oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



3 mar 2017

livro: Josephine Na Era do Jazz

Escrito por
Biografias, Livros, Para Refletir

Por aqui já é tradição: mês de março é mês de falar de mulheres reais, mulheres incríveis! Já teve até especial lá no youtube no ano passado, e esse ano divido com vocês algumas (por aqui) novas biografias.

Josephine Na Era do Jazz é uma delas: traz a história de Josephine Baker, dançarina e cantora de jazz. Nascida em 1906, Josephine começou sua carreira como artista de rua, ainda criança, fazendo palhaçadas por alguns trocados. Mas os Estados Unidos não lhe reservavam uma carreira promissora, e muito jovem partiu para a França – foi lá que estourou de vez, cantando e dançando pelos teatros de Paris. É por muitos considerada a primeira estrela negra das artes cênicas!

Escrito por Jonah Winter (o mesmo autor do maravilhoso “Frida”), o livro é todo em ritmo de música, com rimas e remelexos – leitura super divertida! As ilustrações são um show à parte: lindas, cheias de cor e movimento – obra da artista americana Marjorie Pricemam. No Brasil, o livro é publicado pela Martins Fontes.

***


2 mar 2017

livro: A Vaca Que Botou Um Ovo

Escrito por
Diversidade e Respeito, Divertidos, Livros, Para dar risada, Para Refletir

A vaca Mimosa andava meio deprimida, coitada – é que ela não sabia fazer nada de muito especial, como andar de bicicleta ou plantar bananeira como as outras vacas da fazenda. Mas Mimosa era uma vaca legal pacas, amigona das galinhas – e por isso, numa madrugada cheia de cocoricós, elas tiveram uma super ideia para animar a amiga.

E bem, vocês podem imaginar pelo título do livro qual a ideia – mas não podem imaginar o rebuliço que a novidade causou! “A Vaca Que Botou Um Ovo” (Editora Salamandra) é um livro engraçado, mas que também trata com delicadeza sobre diferenças e aceitação.

Chegou até nós através do clube de leitores A Taba arrancando gargalhadas do Francisco! A história mirabolante, as ilustrações hilárias…e um detalhe muito pessoal: um nome no final do livro que fez o garoto aqui chorar de rir. E a mãe junto, claro!

***


13 fev 2017

Livros Indestrutíveis para Ler e Brincar Com Bebês

Escrito por
Destaques, Leitura com Bebês

Quem tem bebê em casa sabe que leitura com eles geralmente envolve o livro levado à boca, mordido, amassado, às vezes jogado bem longe. Não tem como escapar, faz parte da descoberta – é inclusive importante deixá-los tocar e mexer nos livros, é como os pequenos compreendem o mundo durante boa fase da vida.

Com o Vinícius, que tá com 6 meses de idade, eu venho sempre procurando ler os livros comuns mesmo, de papel – é nesses que está o melhor conteúdo, não adianta. E olha, por aqui eles até podem ir pra boca, podem ser mexidos e remexidos – mas quando começa aquela rasgação não há coração que aguente e os livros voltam para estante para descansar. Aos poucos a gente vai ensinando os devidos cuidados com os livros, com os brinquedos, com tudo que a gente tem.

Por isso há livros especiais para essa fase: livros indestrutíveis, que depois de lidos podem ser mexidos e remexidos sem medo. Esses livros são sempre uma boa opção de distração – e funcionam como brinquedo mesmo! Nessa seleção, divido com vocês alguns que o bebê Vinícius curte aqui em casa:

1.É UM LIVRINHO

Já falei da versão “original” desse livro, o “É um livro”, em um especial que fiz por aqui no ano passado. Essa é a versão para bebês, e é muito bonitinha: um burro (apenas ignore que no vídeo acima eu falo que é um coelho, a maternidade faz dessas coisas com a gente) conversa com um macaco. Curioso, com um livro na mão, ele pergunta: isso é para morder? é para usar? é pra mandar e-mail? O macaco segue respondendo que não – até terminar dizendo que é um livro, oras. Uma boa dica é sempre inventar vozes diferentes para os personagens: aqui em casa o Vinícius fica super atento quando faço isso! Livrinho pequeno, resistente, com pontinhas arredondadas e super divertido! Da Companhia das Letrinhas.

2. ERNESTINA, A GALINHA

“Ernestina, A Galinha” é um livrinho especial: a história é da colombiana Yolanda Reyes. Traz conto curtinho, cheio de humor, sobre uma galinha que bota um ovo na cozinha – e também sobre um repolho, uma flor e três grãozinhos arroz. A narrativa tem bastante ritmo e rima – uma delícia de se contar em voz alta para os bebês. Já as ilustrações são divertidas e repletas de detalhes: trabalho lindo de Aitana Carrasco. Também cartonado, com pontas arredondadas e à prova de mordidas, rá! Da Mov Palavras.

