Livros Sobre Livros! (Parte 1)

Vamos combinar: livros são tão legais que até rendem assunto para outros…livros! Dia desses recebi uma sugestão divertida de pauta lá no instagram: que tal fazer uma lista de livros sobre livros? Aceitei o desafio e resgatei da nossa biblioteca (e da Biblioteca Pública também) alguns livros bem legais que tratam do assunto – essa é a primeira parte da seleção! 🙂

1.É UM LIVRO

Tanta gente já me indicou esse livro que era hora de finalmente conhecê-lo! Esse a gente pegou lá da Biblioteca Pública do Paraná, e foi uma daquelas descobertas deliciosas: Francisco riu alto com a história. De uma simplicidade genial, traz o hilário diálogo entre um macaco e um burro. O macaco lê um livro, o burro brinca com seu laptop – e esse último não se conforma que o tal livro que o macaco lê não interage, não faz barulhos, não faz…nada! Bem, isso até ele mergulhar no tal livro e perceber que ali há todo um universo à espera dele. História super atual, divertida homenagem ao velho e bom livro – vale ver a animação no youtube também, é muito legal! Publicado pela Companhia das Letras.

e-um-livro

2. O QUE CABE NUM LIVRO?

Esse é o livro mais novo da lista, lançamento recente da Editora Panda Books (antes era publicado pela DCL). Escrito por Ilan Brenman e ilustrado pelo Fernando Vilela, é um livro de poucas palavras e muita cor, bem divertido de curtir com os pequenininhos. A brincadeira toda gira em torno dessa pergunta: já pensou quanta coisa cabe num livro? Em um livro cabe tudo que a imaginação permitir, e nesse aqui cabem dinossauros gigantescos, joaninhas, baleias, pulgas, uma família toda e até…o próprio livro dentro do livro! Bacana também é descobrir qual foi a inspiração do Ilan Brenman para escrever esse livro nesse vídeo aqui – aposto que vai ser uma supresa!

o-que-cabe-num-livro

3. SE EU FOSSE UM LIVRO

Esse é um livro pelo qual tenho muito carinho – pela linda edição, pelas ilustrações tão bonitas, pelo texto cheio de poesia e pela homenagem sem igual que ele faz ao livro em si. Escrito por José Jorge Letria e ilustrado por André Letria, pai e filho, ele brinca com as possíveis expectativas de um livro diante de seu leitor. É poesia pura, coisa linda de ler – e até emociona! Amo demais como as ilustrações complementam com maestria o texto, sempre muito criativas, sempre do livro em algum papel especial, cheio de metáforas – seja como uma muralha, como um túnel, cavalgado por um cowboy ou iluminando uma rua deserta. Nossa edição é portuguesa, da Pato Lógico, mas no Brasil o livro saiu recentemente pela Globinho. Imperdível!

Ah, há uma animação muito bacana do livro disponível no youtube, narrada pelo próprio autor com seu lindo sotaque português – vale demais assistir! <3

se-eu-fosse-um-livro

4. LIVROS! (“BOOKS”)

Esse é outro livro-homenagem, verdadeira ode ao livro impresso. Publicado pela primeira vez em 1962, faz uma viagem por dentro de um livro físico – desde como ele é feito, do que é formado, até seu conteúdo tão diverso de palavras, pontuações, histórias e surpresas. O barato do livro é justamente o projeto editorial dele, muito diferente e inovador – as cores, a tipografia, é tudo surpreendente! Nossa edição é americana, publicada pela Ammo, mas no Brasil o livro saiu pela Pequena Zahar numa edição bem pequenina (porém similar à original da década de 60). Pra quem ama um livro muito do diferente!

books

books2

5. COMO ENSINAR SEUS PAIS A GOSTAREM DE LIVROS PARA CRIANÇAS

O último livro dessa primeira parte da lista é no mínimo altamente útil – além de ser muito engraçado, divertido e cheio de fantasia! Parte dessa brincadeira de como ensinar os pais a gostarem dos livros infantis, e aborda aquele moralismo que às vezes rola na hora de escolher os livros das crianças: afinal, pode falar de morte? De sexo? Tá tudo bem se um cocô fizer parte da história? Ufa, ainda bem que pode, que tá tudo bem, e que nenhuma outra literatura consegue abordar esses temas com tanta delicadeza e simpatia. Pra ler em família, rir um bocado – e ainda brincar de procurar as muitas referências de outros clássicos infantis em meio às ilustrações. Da Pulo do Gato.

como-ensinar-seus-pais-a-gostarem-de-livros-para-criancas

***

Meu Pai é um Super-Herói e Minha Mãe é uma Super Heroína

Dia desses recebi em casa mias um livrinho da parceria com a editora Fundamento – tive que escolher entre 6 oferecidos, entre eles histórias de personagens comerciais (da Dreamworks), outros no estilo “Adivinha Quanto eu te Amo” (sabem quais? esse foi o precursor de um estilo que segue sendo copiado, e que eu, sinceramente, nunca fui fã) e bem, esses dois aqui. Admito que eu não compraria nenhum deles, mas na falta de opções mais interessantes, bem: tinha super-herói, super-heroína, podia ser divertido!

