oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 7 anos, e vinícius, de 1 ano. seja bem-vindo! Leia mais



22 maio 2016

Para não ficar sem: Os Livros Infantis Mais Legais da Cosac-Naify

Escrito por
Destaques, Posts Especiais

O ano de 2015 terminou com uma notícia triste para quem ama literatura – a editora Cosac-Naify, uma das mais importantes do mercado nacional, anunciou o fechamento de suas portas. Muitos dos seus livros logo estarão esgotados – mas calma, não é sangria desatada não.  Muito provavelmente outras editoras farão novas edições de clássicos e livros infantis que a Cosac publicava – mas a boa notícia é que muitos deles estão com descontos de até 60% na Amazon. A pedidos, fiz uma seleção dos nossos livros preferidos publicados pela editora, todos que já passaram aqui pelo blog e pelo instagram. 🙂

bichos-que-existem

BICHOS QUE EXISTEM E BICHOS QUE NÃO EXISTEM, de Arthur Nestrovski

Esse livro dá pra ler de vários jeitos: em capítulos, porque cada historinha é independente e curtinha; tudo junto porque é difícil parar nas primeiras; ou numa turma de crianças, em voz alta. A gente vai conhecendo diversos bichos: o cavalo-marinho, o lobisomem, o camelo, a fênix, o vírus – alguns existem, outros não. Mas com as descrições divertidas do Arthur Nestrovski a imaginação vai muito longe – e, juro, até rola um pulguinha atrás da orelha com alguns bichos!

a-grande-questao

A GRANDE QUESTÃO, de Wolf Erlbruch

Todo mundo se pergunta a alguma altura da vida: “mas por que estou aqui, afinal?” – pois nesse livro estão as respostas, dadas pelos mais diferentes personagens: o padeiro, o pato, o marinheiro, o cachorro. Cada um dá um pitaco. algumas respostas são bem engraçadas, outras emocionam; mas todas são divertidas e trazem ilustrações bonitas demais! Um dos nossos livros do coração, que entrou para a lista de livros para falar sobre a morte e outros assuntos difíceis.

Captura de Tela 2016-05-22 às 21.50.27

QUANDO VEM A LUA, de Antonio Ventura

O incrível da literatura infantil é que às vezes bastam poucas, muito poucas palavras pra gente mergulhar fundo na fantasia. Nessa historinha curta e deliciosa de Antonio Ventura, os brinquedos ganham vida quando a lua aparece. O pinguim de borracha, o rato de madeira, o elefante de tecido fogem da caixa quando cai a noite e fazem a festa no quarto de Pablo. Toda noite, a mesa coisa…mas nessa em especial alguém observa tudo. Conto cheio de encanto, delicioso para curtir na hora de dormir!

O MENINO QUE MORDEU PICASSO, de Antony Penrose

“O Menino Que Mordeu Picasso” já tem nome divertido – e o mais engraçado é que essa é mesmo uma história real (e muito da cômica): Antony Penrose, o autor, foi o menino que de fato mordeu Picasso! Tony nasceu em uma família de artistas muito amiga do pintor, que participou de boa parte de sua infância. Um dia, conta ele, ficou muito animado numa brincadeira e deu uma mordida feia em Picasso – que adivinha? Revidou! Antes mesmo que Tony começasse a chorar, Picasso disse: “nossa! é a primeira vez que mordo um inglês!“. O livro traz essa e outras histórias da intimidade de Pablo Picasso, através dos olhos de uma criança – tom divertido, fotos lindas, todas do arquivo pessoal do autor.

o-dariz

O DARIZ, de Olivier Douzou

Um nariz entupido. Essa é a história de um nariz entupido: “guando agordei esta banhã esdava gombletamente endupido”, começa ele. O nariz sai em busca de um lenço, e é essa a aventura – pelo caminho, ele encontra um bico, uma tromba, até um focinho de porco, ou melhor, de borco. Todo mundo entupido. O barato é ler em voz alta – um desafio e tanto, viu?! Impossível não cair na gargalhada!

o-povo-das-sardinhas

O POVO DAS SARDINHAS, de Olivier Douzou

Não sei se vocês sabem, mas parece que antigamente as sardinhas vinham em árvores. Eram uma iguaria tão fina e nobre que apenas o governo podia cultivá-las. Aí veio o Maurício, criança sem juízo que se tornou um adulto rebelde, e que em um lindo dia resolveu plantar sua própria mudinha – e sem saber, deu liberdade às sardinhas. Hoje os homens pescam as sardinhas, voltaram a colocá-las dentro das latas, e a gente nem imagina – mas as que estão lá no mar ainda celebram o dia de São Maurício. Livrinho divertido demais sobre rebeldia e desobediência, cheio de humor e ironia (as ilustrações são demais!). Ah, e vem nesse formato – de uma lata de sardinhas!

