longe – uma loba cinza, gigante, prestes a parir, queixa-se por estar cega. Tem medo de não conseguir cuidar de seus filhotes que logo vão nascer. O coelhinho menor, Lambe-lambe, tinha uma mania que lhe dava o apelido: lambia o que via pela frente. Apesar do receio, aproxima-se da loba e lambe-lhe os olhos, cuidadosamente, até retirar todo o barro acumulado – e até que a loba finalmente volte a enxergar.

Lambe-lambe e os olhos da grande loba

Quando a loba reconhece que a ajuda veio de dois pequenos coelhos, aquece-os junto à barriga e os leva na manhã seguinte para casa. É daí que um trato é selado: os lobos começam a acreditar que as salivas dos coelhos são mágicas, e por isso, naquele bosque, nunca lhe fazem mal. No final, Paula, a pequena que escuta atenta à história, pergunta à mãe:

– Mas não tinha nenhuma mágica, não é, mamãe? Lambe-Lambe só tirou o barro dos olhos da loba com sua saliva!

– Bem, querida, quem há de saber o que aconteceu? – respondeu a mãe. – Na realidade, o que curou foi o amor.

Especial é notar como as ilustrações de Beatriz Martin Vidal são mesmo sombrias, porém impressionantemente bonitas, e como comunicam-se com o texto: os pequenos coelhos são na verdade crianças fantasiadas de coelhos, e muito se parecem, na fisionomia e nos atos, com os irmãos que acompanham a história.

No final, o Fran me olhou todo orgulhoso: “não é assustador, é sobre amor!”. É bem isso: um conto lindo sobre amor, amizade e coragem. Francisco terminou a leitura feliz por ter sido valente, enfrentado a tal capa misteriosa e ter mergulhado numa história tão gostosa; e eu, emocionada pela nossa nova descoberta juntos (hormônios, gente, hormônios!). Obrigada, A Taba! 🙂

***