oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



5 set 2013

Sneaky Sam

Escrito por
Apps e livros digitais

Olha, admito que ainda não me acostumei mesmo com essa coisa de tablet. Acho sensacional, mas sei não, ainda me bato pra umas besteiras. Mas tenho achado muito aplicativo legal, especialmente coisas para crianças – e apesar de meio devagar, cada vez vou me habituando mais ao mundo dos tablets. O Francisco adora (com moderação, claro, minha gente) – desde os quebra-cabeças até claro, os livros digitais. E olha, tem um mais bacana que o outro. Esse aqui eu vi indicação na página do facebook da E-Stilingue (que faz o Dragoberto, livro digital do qual já falei por aqui):

IMG_7116

Sneaky Sam conta a história de um garotinho que gosta de aprontar. A tradução de sneaky é ‘sorrateiro’ – sabe, aquele garoto malandro? Então, o Sam é assim. Ele se esconde no armário, troca seu desenho na escola com o amigo Cooper, coloca uma aranha de brinquedo na lancheira na amiga Harriet (sacanagem), entre outras travessuras.

É em inglês – e aliás, um inglês lindo, britânico (adoro o sotaque!). As ilustrações são muito bonitas, da australiana Binny – com três cores principais: amarelo, vermelho e azul. E cheia de detalhes – essa é a parte mais legal, enquanto a gente vai lendo, dá para tocar em objetos na tela e ter algumas surpresas. A porta do armário que abre, a luz acende e apaga, as flores se mexem.

IMG_7127

E não é só isso: o aplicativo também traz três joguinhos, todos com as ilustrações do livro. Um de adesivos, que dá pra colar na tela e salvar, um de memória e o preferido do Francisco, que é o de procurar o Sam nos lugares mais escondidos. É divertido. No site do aplicativo dá pra baixar os adesivos e outras coisinhas divertidas, vale dar uma olhada. Ah, está disponível para iPad e iPhone, e custa U$ 2,99.

IMG_7132

 


28 ago 2013

Forever Young

Escrito por
Livros

Ainda no clima musical da semana passada (ao invés de livro, eu indiquei um disco do Francisco, vocês viram?), hoje vou falar de um livro inspirado em uma música: Forever Young. O clássico dos anos 70 do ídolo Bod Dylan (quem não ama?), virou esse lindo livro aí, obra do artista Paul Rogers.

IMG_70221

O livro nada mais é que a letra da música inteirinha, toda ilustrada, estrofe por estrofe. Nessa nossa edição, brasileira, da Martins Fontes, a letra vem nas duas línguas, inglês e português.

IMG_70311

Todas as ilustrações são lindas e coloridas, nesse estilo anos 60, e detalhe: cheias de referências de todas as obras do compositor. Por exemplo, na ilustração aí em cima, repara comigo: na porta do quarto, o cartaz do disco Bob Dylan Greatest Hits (1967), a parede com fotos de músicos, o disco do Beatles ao lado da vitrola. E cada uma das ilustrações, em cada página, vem cheia de novas surpresas.

O próprio ilustrador, no final do livro, mostra página a página algumas coisas que possivelmente passariam imperceptível para o leitor, e avisa: algumas são um mistério, e cabe a gente descobri-las. E sugere: “pegue alguns álbuns de Dylan, sente-se, ouça a canção, folheie o livro e veja o que consegue encontrar”.

IMG_70381

É facinho de ler, um minutinho e pronto – por isso gosto de brincar de achar coisas com o Francisco em cada uma das páginas. Faço assim: nessa ilustração aqui em cima, um violão, onde tem? Um cachorrinho? Um menino se escondendo? Ele adora, faz o mesmo comigo. Justamente pelo livro não ter uma historinha em si, a gente inventou esse jeito de ler e de fazer do livro uma brincadeira. É divertido. Ainda não ouvi a música lendo com o Francisco, que eu acho que pode ser bem legal também – vou fazer isso logo. Vamos ver se ele curte.

Aliás, segue aqui a música, com uma animação do próprio livro:

***


21 ago 2013

Pequeno Cidadão 2

Escrito por
E mais!

Faz tempo que eu quero falar de música aqui – quer dizer, além dos livros, quero falar também de filme infantil, gibi, quadrinho, enfim, de tudo isso que eu e o Francisco curtimos juntos. Música é uma das coisas que a gente mais gosta – desde que o Francisco era pequenininho. A gente ouve de tudo, de tudo mesmo. E esse disco aqui já faz um tempo que não sai do rádio do carro, do rádio da casa, do computador.

capa_pequeno_cidada__o2 2

 

A gente conheceu o Pequeno Cidadão 2 através do show – já tínhamos o Pequeno Cidadão 1, e amávamos. Então em maio desse ano rolou show da banda por aqui e a gente foi – eu, o Francisco e mais uma turma. O show tava cheio, coisa linda. Foi divertido, criançada enlouquecida pulando na frente do palco. Todo mundo curtiu, pulou, dançou e cantou – e olha que a gente nem conhecia as músicas. As tocadas, a maioria delas, já eram desse cd aqui, do Pequeno Cidadão 2 – só tocaram uma (ou duas) do primeiro disco. Mas ainda assim foi animado – compramos o disco lá mesmo, na saída do show. Final das contas fizemos o caminho inverso: primeiro o show, depois o disco.

Vou deixar pra falar do primeiro disco da banda em outra ocasião – hoje indico esse aqui, o segundo. O espírito dos dois é o mesmo: o projeto é fazer música, rock mesmo, pra criançada. No Pequeno Cidadão 2 permanecem os músicos Edgard Scandurra (do Ira! e do Ultraje a Rigor, quem não lembra?), Taciana Barros e Antonio Pinto – só sai o Arnaldo Antunes, que participa em apenas uma das músicas. E a criançada, claro, filhos dos próprios músicos, que cantam, tocam e fazem o maior barulho (inclusive escrevem algumas das músicas). É essa a parte que eu acho mais bacana desse disco, as músicas cantadas pelas próprias crianças. No show é a mesma coisa: a criançada no palco faz bonito.

Desde o dia do show, o Francisco enlouquece toda vez que escuta o disco. A música que ele mais gosta é a primeira, “mamãe tamo chegando” – ele gosta tanto dela que a escolheu como música preferida para um projeto da escola, e diz que foi uma festa. Não adianta, é só ele escutar o comecinho dela que fica todo animado. Canta inteira, do início ao fim. Aqui tem o clipe:

E claro, tem as minhas preferidas (também tenho, oras). A “fim de semana”, que eu a-do-ro e já me peguei ouvindo sozinha no carro algumas vezes (pois é) e essa aqui, “oi hello”:

Aí tem a música dos móveis da casa, a da língua do p, da galáxia, até do primeiro amor. Tudo coisa presente no mundo infantil – é difícil escolher as mais legais. O cd custa na faixa de 25 reais por aí – mas ó a boa notícia: tem inteirinho pra escutar na Rádio Uol.