As Mais Diferentes e Divertidas Histórias de Princesas

No início do mês de março lancei por aqui um post que reunia algumas biografias infantis de mulheres reais – tanto o vídeo como o post foram super bem recebidos, foi legal demais! Mas foi um comentário específico que me fez refletir: talvez falando dessas histórias de mulheres reais eu parecesse estar deixando de lado a importância que as personagens fictícias – as princesas, no caso – têm no imaginário infantil. As princesas e os contos de fada em geral têm uma importância enorme na imaginação das crianças, a fantasia relacionada a elas é grandiosa e possui papel fundamental na construção do leitor literário. Sem contar que há histórias divertidíssimas com princesas como protagonistas – e absolutamente imperdíveis!

Eu mesma fui uma criança que cresci apaixonada por histórias de princesas (a minha preferida sempre foi a Rapunzel e suas longas tranças!) e o Francisco também tem suas preferidas. Foi daí que surgiu a ideia desse especial – primeiro, fizemos uma caça divertida a todos os livros mais legais de princesas da nossa biblioteca pessoal e também da Biblioteca Pública do Paraná. Depois de relidos nossos preferidos, conhecidos outros, fizemos juntos, eu e Francisco, a nossa escolha dos mais divertidos. São todos livros de princesas – mas as mais diferentes: tem as que soltam pum, as que se apaixonam por sapos, as muito rebeldes e as mais tradicionais também. 😉

1. A PRINCESA E A ERVILHA

Para começar um conto clássico, escrito por Hans Christian Andersen no século 19 – mas nessa edição da Farol Literário, lindamente recontado e ilustrado por Rachel Isadora em um contexto africano! Na história, conhecemos um príncipe que deseja muito se casar com uma princesa – problema é que ele não consegue descobrir se elas são mesmo princesas de verdade. Ele passa por diversos países, conhece várias mulheres – mas nenhuma lhe chama atenção. Até que em um dia de tempestade uma princesa vem bater à sua porta. Quer dizer, ela se apresenta como uma verdadeira princesa – mas como saber se é mesmo? A rainha, mãe do príncipe, tem uma ideia: na hora de preparar o leito da donzela, empilha 20 colchões e 20 acolchoados de plumas em cima de um pequeno grão de ervilha – e é ali que a tal princesa passa a noite. Na manhã seguinte, a pobre princesa acorda dizendo que dormiu muito mal: “não consegui pregar os olhos durante toda a noite! só os céus devem saber o que havia debaixo destes colchões!”. E pronto: era o que a rainha precisava para confirmar: a moça era mesmo uma princesa! Feliz, o príncipe pede a sua mão em casamento – e a ervilha vai parar em um museu!

a-princesa-e-a-ervilha

2. A HISTÓRIA VERDADEIRA DO SAPO LUIZ

Grande vencedor do Prêmio Jabuti 2015 na categoria infantil, esse é um conto de fadas com aquele jeitão clássico, com “era uma vez”, muita emoção…mas é também muito do diferente! Conta a história da princesa Juliana, que não consegue se apaixonar por príncipe nenhum – todas as tardes o rei recebe pretendentes, dos mais diversos reinos, com as mais variadas virtudes. Juliana os recebe, agradece, observa, até lhes encoraja com palavras – mas não se encanta. Um dia então sua aia sugere que talvez o príncipe ideal esteja em um sapo, talvez ele precise se transformar – e então lá vai a princesa beijando tudo que é sapo que encontram.

Um em especial desperta seu interesse…mas ele não vira príncipe não! Juliana se apaixona pelo sapo, simples assim! O rei e a rainha estranham no início, mas respeitam o desejo da filha. No dia do casamento, o povo todo espera ansioso pelo príncipe que virá ao altar – e cai na gargalhada quando vê que é um sapo quem vem ali! Terrivelmente ofendido pelo descaso e preconceito de todos os presentes, o rei viaja com esposa, filha e comitiva com o agora genro sentado em um trono, e exige que todos seus súditos, do mais humilde servo ao mais tradicional nobre, beije “a pele fria e enrugada do sapo, jurando tratá-lo com deferência e respeito e declarando absoluta lealdade ao novo casal”. E assim vivem felizes para sempre: a princesa e o sapo Luiz! Publicado pela Editora DSOP.

a-historia-verdadeira-do-sapo-luiz

3. ATÉ AS PRINCESAS SOLTAM PUM

Já falei sobre esse livro por aqui algumas vezes, porque é dos preferidos aqui em casa,  muitas vezes lido e relido – essa é uma história de princesa, ou melhor, de princesas, para rir, rir muito! A história começa com a menina Laura que um dia vem perguntar para seu pai se é verdade esse papo de que as princesas também soltam pum. Então lá vai ele atrás de um volumoso livro cheio de segredos: “O Livro Secreto das Princesas”, que inclusive tem um capítulo chamado “Problemas Gastrointestinais e Flatulências das Mais Encantadoras Princesas do Mundo”. E não é que sim, as princesas também soltam pum, como todo mundo!? E não apenas isso: as badaladas do sino da meia-noite ajudaram Cinderela a disfarçar um acidente daqueles, por exemplo! E a Branca de Neve desmaiou foi com um pum tóxico, e não com a maçã, como dizem os contos de fadas por aí.

O livro, um dos mais conhecidos do autor Ilan Brenman, já rendeu traduções pelo mundo inteiro e até uma continuação que também vale conhecer: “O Livro Secreto das Princesas Que Soltam Pum”. Nesse último, Laura está mais crescida e se depara novamente com o livro secreto, e lá descobre vários outros segredos: como as vilãs e vilões dos contos de fadas se tornaram maus! A bruxa de João e Maria, a de Rapunzel, até o gigante de João e o Pé de Feijão. Ambos são publicados pela Brinque-Book.

ate-as-princesas-soltam-pum

o-livro-secreto-das-princesas-que-soltam-pum

5. A PRINCESA SABICHONA

Não é por nada, mas tenho uma queda especial por essas princesas rebeldes e muito divertidas – o Francisco também, tanto que esse foi seu preferido da lista e recebi ordens expressas de não deixá-lo de fora! A princesa sabichona é uma princesa que vivia muito feliz, obrigada, sendo solteira – vivia ela e seus muitos bichos fantásticos de estimação. Mas seus pais insistem que ela tem que casar, e é tanto pretendente rondando o castelo que ela decide lançar algumas provas – aquele que se safar, pronto, será seu futuro marido. O divertido do livro é acompanhas através das hilárias ilustrações de Babette Cole as duras tarefas pelas quais os príncipes (de nomes engraçadíssimos) têm de passar – o Francisco ri alto! No final das contas surge um príncipe que consegue tudo: é o príncipe Fanfarrão. Problema é que na hora do beijo…ele vira um sapo! O coitado foge aflito, a princesa respira aliviada – agora sim, ninguém mais vai querer se casar com ela! Da editora Martins Fontes.

a-princesa-sabichona

6. A PIOR PRINCESA DO MUNDO

Já que o Francisco elegeu a princesa preferida dele, me sinto no direito de escolher a minha! A pior princesa do mundo é uma princesa que sonha com seu príncipe, como a grande maioria delas – mas não qualquer um, com licença! Soninha (esse é o nome da nossa princesa) passa boa parte da vida à espera de seu príncipe encantado – até que um dia, um bate à sua porta, valente, cheio de promessas. É a princesa quem já lhe tasca um beijo, afinal, o tempo de espera foi grande, melhor logo resolver isso! No entanto, as coisas mudam quando na garupa de seu cavalo, a princesa percebe que está indo para o castelo – e que de lá não vai sair tão cedo. Ora, ela queria participar das batalhas, das aventuras, das viagens que o príncipe faz; mas ele, categórico, diz que nada disso:

“Eu uso armadura, você usa vestido. Escolha um: seu armário está sortido. Sorria muito, mantenha a rotina. Lutar com dragão não é coisa de menina!”

Ainda bem que Soninha não é nada, nada boba: logo arranja um amigo dragão e parte fazer o que sempre quis: se aventurar por aí. A história é curtinha, rimada, deliciosa de se ler – e as ilustrações de Sara Ogilvie são incríveis, coloridonas, uma festa! Edição impecável e imperdível do selo Paz e Terra, da editora Record.

a-pior-princesa-do-mundo

7. CONTOS DE FADAS

Para terminar, uma reunião de todas as histórias de princesas que existem – em suas versões originais! Esse é um daqueles livros pra se ter em casa, na estante, para volta e meia consultar, ler e reler. Foi o primeiro livro do desafio proposto pela Taba para quem quer conhecer mais a fundo literatura infantil – e do qual lógico que topei participar! Não podia ter sido melhor começar logo conhecendo esse clássico: afinal, muitas dessas histórias estão na nossa lembrança, mas muitas vezes, versões bastante alteradas delas. Conhecer a Branca de Neve dos Irmãos Grimm, a Cinderela de Perrault, a Pequena Sereia de Andersen e todas as princesas como foram verdadeiramente construídas é incrível! Nessa edição da Pequena Zahar, os contos são todos comentados, contextualizados: é interessante demais saber a época e situação em que foram escritos, especialmente na hora de compartilhá-los com as crianças. E vamos combinar: nada como conhecer sempre primeiro os originais! A edição é da Zahar.

contos-de-fadas

***

 

O Segredo Mais Forte do Mundo

Eu tenho um carinho especial por livros redondinhos – sabe como? Aquelas histórias que começam, envolvem, têm seu auge e terminam, redondinhas, completas. E sempre penso no desafio que é fazer uma história dessas em um livro infantil, com poucas palavras, muito conteúdo – esses são os livros mais incríveis! Dia desses recebi por aqui um livro que agarrou a gente assim, eu e o Francisco, de primeira: “O Segredo Mais Forte do Mundo”.

