oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



29 jul 2015

5 livros infantis de autores que nós, os grandes, amamos

Escrito por
Livros

Para começar, uma aleluia para a volta às aulas, que ninguém aguenta – nossas férias foram divertidas, teve colônia, passeios, leituras, cinema e até viagem ao Mato Grosso do Sul. Mas nada como voltar para casa, o Francisco para a escola, todos nós para a boa e velha rotina, eu para o blog e os vídeos do youtube. O tema que escolhi falar hoje é um que eu planejava há muito tempo, e aqui vai a primeira parte dele: livros infantis escritos por grandes autores que escrevem pra gente grande. A lista é longa: Adélia Prado, Jorge Amado, James Joyce, José Saramago, Gabriel García Márquez são só alguns que já se aventuraram na literatura infantil, e fizeram obras maravilhosas (não podia ser diferente!). Escolhi hoje cinco dos nossos preferidos – mas logo volto com outros, pode deixar!

1. FONCHITO E A LUA, de Mario Vargas Llosa

Eu tenho um carinho especial por esse livro, especial mesmo – primeiro, porque foi um dos primeiros livros que o Francisco ganhou, quando ainda era pequenino. Li um bocado esse livro pra ele, ainda bebê, naquelas muitas noites insones que passamos juntos (um dia eu conto, mas o Francisco só foi dormir mesmo foi com dois anos de idade, minha gente). É uma linda história de amor para as crianças, escrita por Mario Vargas Llosa, prêmio Nobel de Literatura em 2010. Llosa é conhecido por livros como A Casa Verde, Pantaleão e as Visitadoras (esse é um dos meus preferidos) e outras grandes obras de ficção para gente grande – esse aqui foi seu primeiro livro infantil, até hoje seu único. Na história, Fonchito quer dar um beijinho no rosto de Nereida – mas ela diz que só permite com uma condição: que ele traga a lua para ela. A missão só não é impossível porque Fonchito tem uma grande ideia ao ver a lua refletida na água – em uma linda noite de luar, ele leva um recipiente repleto de água para Nereida, e ali ela tem sua própria lua. História encantadora, publicada no Brasil pela editora Objetiva.

fonchito e a lua - mario vargas llosa

fonchito e a lua - mario vargas llosa

2. DISCURSO DO URSO, de Júlio Cortázar

Aaaah esse livro! Já falei dele aqui um bocado de vezes – é um dos nossos preferidos (eu falo que TANTO livro é dos nossos preferidos, mas acreditem, é porque são mesmo!). Eu já deixei lagriminhas escorrerem dos olhos quando li pela primeira vez (sou sensível, poxa!) e o Francisco já escolheu o livro para levar para a escola algumas vezes. O livro é de Júlio Cortázar, e traz toda a fantasia e sensibilidade do escritor numa história comovente sobre um urso que vive nas tubulações dos prédios. É ele quem as mantém limpas, escorregando e subindo pelos canos de água, de ar-condicionado. O urso, vermelho, gigante, simpático, mantém um carinho especial pelos seres humanos: gosta de observá-los e de pensar no quanto são sós e tristes. As ilustrações do italiano Emilio Urberuaga são super coloridas, divertidas – fazem a gente viajar  longe com o urso em suas observações e passeios pelos canos e caixas d’água. Indispensável, absolutamente indispensável! Publicado pelo selo Galerinha, da editora Record.