IMG_7608

De fato, são dois livros coloridões e divertidos nas ilustrações – elas têm esse ar de comics, de quadrinhos, que atrai a criançada de cara. O Francisco adora! Mas as historinhas, bem – deixam a desejar. E vou contar pra vocês: acho engraçado (e admiro) como o Fran, com seus incompletos 6 anos, já tem seu senso crítico. A cara de indagação dele ao final de uma história como essas é um termômetro claro para mim que de fato ali faltou alguma coisa – na verdade, faltou exatamente uma história.

No primeiro livro, dois irmãos, um garoto e uma garota, contam sobre como seu pai é um verdadeiro super-herói – ele é superforte, tem poderes de invisibilidade incríveis, pode prever o futuro. No segundo, é a mãe a super-heroína – ela lê os pensamentos das crianças para que nunca sintam fome, faz os objetos aparecerem como mágica, é mestre em disfarces.

É divertido notar que as ilustrações de Lesley Vamos complementam com humor o pouco texto: o pai é super forte, e lá está ele levantando um sofá em busca de um brinquedo. Ele tem poderes de invisibilidade e aparece escondido atrás das cortinas numa brincadeira de esconde-esconde. A mãe lê os pensamentos da criançada voltando de uma brincadeira junto com o pai e se desdobra na cozinha fazendo biscoitos para saciar a fome da turma. É mestre em disfarces, e lá está ela (ainda se desdobrando) vestida para ir ao trabalho, para consertar a cerca, cozinhar, passando um batom para muito provavelmente sair.

É, mas tem essa: é difícil não notar que o livro tropeça nos estereótipos do pai hiper divertido, a mãe cheia de responsabilidades – sim, ela também tem seus poderes de diversão, claro, mas a grande maioria envolve trabalhos domésticos e cuidados com os filhos. 🙁

***

O BGA – O Bom Gigante Amigo

Uma das leituras mais divertidas desse ano, aventura que fez o Francisco se encantar (e eu junto!), foi um livro que conheci através do Desafio A Taba: O BGA – O Bom Gigante Amigo, do britânico Roald Dahl, publicado no Brasil pela Editora 34. Lançado no início dos anos 80 na Inglaterra, conta a história de uma garotinha, a Sofia, que de dentro da janela de seu orfanato vê ao longe um grande gigante – mas não consegue se esconder; uma vez também vista pelo enorme ser, é levada para longe, muito longe…para a Terra dos Gigantes!

O livro, que começa com muito mistério e suspense (é delicioso!), logo se desenrola em muito humor – e também aventura. Porque para sorte de Sofia, O BGA não é como os outros gigantes: não é como o Matamoças, nem como o Mascamenino, muito menos como o Comecarnecrua, outros gigantes que habitam a tal terra. O BGA é o Bom Gigante Amigo, cara divertido, ingênuo que só, comedor de nabobrinhas (assim mesmo, com “N”) e bebedor de fizpunzinhos (uma bebida gasosa que bem, nem queiram saber os hilários efeitos sobre o corpo). Juntos, os dois bolam um fantástico plano para acabar com os outros gigantes comedores de gente – um plano que reúne exércitos, helicópteros e até a Rainha da Inglaterra.

O BGA do Francisco e o BGA de Quentin Blake 😉

O barato da nossa leitura não foi só a história em si, que tivemos a sorte de conhecer  – mas a experiência toda! Quando o livro chegou, logo achei que talvez fosse um livro ainda “grandão” pro Fran, que talvez fosse melhor esperar para curtir com ele – mas foi mergulhar no mistério das primeiras páginas pra notar que não podia, simplesmente, privá-lo de uma história tão bacana. Queria compartilhar a leitura, com pressa.

Então lemos no tempo dele: um, dois, três capítulos por noite, no ritmo do Francisco – que aguardava ansioso que a história continuasse no dia seguinte. Às vezes líamos antes algum livro ilustrado que ele escolhia – e já baixada a energia do rapazinho, iniciávamos a leitura do texto mais longo do BGA. Vozes, barulhos e muita leitura dramática da mamãe aqui (é, a gente paga desses micos pros filhos – e como eles amam!) e terminamos juntos nossa primeira grande aventura literária. Boa literatura não tem faixa etária mesmo: basta escolher o momento, o ritmo, a forma de ler – e mergulhar junto! Não há criança ou adulto que resista. 🙂

Ah, olha que demais: em julho agora sai o filme O BGA, dirigido por ninguém menos que Steven Spielberg. Ai a ansiedade de ver essa história no cinema! Confere o trailer:

***