 

A ÁRVORE GENERONA, de Shel Silverstein 

Quando o livro “A Árvore Generosa” foi escrito, em 1946, o autor não conseguiu que fosse logo publicado. “Um livro triste demais para as crianças e simples demais para os adultos”, disseram os editores. E é verdade, o livro é triste, simples – mas é incrível justamente por isso. Conta a história de um menino e uma árvore, numa linda fábula sobre amor e respeito. As ilustrações são em preto e branco, simples e diretas, o texto delicioso de ler – livro indispensável, grande clássico da literatura infantil!

FUJA DO GARABUJA, também de Shel Silverstein

Essa é uma leitura divertida, cheia de humor, um tanto diferente do livro anterior, mas também de Silverstein : “Fuja do Garabuja” é uma reunião de poesias hilários sobre os bichos mais fantásticos. As ilustrações e textos são de Shel Silverstein, mas as traduções de Alpínio Correia merecem todo o crédito também – são muito boas! Tem o Gradiardo, o Jivrolé, o Grício Galopante. Mas a gente gosta mesmo é do Sabato, que se alimenta de poetas, chá e pudim. Pra rir alto!

a-parte-que-falta

A PARTE QUE FALTA, mais uma vez de Shel Silverstein

Outro livro incrível de Silverstein, também muito diferente. Em “A Parte que Falta” a gente acompanha um ser circular que busca sua parte que falta, como uma fatia de pizza. Ele encontra algumas…uma fica grande demais, outra muito pontuda, ainda outra quadrada demais. Até a hora que uma encaixa como uma luva…ufa, é a parte que faltava! Problema é que ele fica tão redondinho que rola sem parar, rápido demais – e mal consegue observar e curtir o que acontece ao seu redor. Então ele resolve que o melhor é devolver a parte delicadamente ao chão e…seguir procurando, cantarolando, muito do feliz! Mais um pouco de rebeldia e humor por Shel Silverstein!

o-livro-do-foguete

O LIVRO DO FOGUETE, de Peter Newell

Um super clássico, muito do diferente e divertido, publicado pela primeira vez em 1912! Conta a história de um garoto que acende um foguete no porão de um prédio de 21 andares – o foguete vai furando o chão de cada apartamento, e a gente vai acompanhando o estrago que ele faz em cada um. É rimado, engraçado e o mais legal: cada página tem um furo mesmo, como se o foguete tivesse passado por ali.

SÁBADO NA LIVRARIA, de Sylvie Neeman e Olivier Tallec

Uma garotinha vai à livraria todos os sábados -senta e lê seus quadrinhos, é hábito. Ela observa um senhor, que também vai todos os sábados, pega um enorme livro de guerra e lê, em silêncio. Quando vai embora, sempre entrega à vendedora e diz: “espero que a senhora não o venda logo…”. Até um dia, que, véspera de Natal, ele não encontra mais o livro. A garota ajuda a procurar, mas nada – alguém deve ter comprado para dar de presente, claro. Livro lindo, tocante, com ilustrações magníficas (são pinturas a óleo) e uma história cheia de esperança.

NA NOITE ESCURA, de Bruno Munari

O italiano Munari é uma das maiores referências quando se fala de design e de livros infantis inovadores e muito, muito diferentes. Morreu no final dos anos 90, mas deixou livros incríveis, que valorizam formas e texturas. Em “Na Noite Escura”, publicado pela primeira vez em 1956, a brincadeira é totalmente sensorial: o livro tem páginas completamente negras, outras translúcidas, com texturas variadas e muitos recortes – escondem mistérios e surpresas de uma noite escura. Divertido por completo – até a parte da autobiografia de Munari, trechinho curto na contra-capa do livro, é legal demais. Imperdível para os fãs de livros ilustrados e muito diferentes.

O PARAÍSO SÃO OS OUTROS, de Valter Hugo Mãe

“As pessoas são tão diferentes. Aprecio muito que o sejam. Fico a pensar se me acharão diferente também. Adoraria que achassem. Ser tudo igual é característica de azulejo na parede, e, mesmo assim, há quem misture.” – ô livrinho lindo! As impressões sobre o amor através dos olhos de uma garotinha, primeiro livro do Valter Hugo Mãe dedicado ao público infantil – mas que todo adulto também deveria ler!

FRIDA, de Jonah Winter, ilustrações de Ana Juán

Esse livro foi um presente de uma amiga para o Francisco, uma descoberta deliciosa! História lindamente ilustrada (cheia de cor, energia, detalhes) da vida da artista Frida Kahlo – sua infância, inspirações, dificuldades e incrível superação através da pintura e da arte. Uma linda biografia para os pequenos, história encantadora. Foi um dos livros que indiquei na lista de biografias de mulheres fortes, livro importante demais pra criançada conhecer!

DIFERENTE COMO CHANEL, de Elizabeth Matthews

Outro livro que entrou pra lista de biografias de mulheres fortes, “Diferente como Chanel” conta a história da estilista Coco Chanel, mulher também revolucionária: foi ela quem no início do século XX, tirou os apertados espartilhos da mulherada e começou um movimento para que elas se vestissem mais livres, inclusive usando preto (povo naquela época não curtia isso não!). O livro é cheio de curiosidades sobre Chanel, com ilustrações bonitas e delicadas e capa dura – um presente lindo demais pra garotada que curte moda!

ODE A UMA ESTRELA, de Pablo Neruda, ilustrações de Elena Odriozola

Livros infantis de grandes escritores me encantam demais! Ainda mais quando são de autores que eu tenho paixão, como Julio Cortázar, Eduardo Galeano, Pablo Neruda – “Ode a Uma Estrela” é uma poesia do Neruda que foi transformada nesse incrivelmente lindo livro infantil. Apesar da linguagem um tanto refinada, a história é tão fantasiosa, lúdica e incrível que as crianças compreendem, se encantam e amam! É um privilégio incrível poder ler e apreciar Pablo Neruda junto dos pequenos – ainda mais com ilustrações lindas como essas.

trolls-e-os-fura-dentes

TROLLS, OS FURA-DENTES, de Nina Blychert

Um livro altamente útil pra quem tem em casa aquela criança que está na fase de não querer cuidar dos dentes. E olha, é legal demais! Primeiro, as ilustrações: repletas de colagens, rabiscos, detalhes em cada cantinho das páginas. A história é super fantástica e maluca, e conta sobre esses terríveis trolls que atacam nossos dentes, e aproveita para contar como se proteger deles. Ou seja: o livro ensina um bocado sem ser nada chato – pelo contrário, é muito do diferente e divertido!

ONDE VIVEM OS MONSTROS, de Maurice Sendak

Um dos clássicos da literatura infantil mais conhecidos (e bonitos!) que existem, “Onde Vivem os Monstros’ conta a história do dia em que o quarto do menino Max se transforma numa enorme floresta – e através dela ele chega onde vivem os monstros, pra virar o rei de todos eles! A história é divertida, cheia de fantasia, e as ilustrações são de tirar o fôlego – não à toa, é um dos livros mais citados quando se refere à literatura infantil de qualidade.

NA COZINHA NOTURNA, também de Maurice Sendak

Outro livro incrível de Maurice Sendak, leitura deliciosa para a hora de dormir. Divertido e completamente fantástico, ‘Na Cozinha Noturna’ conta a história de um garoto que vai acabar no meio de uma receita de bolo, cercado por três cozinheiros simpáticos e muito bonachões. Bom mesmo é ler cantando (tem vários trechinhos com rima, super musicais, dá vontade de cantar mesmo!). Daqueles livros que reúne tudo de bom: receita de bolo, sonho, aconchego e imaginação.

HISTÓRIA DA RESSUREIÇÃO DO PAPAGAIO, de Eduardo Galeano, ilustrações de Antonio Santos

Galeano, que nos deixou no ano de 2015,  era um grande contador de histórias: gostava delas, de transformá-las, recontá-las. Foi o que ele fez com esse livro aqui: um dia escutou, no nordeste do Brasil, um poema em cordel que contava essa história. Resolveu escrevê-la, e fez esse livro lindo e comovente. Um papagaio curioso cai em uma panela fumegante – e morre. Tudo ao seu redor se comove: a menina chora, a laranja se despe de sua casta, o vento sopra – um oleiro do Ceará então vê todo aquele sofrimento, junta toda aquela tristeza, e ressuscita o papagaio morto, que ressurge da dor com plumas de fogo, bico de pedra, dourado cor de laranja. Livro lindo demais, poesia pura!

