oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



28 mar 2017

livro: Pouco é Muito

Escrito por
Destaques, Divertidos, Livros, Novidades e Lançamentos, Para Refletir

Histórias de avô e neto sempre emocionam a mim e ao Francisco, não adianta. Mas “Pouco é Muito” chegou por aqui (através do Clube de Leitores A Taba) emocionando, divertindo e surpreendendo – e muito! Surpreendeu já pelo formato: pequenino, delicado, esconde dentro dessa discrição toda uma edição diferente de tudo que há por aí. O livrinho se abre em dois, e convida a uma leitura singular: o lado esquerdo traz o texto, e o direto, ilustrações impecáveis de Ionit Zilberman.

A história traz um antigo conto da tradição judaica recontado por Ana Lasevicius, onde um menino, um avô alfaiate e um cobertor nos fazem pensar no tempo, no apego. Presente do avô, o cobertor aquece e acompanha o garoto nos seus primeiros anos de vida, até se desgastar de tanto uso. Apegado à peça, o menino convence o avô a salvá-la: o avô então a transforma em um casaco, que acompanha o garoto durante boa parte da infância. O casaco, no entanto, também se desgasta do uso – mas segue se transformando, numa muito brincalhona repetição. Uma delícia de livrinho para se contar, recontar, brincar e refletir! Publicação linda da editora Nós.

 


2 mar 2017

livro: A Vaca Que Botou Um Ovo

Escrito por
Diversidade e Respeito, Divertidos, Livros, Para dar risada, Para Refletir

A vaca Mimosa andava meio deprimida, coitada – é que ela não sabia fazer nada de muito especial, como andar de bicicleta ou plantar bananeira como as outras vacas da fazenda. Mas Mimosa era uma vaca legal pacas, amigona das galinhas – e por isso, numa madrugada cheia de cocoricós, elas tiveram uma super ideia para animar a amiga.

E bem, vocês podem imaginar pelo título do livro qual a ideia – mas não podem imaginar o rebuliço que a novidade causou! “A Vaca Que Botou Um Ovo” (Editora Salamandra) é um livro engraçado, mas que também trata com delicadeza sobre diferenças e aceitação.

Chegou até nós através do clube de leitores A Taba arrancando gargalhadas do Francisco! A história mirabolante, as ilustrações hilárias…e um detalhe muito pessoal: um nome no final do livro que fez o garoto aqui chorar de rir. E a mãe junto, claro!

***


8 ago 2016

Quero Meu Chapéu de Volta, de Jon Klassen

Escrito por
Destaques, Divertidos, Novidades e Lançamentos, Para dar risada

Volta e meia a gente descobre alguns livros infantis que são pra lá de sensacionais: são engenhosos, especiais no conteúdo, ilustração, edição. “Quero Meu Chapéu de Volta”, de Jon Klassen, editado no Brasil pela WMF Martins Fontes é desses: não só traz uma história divertida demais, como tem uma edição impecável, na qual texto, ilustração, cores e fontes se fundem num contexto incrível – e hilário.

quero-meu-chapeu-de-volta

Tudo começa com um urso, que busca seu chapéu. Lá sai ele perguntando para raposa, sapo, tartaruga, coelho, tatu – mas ninguém viu o dito cujo. A história segue através de diálogos, curtos e dinâmicos, página a página – as cores do texto, preto e cinza, demarcam de quem é a fala (aqui em casa, eu e Francisco lemos cada um uma fala, como num teatro – é muito divertido!).

Certa hora, o urso passa por um animal que está com seu chapéu – mas a resposta é negativa, claro. O texto, no entanto, muda de cor – a resposta é vermelha, e apesar do urso não notar a mentira (mesmo com o chapéu na cabeça do bicho!), fica muito claro para nós, leitores, que ali há algo estranho:

quero-meu-chapeu-de-volta-2

O urso, coitado, segue a busca. Até uma hora que PERA! – ele lembra de algo. Lembra que viu o chapéu, e mais uma vez, é a cor vermelha que sinaliza essa súbita lembrança. A coisa é quase cinematográfica! Então ele volta, correndo – e aí, sem spoilers, porque esse é um livro que traz um final absolutamente surpreendente, cheio de ironia e longe de qualquer lugar comum.

Talvez a criançada não entenda na primeira não – o Francisco, quando se deu conta, levou um susto tão divertido que me fez rir mais do que o livro em si. E o barato é esse: ir deixando a criança sacar aos poucos, se não na primeira leitura, na segunda, na terceira – é susto e diversão garantida!

***

* Esse livro chegou até nós através do clube de leitores d’A Taba, que tanto falo e recomendo. Pra variar, sempre uma surpresa boa! 🙂