Para Sair Da Zona de Conforto

Quando a gente pensa em literatura infantil, a gente muitas vezes logo pensa em histórias bonitinhas, finais felizes – não pensa? Por sorte, não é bem assim: a literatura infantil também reserva livros transgressores, que fazem a gente refletir e pensar em coisas que às vezes passariam despercebidas. Bora conhecer alguns livros para sair da zona de conforto? Clica no vídeo!

1.A GRANDE INVASÃO, de Isabel Minhós Martins e Bernardo Carvalho

Sei não, mas acho que foi Isabel Minhós Martins meu primeiro grande amor da literatura infantil, se eu paro para lembrar. Foi a primeira escritora para os pequenos que li e imediatamente pensei “MAS COMO ASSIM NÃO SE FALA SÓ NISSO NESSA VIDA?” – afinal, na época era só nela que eu queria falar, queria dividir com quem fosse! Amo seu texto, sempre tão rico (português de Portugal, né mores?) e ao mesmo tempo tão descontraído, a forma como aborda assuntos delicados, divertidos, curiosos. Os carros, por exemplo!

Em “A Grande Invasão”, Isabel começa nos lembrando das grandes invasões da história – e então alerta: há invasões que às vezes nem nos damos conta! Esses seres de quatro rodas, por exemplo, tão confortáveis e inofensivos…pera, inofensivos? O tom do livro é todo engraçado, cheio de ironia e reflexão – não há como escapar. E as ilustrações com jeito de quadrinho do Bernardo Carvalho são divertidíssimas! Lá em Portugal o livro é da Planeta Tangerina; aqui no Brasil saiu pela Panda Books.

2. OS INVISÍVEIS, de Tino Freitas e Renato Moriconi

Se a Isabel Minhós Martins foi meu primeiro amor da literatura infantil, arrisco dizer que o Tino Freitas foi o primeiro do Francisco. A ponto do garoto se sentir profundo conhecedor de sua obra e reconhecer – ou não – características de seus livros: “Os Invisíveis” por exemplo, o Fran diz que é o livro mais triste do autor. E tenho que concordar com ele: quem se acostuma às rimas divertidas e à interatividade tão convidativa da obra de Tino Freitas talvez estranhe, numa primeira impressão, o texto enxuto e tão sensível dessa obra aqui. Mais um motivo para achá-la tão surpreendente, imprevisível.

Nessa parceria com o artista Renato Moriconi, a gente acompanha um menino que tinha um super poder: ele via pessoas que aparentemente seus familiares não conseguiam ver. É no sensacional projeto gráfico do livro, nas ilustrações aparentemente muito simples que notamos quem são os invisíveis. E é absolutamente impossível não se emocionar e refletir profundamente com o desenrolar dessa pequena história. Um livro para ser lido e relido, apreciado e debatido entre crianças e adultos – verdadeira preciosidade!

3.SEIS HOMENS, de David McKee

David McKee e seus livros incríveis: em “Seis Homens”, a gente acompanha seis homens que buscam um lugar para viver e trabalhar. Encontram, logo começam a prosperar – e começam a surgir preocupações quanto à segurança de seus bens. Eles buscam proteção, contratam seguranças, mas conforme a riqueza aumenta, aumentam também os problemas – e dali para uma grande guerra é um pulo.

O livro termina de forma genial, num ciclo que não se finaliza – e diante do qual é impossível não sentir vergonha do quão ridículo pode ser o ser humano. Sobre intolerância e conflitos, a publicação é do selo Galera Júnior, do Grupo Editorial Record. Uma curiosidade: em Portugal, o título do livro (“Six Men”, no original) ficou como “História Verdadeira e Triste de Seis Homens que Procuravam a Paz” – quase um resumo da obra!

4.O MENINO PERFEITO, de Bernat Cormand

Daniel é um menino obediente, estudioso e prestativo. Aos olhos de todos à sua volta, é o menino perfeito. Ajuda a pôr a mesa, toca com dedicação nas aulas de piano, lê seu livro favorito todas as noites antes de dormir. Enquanto acompanhamos sua vida tão regrada, folheando as paginas em tom pastel, a ansiedade vai crescendo.

Alguma coisa acontece com Daniel, ele esconde algo, só pode. É tudo muito limpo, muito asséptico, simétrico. É aí que Daniel ganha nossa confiança, a confiança do leitor, e divide seu segredo. Admito que por aqui foi um susto, e foi lindo! Um livro precioso, que incomoda muita gente – mas encanta e surpreende! Da Livros da Matriz.

5. MUNDO CRUEL, de Ellen Duthie e Daniela Martagón

5. MUNDO CRUEL, de Ellen Duthie e Daniela Martagón

Meio livro, meio jogo, “Mundo Cruel” é uma experiência diferente. Reúne cartões com ilustrações um tanto intrigantes, como uma família dividindo uma sopa de gato, um a criança matando formigas, outra se machucando – e atrás, diversas e instigantes perguntas a respeito da cena. Provocador e criativo, é um exercício de filosofia – incomoda, faz pensar. E é muito divertido! Do selo Boitatá, da Boitempo Editorial.

***

1 comentário

  1. Excelente sugestões

Vamos conversar?