Captura de Tela 2016-05-22 às 22.12.59

O LIVRO COM UM BURACO, de Hervé Tullet

Um livro super interativo e repleto de brincadeiras! O livro vem com um buraco de verdade, que faz parte de um universo diferente a cada página virada – é o miolo de uma flor, o pedaço de uma cidade, uma cesta de basquete, a cabeça de um astronauta, um prato vazio. Um convite à imaginação! Além do mais, o livro é daqueles grandões, que por aqui, a gente adora – é uma ideia bem bacana para dar de presente: não tem quem pegue o livro aqui e não fique curioso, não há criança que não mergulhe imediatamente na brincadeira!

MEU AMIGO JIM, de Kitty Crowther

“Meu Amigo Jim” conta a história da relação de dois pássaros completamente diferentes que se unem: recebem olhares tortos, muita rejeição – mas encaram tudo isso com muita força. Uma lição cheia de metáforas divertidas, celebração da diversidade de raça, sexualidade, cor. E ainda, de quebra, ensina a importância da leitura. Absolutamente indispensável quando o assunto é respeito, tolerância e amor!

MEU REINO, também de Kitty Crowther

Outro livrinho incrível de Kitty Crowther que aborda um tema delicado: aqui, a separação dos pais sob a ótica de uma criança. No início você não se dá conta de que é exatamente esse o assunto – porque é tudo muito lúdico, imaginativo como o universo infantil. Uma garotinha conta que vive numa colina, entre dois reinos – seus vizinhos são a Rainha Dominique e o Rei Patrick, e eles se dão muito, muito mal. A garota não aguenta mais as brigas, se sente cada vez menor, com muito medo. Um dia a Rainha bate à sua porta com um bolo e um pedido de desculpas; em seguida, chega o Rei com um buquê de flores, outro pedido de desculpas. Mas quando são surpreendidos um pela presença do outro, é mais uma vez só briga – mas dessa vez é a garotinha quem perde a paciência, pede trégua! As coroas caem de suas cabeças – e aí sim, você entende, trata-se de uma família.

JUMANJI, de Chris Van Allsburg

Sabe aquela criança que (acha que) não curte ler, que torce o nariz quando ganha livro? Pois eu du-vi-do que depois de ler essa história ela continue a pensar assim, juro. Jumanji é uma aventura incrível: conta a história de dois irmãos, Judy e Peter, que muito entediados se deparam com uma caixa que guarda um jogo misterioso. A princípio, nada demais, apenas um jogo de tabuleiro…até começar a aparecer dentro de casa tudo que acontece no jogo! É macaco na cozinha, serpentes pela sala, lava de vulcão pelas paredes…e as duas crianças jogando incrédulas, afinal, uma vez começado o Jumanji, é essencial ir até o final. Do jogo e do livro, porque não dá pra largar não! Entrou pra nossa lista dos melhores de 2015 porque só esse ano saiu no Brasil – foi publicado originalmente em 1981 nos Estados Unidos, e até virou filme! Sensacional!

TER UM PATINHO É ÚTIL, de Isol

Livrinho indispensável na biblioteca dos bebês! É pequenininho, daqueles que cabem nas mãos dos pequenos, cartonado e resistente, mas traz uma historinha criativa em um formato muito do diferente. De um lado, uma visão – um menino nos conta como ter um patinho é útil, tudo que pode fazer com seu mais novo brinquedo. Só que quando termina, é só virar e tcha-rãn! Vira outro livro, agora na visão do próprio patinho – e para ele, ter um menino também é muito útil! As ilustrações são simples, mas divertidas: o barato fica para o jogo de cores e o formato – o livro é lido como uma sanfoninha. Da premiada artista argentina Isol.

UM DIA NA PRAIA, de Bernardo Carvalho

“Um Dia na Praia” é o nome desse livro aqui em cima, apesar do título não aparecer na capa, só na lombada. Também não há palavras dentro dele – só os desenhos sensacionais do português Bernardo Carvalho e uma mensagem muito da importante. Um homem vai à praia, com seu guarda-sol e toalha – de longe, sentado na areia, avista algo flutuando na água. Entra no mar para pegar o que quer que seja – é uma bota, lixo descartado por ali. Depois avista outro. E outro. Já viram essa história antes né? O barato é o que ele decide fazer com tanto lixo – nada de virar e ir embora, o jeito é ser criativo!

***