discurso do urso - julio cortazar

discurso do urso - julio cortazar

3. HISTÓRIA DA RESSUREIÇÃO DO PAPAGAIO

Desse livro eu falei recentemente por aqui, na semana da morte de Eduardo Galeano – ele é um dos meus escritores preferidos (gosto demais de literatura latino-americana!). Galeano tem vários livros sensacionais, entre eles O Teatro do Bem e do Mal e O Livro dos Abraços – esses dois são pequenas histórias, algumas mirabolantes, curtas, outras mais longas, todas muito criativas. É que Galeano era um grande contador de histórias, gostava delas, de tranformá-las, recontá-las. Foi o que ele fez com esse livro aqui: um dia escutou, no nordeste do Brasil, um poema em cordel que contava essa história. Resolveu escrevê-la, e fez esse livro lindo e comovente. Um papagaio curioso cai em uma panela fumengante – e morre. Tudo ao seu redor se comove: a menina chora, a laranja se despe de sua casta, o vento sopra – um oleiro do Ceará então vê todo aquele sofrimento, junta toda aquela tristeza, e ressuscita o papagaio morto, que ressurge da dor com plumas de fogo, bico de pedra, dourado cor de laranja. A tradução para o português ficou por conta de Ferreira Gullar, e as ilustrações são fotos de esculturas coloridas em madeira do espanhol Antonio Santo. Uma obra de arte, publicado por aqui pela Cosac Naify.

historia da ressurreicao do papapagaio - eduardo galeano

historia da ressurreicao do papapagaio - eduardo galeano

4. ODE A UMA ESTRELA, de Pablo Neruda

Como eu disse ali no vídeo, esse é um livro de linguagem mais complexa e menos acessível – uma poesia bem lírica e cheia de palavras difíceis e incrivelmente bonitas. Há gente que ache que a criançada não entende ou não curta, mas eu discordo, e o Francisco comigo: a história é das mais bonitas, lúdica e bem fantasiosa, e não há quem não se encante pela história do homem que rouba uma estrela do céu e faz disso um grande problema para sua vida. É que a estrela brilha demais, no bolso incomoda, escondida embaixo da cama não o deixa dormir, sua luz foge pelo telhado – e no final, o homem resolve que o melhor é devolvê-la ao rio (no vídeo eu disse mar, desculpa a confusão, turma!). Livro absolutamente lindo sobre amor, possessão, fantasia – para crianças pequeninas, grandes, para adultos sensíveis. Também da editora Cosac-Naify.

ode a uma estrela - pablo neruda

ode a uma estrela - pablo neruda

5. A VIDA ÍNTIMA DE LAURA, de Clarice Lispector

Pra terminar a lista de hoje, uma mulher: Clarice Lispector é outra grande autora para adultos que tem livros infantis e infantojuvenis também publicados. A Vida Íntima de Laura conta a história de uma…galinha. Pois é, e é essa a parte mais bacana da história, a simplicidade dela, a linguagem deliciosa, a conversa que a gente tem certeza que está tendo com a Clarice enquanto ela conta dessa galinha burrinha, medrosa e muito querida que é a Laura. Laura vive apressada; tem um filho chamado Hermany com o galo Luís, muito metido e dono de si; um dia tem que fugir das mãos de um ladrão; em outro vê sua amiga virar ensopado – a vida de Laura não é fácil afinal, mas ela é bem feliz. Aqui em casa a gente gosta mesmo é do final um tanto quanto inusitado da históruia: um habitante de Júpiter chega por aqui garantindo proteção à pequena galinha. É um livro fantasioso, delicado, inteligente, como todo livro infantil deve ser. Clássico indispensável, editado pela primeira vez em 1974! Da editora Rocco.

a vida intima de laura - clarice lispector

a vida intima de laura - clarice lispector

***


6 maio 2015

Especial: 5 Livros Infantis para o Dias das Mães

Escrito por
Livros

Dia das mães tá aí, próximo domingo – então resolvi fazer um especial sobre o tema essa semana: escolhi cinco livros infantis bem diferentes que falam sobre as mães. Alguns, pra variar, eu peguei emprestado na Biblioteca Pública e li durante essa última semana com o Francisco. Outros são nossos – a lista ficou divertida, com livros bem diferentes e pra todos os gostos: tem pra emocionar, pra refletir, pra rir muito, pra rimar. Ah, e dessa vez tem vídeo também, lá no youtube:

1. MAMÃE ZANGADA

Esse foi daquelas surpresas boas – peguei o livro na biblioteca pública, e juro, estranhei um bocado o nome. Mas foi começar a ler o livro (e terminar logo em seguida, que a história é bem curtinha) e logo curti demais – o Francisco também! A história, na voz de um simpático pinguim, começa assim:

“Hoje de manhã mamãe gritou tanto

que eu me despedacei em pleno ar.”

E segue – cada pedacinho do pinguim vai parar em um canto: do universo ao fundo do mar, da selva às montanhas, até o bumbum dele não se salva e cai no meio da rua. Mas no final acaba tudo bem: a mamãe zangada recolhe os pedacinhos todos e costura-os um a um – e o livro termina com um pedido de desculpas. Uma metáfora delicada e divertida. Livro curto, pequenininho, mas nem por isso menos sensível. Escrito e ilustrado pela alemã Jutta Bauer, editado no Brasil pela Cosac-Naify.

mamaezangada

mamaezangada2

2. QUANDO  MAMÃE VIROU UM MONSTRO

Aqui também há uma transformação física – mas aqui, quem se transforma, é a mãe. E se transforma num monstro! Arrisco dizer que esse foi o livro preferido do Francisco – ele riu um bocado com a história. Em “Quando Mamãe Virou um Montro”, a mãe recebe um telefonema – vai receber visita dos sobrinhos à tarde para lanchar. Então ela começa a ajeitar a casa, preparar um bolo – e nada dos dois filhos ajudarem. Aliás, eles só apavoram – fazem uma bagunça terrível, brigam entre si, choram. Enquanto isso, a mãe vai se transformando: pedaços verdes e apavorantes começam surgir em em seu corpo. Tentáculos, dedos de bruxa, rabo – a criançada leva um susto! Mas também, coitada da mãe – juro que senti compaixão por ela! A sorte é que fica tudo bem – as crianças resolvem finalmente ajudar e a mãe vai voltando a ser mãe, ufa. O final é bem divertido, e as ilustrações também – tem jeitão de gibi, com tirinhas bem coloridas e desenhos com cara de quadrinho. Divertido demais! Da britânica Joanna Harrison, publicado no Brasil pela Brinque-Book.

monstro

monstro2

3. MINHA MÃE É UM PROBLEMA

Os amantes das bruxas Onildas, bruxinhas atrapalhadas (eu!) e afins vão curtir esse livro, certeza. Eu curti bastante, o Francisco achou bem engraçado: o problema do garotinho da história é ter essa mãe feiticeira, de chapéu pontudo e vassoura. Os pais dos outros alunos – e os próprios alunos – vivendo olhando feio pra ele. Mas a mãe bruxa acaba conquistando todo mundo: a criançada se diverte com os doces cheios de bichos (eca) que ela faz e os pais a agradecem quando ela faz um feitiço para fazer chover na escola em um incêndio. Pois é, pais difíceis de conquistar esses, mas tudo termina bem. Historinha e ilustrações bem engraçadas e divertidas! Esse é um livro mais antigo – foi publicado pela primeira vez em 1986, e já teve algumas edições por aqui. Por isso dá pra encontrar fácil em sebos – na Estante Virtual tem a partir de 7 reais. Escrito e ilustrado por Babette Cole, uma das autoras infantis mais conhecidas e tradicionais da Inglaterra, foi editado no Brasil pela Companhia das Letrinhas.

problema

problema2

4. CORAÇÃO DE MÃE

Tá aí um livro pra emocionar todas as mães e avós do planeta terra, sem brincadeira. Eu dei uma choradinha na primeira vez que li, tão bonito é. Nele, a portuguesa Isabel Minhós Martins conta que cada coração de mãe é ligado pelo coração do filho por um fino fiozinho, e é por isso que sempre que alguma coisa acontece com o filho, a mãe sente fundo, dentro do próprio coração. Um trechinho, aquele ali que eu li no vídeo:

“Quando não compreende os filhos, o coração de mãe é como um novelo embaraçado.

No coração de mãe passa uma nuvem escura sempre que um filho é mal-educado.”