3. GILDO – COLEÇÃO PRIMEIROS LIVROS

É muito comum encontrar livros para bebês que apresentam as cores, as formas, os números para os pequenos: aqui, eles são apresentados pelo Gildo, o simpático elefantinho da autora e ilustradora Silvana Rando. O bacana é que nessa coleção os três livrinhos vêm juntos numa pequena caixa – para a criançada na faixa de um, dois anos de idade, só a brincadeira de tirá-los e colocá-los de volta já entretém um bocado. Sem contar que são uma graça – pequenininhos, resistentes e muito bonitinhos! Da Brinque-Book.

4. GILDO E OS AMIGOS (NO JARDIM, NA ESCOLA, NA PRAIA)

Livro de banho é aquela coisa: difícil encontrar algum que valha a pena. Mas também, só a ideia já é meio estranha, não é não? Livro que é livro a gente não leva pra debaixo da água, então…sei não, mas livro de banho geralmente tá mais pra brinquedo do que qualquer outra coisa. Mas a verdade é que aqui em casa esses três fazem um sucesso danado com o Vinícius. A gente lê, acompanha o Gildo pelo jardim, na praia, na escola e pronto, vai direto pra boca, pro chão, pra longe. São fáceis de limpar, leves e macios que só – uma beleza pra essas mãozinhas e gengivas afobadas! E né, o mais legal: também trazem o elefantinho mais querido do Brasil, o Gildo. Da Brinque-Book.

5. AS FORMAS, OS OPOSTOS (livros de Xavieur Deneux) 

Essa coleção de Xavieur Deneux também traz os opostos, as formas, os números e as cores – mas numa edição impecável, resistente e com ilustrações minimalistas e muito diferentes. Os desenhos são em relevo, o que também costuma fazer sucesso com os bebês – o sensorial é super importante para eles! Outra coleção que traz um assunto comum de forma diferente e criativa! Da Publifolhinha.

6. COLEÇÃO O QUE É, O QUE É (de Guido Von Genechten)

Guido Van Genechten é um autor que pode anotar: não tem erro com os pequenininhos! Seus livros são super diferentes, interativos e rendem diversão. Essa coleção “O que é? O que é?”, por exemplo, é um barato de curtir com bebês (mas não pense que a criançada mais velha não adora também!): a partir do desenho de um só animal, conforme vamos desdobrando o livro, vão surgindo vários outros animais diferentes. A ponta do nariz do ratinho também é o bico do pinguim que é o rabo do macaco…e assim vai: o último bicho tem 70 centímetros! O legal de brincar com os bebês é que os livrinhos não só são divertidos como são leves, fáceis de manusear e super resistentes – ou seja, aquela coisa: podem ir à boca, podem ser amassados e jogados longe que tá tudo bem! Da Gaudí Editorial.

7. THIS IS NOT A BOOK

“This Is Not A Book” (ou “Isto Não é um Livro”) é um livro pra brincar, brincar muito! A imagem que cada página esconde, a perspectiva com a qual convida o leitor a observá-la, tudo convida à brincadeira. Um mostro, uma borboleta, um computador – e também um jogo de tênis, uma barraca, até uma…bunda! Os traços do ilustrador Jean Jullien (que tem uma conta divertidíssima aqui no instagram, aliás) são grossos, coloridões – e a edição super resistente, um capricho só! Pra curtir com os bebês, com os médios, os grandes – o Francisco também adora o livro, olha aí:

8. INDESTRUCTIBLE BOOKS

Cá entre nós, essa é a coleção mais incrível que já vi para curtir com os bebezicos: são livrinhos pequenos, com textura de papel mesmo – mas totalmente INDESTRUTÍVEIS! Sim! Inclusive é esse o nome da coleção: “Indestructibles“. Foi criada por uma mãe (só podia ser né?) de trigêmeos americana, e são livros-imagem, que trazem apenas ilustrações. Boa parte da coleção traz bichos selvagens, pássaros e outros animais – as ilustrações são super bonitas (não aquelas que a gente geralmente encontra nos cartonados por aí), mas a história a gente que inventa. O diferencial mesmo é esse: são absolutamente impossíveis de rasgar (juro, só com tesoura mesmo!), são à prova d’água (ou seja, à prova de baba também) e são laváveis. Pra levar pra cima e pra baixo e curtir sem medo de ser feliz!

***

Para saber mais sobre leitura com bebês, assista também: