oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



15 dez 2016

10 dos Melhores Livros Infantis de 2016

Escrito por
Destaques, Listas de Livros, Livros, Novidades e Lançamentos

Rá, chegou a hora da lista mais legal do ano: um seleção cheia de carinho dos livros infantis mais bacanas publicados em 2016! 🙂

1.UM DIA, UM RIO, de Leo Cunha e André Neves

um-dia-um-rio

Um ano depois do maior desastre ecológico do Brasil, eis que surge um lindo livro infantil para resgatar a triste história e homenagear o Rio Doce. Em forma de poesia, traz o lamento de um rio que narra a vida que tinha e o deserto que se tornou. O poema, delicado, é do escritor Leo Cunha; as ilustrações são de André Neves. Daqueles livros que emocionam, arrepiam mesmo – e ainda despertam reflexão e curiosidade. Publicado pela Pulo do Gato.

2.A VIAGEM, de Francesca Sanna

a-viagem-francesca-sanna

Sob o olhar de uma criança, “A Viagem” traz a história de uma família de refugiados. Após a morte do pai, levado pela guerra, a mãe toma uma difícil decisão: fugir para outro país, um lugar seguro onde possam recomeçar a vida sem medo. A fuga é encarada pela crianças como uma aventura: pegar as malas, despedir-se de todos e partir, mesmo na incerteza. Fronteiras, guardas e botes cheios de gente são alguns dos desafios enormes que enfrentam a mãe e os dois filhos, certos de que do outro lado há uma nova chance. Forma delicada de abordar com as crianças um assunto tão presente nos noticiários, tão triste e urgente. Publicado pela V&R Editoras.

3. DRUFS, de Eva Furnari

drufs-eva-furnari

Maravilhosa é a Eva Furnari, que depois de 35 anos escrevendo e ilustrando para crianças, ainda cria um livro tão diferente e incrível como esse. Os Drufs são seres parecidos como nós, só que menores. Um dia, a professora Rubi dá um desafio aos seus alunos: levar fotos e curiosidades sobre suas próprias famílias. Tem família de ninjas, tem família que curte festa, tem família que perdeu o pai, família de duas mães, família de dois pais – sempre apresentadas na voz das crianças, com muito humor e delicadeza. O barato é que todos os personagens são montados nos próprios dedos da autora, e todos completamente diferentes: com canetinha, tecidos, bexiga, tampas e uma criatividade sem fim! Drufs é todo demais, livro imperdível – pra rir, se surpreender (muito!) e amar a diversidade. Publicado pela Editora Moderna.

4. TROMBA TROMBA, de David McKee

tromba-tromba-david-mckee

David McKee é um nome que olha, não devia ficar fora da biblioteca de ninguém. Tromba-Tromba é um de seus grandes clássicos, escrito em 1978, mas publicado pela primeira vez esse no Brasil, pela Pequena Zahar. Já falei dele aqui antes: um livro simples, leve (muito por conta das cores vibrantes e traços quase cômicos de McKee) – mas que serve de impulso para as mais diversas e importantes discussões sobre preconceito, intolerância e violência. Atual e urgente!

5. ESTE É O LOBO, de Alexandre Rampazo

este-e-o-lobo-alexandre-rampazo

Em uma página, eis o lobo. Na próxima, a chapeuzinho. Na seguinte, volta o lobo – e opa, a chapeuzinho não está mais ali. O mesmo acontece com os três porquinhos, com o caçador, com o príncipe. Nesse folhear das páginas desse livro surpreendente o lobo se aproxima, se afasta, como em um filme. Mas onde foram parar todos, afinal? Livro bonito em absolutamente tudo, edição, ilustração, reflexão e surpresas. Escrito e ilustrado por Alexandre Rampazo, a publicação é da Editora DCL.

6. ABRAPRACABRASIL!, de Fernando Vilela

abrapracabrasil-fernando-vilela

“AbrapracabraBrasil” é uma espécie de continuação do Abrabracabra, de Fernando Vilela, onde uma cabra viaja por diversos lugares do mundo. Nesse segundo livro, a viagem é dentro da imensidão do nosso Brasil, e é legal demais! Tem São Paulo, tem Recife, tem floresta, tem os pampas, tem muito mais – cada parada, muitas aventuras. Para mergulhar e descobrir um pouco sobre a diversidade do nosso país, com muita rima, cor e alegria. Da Brinque-Book.