Tem rima, fluência, um monte de surpresa, é gostoso demais de ler – e também tem as ilustrações mais bonitas! A nossa cópia eu trouxe de Portugal, é da Planeta Tangerina (que tem um livro mais sensacional que o outro, gente!) – mas a boa notícia é que tem edição por aqui, yay! Saiu pela editora Alaúde, pelo selo Tordesilhinhas – um presente lindo para mãe e filho!

coração

coração2

5. A MÃE QUE CHOVIA

Eu deixo por último esse porque é meu livro do coração, com licença – eu já até falei dele por aqui há dois anos, assim que comprei nossa cópia, lá em Lisboa. É o primeiro livro infantil de um dos escritores que eu mais gosto, o José Luís Peixoto – e é um livro que já me emocionou um bocado! Ô história bonita. Pra vocês terem uma ideia, eu gosto tanto desse livro, que quando voltei pra Portugal, trouxe várias outras cópias para presentear mãe, psicanalista, amigas – porque é lindo assim, e infelizmente, ainda não tem edição aqui no Brasil. O livro conta a história de um menino que é filho da chuva – fala sobre ausência, sobre tristeza. Mas também fala sobre reencontro, felicidade, sobre mãe e filho, sobre natureza. Um dos trechinhos que mais me emociona, pra vocês verem o quão linda é a história:

“Mas esse rapaz esperto, composto por boa disposição e com a idade de mais ou menos, não precisava que lhe dissessem que era a sua mãe. Ele conhecia-a melhor do que os assuntos que conhecia mesmo bem. Juntos, trocavam tardes de domingo, descanso, beijinhos e coisas mornas de mãe e filho. Enchiam a barriga de brincadeiragem. ”

Daqueles livros que são mais nossos que dos filhos (desculpa aí, Francisco!), daqueles pra serem lidos, relidos, abraçados. Da editora portuguesa Quetzal, lançado recentemente no Brasil pela Companhia das Letras.

chovia

chovia2

***


14 abr 2015

Eduardo Galeano para crianças: História da Ressureição do Papagaio

Escrito por
Livros

Essa semana começou com uma triste notícia: faleceu o autor uruguaio Eduardo Galeano, um dos maiores nomes da literatura latino-americana. Foram mais de 30 livros publicados durante sua vida – entre eles obras-primas como O Livro dos Abraços e O Teatro do Bem e do Mal – Galeano era na verdade um grande contador de histórias. Algumas eram criadas por ele, outras ouvidas do popular e incrementadas por seu enorme talento, seus contos emocionam. Galeano também transitou pela literatura infantil – em 1983, foi publicado no Brasil o livro A Pedra Arde (Edições Loyola), e mais recentemente, em 2010, a História da Ressureição do Papagaio, editado pela Cosac-Naify:

papagaio01

A inspiração de Galeano para a história do papagaio foi um poema em cordel ouvido em uma viagem sua ao nordeste do Brasil – nele, a ave distraída cai em uma panela de sopa quente. Bicho querido por todos, a morte do papagaio gera comoção geral – das pessoas às árvores, das frutas ao céu, todos choram a morte do pobre:

“A laranja se despiu de sua casca

e lhe ofereceu consolo

O fogo que ardia sob a panela

se arrependeu e se apagou

Do muro, uma pedra se soltou.

A árvore, inclinada sobre o muro,

estremeceu de pena

e todas suas folhas caíram ao chão”

 

papagaio03

Um oleiro do Ceará, ao observar toda aquela comoção, junta toda a tristeza, e com todo o material em mãos – o fogo que apaga a casca da laranja que se despe, as águas das lágrimas de quem chora – consegue ressuscitar o papagaio morto. As ilustrações são de Antonio Santos, pintor e escultor espanhol – são fotografias de lindas esculturas em madeira, muito coloridas, em total sincronia com a história inspirada em cordel. A tradução do livro para o português também ficou por conta de um grande nome: o poeta Ferreiro Gullar. Livro lindo, para emocionar os grandes e os pequenos.

***

História da Ressureição do Papagaio

Texto: Eduardo Galeano

Ilustrações: Antonio Santos

Editora: Cosac-Naify, 2010

***