A Parte Que Falta, de Shel Silverstein + sua continuação…

Cês provavelmente já viram a (maravilhosa) Jout Jout lendo o livro “A Parte Que Falta”, né não? Pois se não viram, corram – o vídeo é divertido, emocionante, delicioso! Nele Jout Jout descobre um grande clássico da literatura infantil, livro escrito em 1976 por Shel Silverstein (o mesmo autor de “A Árvore Generosa”). Ela lê o livro, observa as ilustrações, repara nos detalhes e se emociona profundamente. É lindo de ver o quanto um ~simples~ livro infantil a toca e provoca reflexões. Porque no fundo é isso: um livro infantil, um bom livro infantil, nada mais é do que um livro que pode (e deve!) ser lido também por crianças. É um livro que toca e comove qualquer ser sensível e disposto a nele mergulhar, independente da idade.

Tem coisa mais bonita que isso?

“A Parte Que Falta” é um livro absolutamente simples: texto enxuto, ilustrações em preto e branco. Mas traz uma história tão profunda, tão inspiradora, que não há quem não se comova ao lê-lo. Nele, acompanhamos um ser circular que aparenta estar incompleto. Ele segue em busca de sua parte faltante, e no caminho até encontra algumas – mas uma é grande demais, outra muito pequena, outra demasiadamente pontuda. Até a hora que uma encaixa perfeitamente…e ufa, é a parte que faltava, certo?

Problema é esse. A parte encaixa tão bem que ele começa a rolar rápido demais, sem parar – e mal consegue observar e apreciar o que acontece ao seu redor, como fazia antes. Então resolve que o melhor é devolvê-la delicadamente ao chão e…seguir procurando, cantarolando, muito do feliz! Porque como reflete a Jout Jout, sempre vai faltar alguma coisa, não adianta. É da natureza humana (ou circular, no caso), simples assim!

 

Engraçado é que em 1976, quando o livro foi lançado, muitos pais torceram o nariz – não entendiam como um autor de livros infantis podia fazer algo assim, tão diferente, um hino à liberdade! Mas Silverstein era assim: acreditava em tudo menos em livros com lição de moral, para nossa felicidade (e das crianças também, aleluia).

Mas a verdade é que o livro fez tamanho sucesso que em 1981 o autor escreveu uma espécie de continuação para ele. “A Parte que Falta Encontra o Grande O” conta a história daquela parte que é devolvida delicadamente ao chão, lembram? Pois ela também segue procurando sua parte (e quem não?), alguém que a leve a um lugar. A busca acaba sendo muito parecida, repleta de metáforas bastante divertidas sobre relacionamentos (não necessariamente amorosos, vale dizer) e suas frustrações.

Um dia ela encontra um círculo, um círculo completo, que sugere que ela tente se mover sozinha. Ela diz que não consegue, afinal tem pontas afiadas, não consegue rolar. O círculo então sugere: “pontas se desgastam, formas mudam”. E é esse o empurrão que a pequena fatia precisava para seguir sozinha – e se surpreender no final!

Os dois livros eram anteriormente publicados no Brasil pela Cosac-Naify (são esses que temos por aqui), mas a boa notícia é que o primeiro, aquele que a Jout Jout lê, foi recentemente relançado pela Companhia das Letras. E o segundo logo logo vai sair – já inclusive está em pré-venda pela Amazon. Clássicos imperdíveis, minha gente! <3

Se você ainda não viu o vídeo da Jout Jout, aqui ó:

***

2 comentários

  1. Muito legal o livro e o sucesso que ele fez depois da Jout Jout, né? Falando nisso, achei você no instagram a pouco e já te conhecia no youtube. Acho fantástico teu trabalho. O melhor nessa área do meu ponto de vista. Parabéns!!!

    1. obrigada pelo carinho, suelen! fico muito feliz! 🙂

Vamos conversar?