7. AS CORES DOS PÁSSAROS, de Lúcia Hiratsuka

as-cores-dos-passaros-lucia-hiratsuka

Gosto muitos dos livros da Lúcia Hiratsuka e do quanto eles trazem um pouquinho do Japão para perto de nós. Em “As Cores dos Pássaros” ela reconta uma fábula japonesa onde os pássaros nascem todos brancos. É uma simpática coruja quem os colore, um a um, ao gosto do cliente. Ao final de uma longa tarde de trabalho colorindo diversos pássaros, surge o corvo, muito arrogante, pedindo para também ser colorido. Já cansada, a coruja despeja todas as cores dentro de um pote, esperando que ele mergulhe e saia dali multicolorido, como pediu. Mas o resultado acaba sendo outro… Livro supreendente, publicado pela Editora Rovelle.

8. MOSCAS E OUTRAS MEMÓRIAS, de Eve Ferretti e Fabíola Werlang

moscas-e-outras-memorias-eve-ferretti

“Moscas e Outras Memórias” reúne as memórias de uma infância, personagens e seus costumes. Mas as memórias nem sempre são fiéis aos fatos – às vezes são até contraditórias. É esse o jogo do livro: a lembrança é uma, mas o desenho mostra algo distinto. É preciso ficar atento, ler com calma, observar detalhes no texto, nas fontes, nas ilustrações. Livro lindo de Eve Ferretti e Fabíola Werlang, para se redescobrir muitas vezes e guardar como um precioso álbum de memórias! Publicado pela Aletria Editora.

9. DAQUI NINGUÉM PASSA, de Isabem Minhós Martins e Bernardo Carvalho

Processed with VSCO with 6 preset

“Daqui Ninguém Passa” é um livro que brinca, com muita originalidade, com o próprio objeto livro. Começa com um guarda que vigia, atento, a separação da página esquerda com a direita, e ordena: dali ninguém passa. Os personagens vão surgindo aos poucos, e logo começam a se aglomerar apenas do lado esquerdo – e também a questionar: como assim não podem passar? Não podem, são ordens do general: ele quer que ela fique em branco para poder entrar na história quando bem lhe apetecer. Mas é um grupo de crianças quem muda o rumo dessa história repleta de humor e rebeldia, surpreendente! Dos portugueses Isabel Minhós Martins e Bernardo Carvalho, o livro foi publicado em 2014 pela Planeta Tangerina – e acaba de sair no Brasil pela Sesi-SP Editora.

10. RUÍDO, de Pablo Albo e Guridi

“Ruído” é um livrinho pequenino, mas muito do barulhento. Traz uma história daquelas deliciosas de serem contadas em voz alta, em que uma coisa desencadeia outra – e que prendem a atenção até a última linha! Tudo começa numa manhã em que Patrícia liga o rádio para ouvir seu chá-chá-chá, mas não escuta direito. O jeito é aumentar o volume ao máximo, o que acorda o vizinho Osório, que assusta Jaime, que acaba fazendo com que um circo se apresse e começar seu desfile de animais antes da hora, o que…bem, gera uma confusão sem fim. Nem marcianos visitando a terra passam ilesos da bagunça que se instaura nessa cidade antes tão pacata! Para ler alto, fazer muito barulho e dar altas risadas. Publicado pela Gato Leitor.

***


15 jul 2016

Tromba Tromba, de David McKee

Escrito por
Destaques, Diversidade e Respeito, Novidades e Lançamentos, Para Refletir

David MacKee é um nome que olha, não devia ficar fora da biblioteca de ninguém. A verdade é que poucos autores conseguem tratar de assuntos tão importantes com a coragem e o humor desse britânico. Tromba-Tromba (Tusk Tusk, em inglês) é um de seus grandes clássicos, escrito em 1978 – e que chega agora no Brasil, publicado pela Pequena Zahar.

tromba tromba

A história, ao primeiro olhar, é muito simples: elefantes brancos e elefantes pretos que se dão muito mal e resolvem guerrear. A luta é só entre si – eles nem sabem porque não se gostam, mas não se gostam e pronto. Um dia, inicia-se uma batalha. Os elefantes que não estão dispostos a brigar se afastam; já os outros brigam, até, claro, se matarem.

tromba-tromba-2

Por muitos e muitos anos não se vê mais elefante algum sobre a terra. Até que do fundo da selva, um belo dia, saem os netos daqueles elefantes pacíficos: elefantes cinzas! Esses sim se dão muito bem – se bem que ultimamente os de orelhas grandes e os de orelhas pequenas têm se olhado de um jeito meio estranho…

Um livro tão simples, tão leve (muito por conta das cores e traços quase cômicos de McKee) – mas que serve de impulso para as mais diversas e importantes discussões sobre preconceito, intolerância e violência. Atual e urgente!

***