Processed with VSCO with kk2 preset

Começa assim:

“Havia um reino

Nesse reino, havia um palácio

e, nesse palácio, 

havia uma Rainha. 

Em suas mãos, havia um segredo. 

Um segredo que ninguém conhecia.”

Um dia, chegam nesse reino muitos e muitos navios, pelo mar – e de um deles desce um homem chamado Bao-O-Terrível. Cheio de poder e de ordens, Bao exige que a Rainha seja sua mulher e o palácio se torne seu: “eu sou o homem mais forte do mundo!” diz ele. A Rainha, tranquila, responde que bem…há algo mais forte que ele: o oceano, oras! É ele quem transporta seus navios, é ele quem devora as falésias – sem ele, aquele homem lá não estaria. Bao cerra os dentes e enfrenta o grande oceano, que logo lhe responde: não, não, ele não é o mais forte. Mais forte que o oceano ainda é o riacho, que desce lá do alto da montanha. Sem ele, o oceano não existiria.

IMG_4532

Bao então enfrenta montanhas e montanhas até se deparar com o riacho, que aponta a nuvem, que aponta a árvore e nesse ciclo genial ciclo segue até uma singela…abelha. O homem maldoso ri debochado, como uma abelha poderia ser mais forte que ele? E a mata, com um simples tapa. E é aí que as coisas se transformam…mas dentro das mãos da Rainha, lembre-se: há um segredo! Um livro lindo que aborda natureza e força feminina, ideal para ler em voz alta, em roda, de se compartilhar a leitura. Escrito e ilustrado pelos franceses Gael Aymon e Pauline Comis, publicado no Brasil pela Dedo de Prosa

O Homem-Lua (“Moon Man”), de Tomi Ungerer

"O Homem-Lua", de Tomi Ungerer

“O Homem-Lua”, de Tomi Ungerer

Ungerer na Lua

Sou altamente apaixonada por toda obra de Tomi Ungerer – aliás, o Francisco também se diverte demais com seus livros: Os Três Ladrões, Zloty, Críctor são imperdíveis! O “Moon Man”, no Brasil  “O Homem-Lua”, foi o primeiro livro que conheci dele – tem uma história fantástica e sensível, é lindo de morrer: conta que lá em cima, na lua, vive esse homem, o Homem-Lua. Problema é que sua vida é um tanto entediante, e ele morre de inveja dos humanos que podem dançar. “Se ao menos pudesse me divertir como eles uma só vez!”, pensa ele.

Carona no Cometa.

Um dia então, pega carona em um cometa e vem parar aqui na Terra. Cai deixando um grande buraco, causando uma confusão danada – ninguém sabe do que se trata aquele ser pálido, tão diferente! Acaba indo preso, coitado. Mas como a lua, ele também tem fases…e vai diminuindo, diminuindo, até que quando vira um quarto minguante, consegue escapar pelas grades da prisão. Foge, e em liberdade, vai parar em uma festa à fantasia, onde incógnito, dança feliz como nunca! E depois, satisfeito, ainda encontra um jeito fantástico de voltar ao seu lugar…

Quarto Minguante.

Parece brincadeira, mas o Homem-Lua é um tanto autobiográfico. É que Ungerer migrou boa parte da vida: da Alsácia (França) para os Estados Unidos, depois para o Canadá, depois para a Irlanda (onde vive até hoje). Em cada um desses lugares levou um novo susto, teve uma nova adaptação: “de certa forma, o Homem-Lua sou eu; ele chega em seu novo país com uma ilusão de como ele será”. Até a fuga da polícia do nosso personagem tem inspiração na vida do autor: em 1950, em plena Guerra Fria, ele andou 20km até a fronteira russa, mas sem passaporte, foi abordado. Disse que ia ao banheiro e…fugiu! Um desenho de 1951 é a prova de sua inspiração:

A inspiração, de 1951, e a obra 🙂

Mas nem tudo são flores: a gente tinha a versão em inglês, Moon Man, edição da Phaidon, coisa linda: grande, capa dura e dupla, páginas foscas! Mas logo descobri que o livro tinha tradução no Brasil,  e resolvi comprar para presentear – comprei online, na Amazon mesmo. Mas foi o livro chegar em casa que…FUÉN! Que decepção!

Edição americana e nacional.

A história segue sensacional, tá certo, mas MUITO da obra de Ungerer está nas suas ilustrações (como em boa parte dos livros infantis, vamos combinar!), e muito, mas muito se perde numa edição que cabe quase na palma da mão. E olha, não foi barata não, 30 reais! Sem contar ainda o papel brilhante, de baixa qualidade, brochura, enfim: aprendi que além do preço, frete e tempo de entrega, vale verificar também o tamanho e qualidade (na medida do possível) das edições antes de comprar online. Ah, a edição brasileira é da Martins Fontes.

***