oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 7 anos, e vinícius, de 1 ano. seja bem-vindo! Leia mais



6 mar 2017

Especial Mês da Mulher: Garotas Valentes, Histórias Divertidas

Escrito por
Destaques, Divertidos, Listas de Livros, Livros

Tem seleção especial para o mês de março, mês da mulher: seis livros infantis que trazem protagonistas garotas muito valentes em histórias pra lá de divertidas. Bora empoderar a meninada! 🙂

1.NÃO DERRAME O LEITE, de Stephen Davies 

Em um pequeno vilarejo da África mora a menina Penda e sua família. Um dia sua mãe lhe transfere, a pedido da garotinha, uma missão: levar uma tigela de leite para o pai, que cuida de ovelhas em longe pastagens. Ela não pode derramá-lo – e olha que os obstáculos são muitos! Há dunas, há o grande rio Níger, há girafas brancas e montanhas. Mas Penda segue firme, corajosa, determinada a chegar ao seu destino. Sinceramente, não sei o que é mais bacana no livro: as cores incríveis das ilustrações de Christopher Corr, a história cheia de ritmo e repetição, deliciosa de ser lida em voz alta, a linda mensagem de amor ao final dela. Livrinho colorido, divertido, emocionante – publicado pela Pequena Zahar.

2. LETRAS DE CARVÃO, de Irene Vasco 

“Letras de Carvão” é uma história de amor – principalmente, uma história de amor às letras, às palavras. No povoado de Palenque, poucos sabiam ler e escrever. As palavras estavam por todos os lados, em jornais que eram usados para embalar compras e tapar furos nas paredes, mas ninguém sabia o que significavam. Também estavam nas cartas de Miguel, que Gina recebia todos os meses e que admirava por horas, imaginando as promessas de amor que escondiam. Sua irmã mais nova, movida pela curiosidade e ansiedade de ajudar a irmã a decifrá-las, negocia com o senhor Veloso (dono da mercearia local) aulas para aprender a ler. Começa com os nomes que Veloso escrevia na parede, treinando palavras no chão da cozinha – e logo descobre um infinito mundo de possibilidades, palavras e histórias. Leitura linda, inspirada em histórias que a autora, Irene Vasco, trouxe de povoados da Colômbia onde ministrou oficinas de leitura. Da Pulo do Gato.

3. GORILA, de Anthony Browne

Sei não, mas acho que dos livros do Anthony Browne (e olha, são muitos lindos!), Gorila é meu preferido. Tá certo que rola um apego emocional, já que foi a primeira obra que conheci do autor e ilustrador. Lembro que fiquei boba com o realismo das ilustrações, os detalhes surpreendentes aos leitores atentos – ao Francisco, no caso, que na época tinha 3 anos e enlouquecia descobrindo os gorilas escondidos pelas páginas cada vez que líamos o livro. Na história, a garota Hannah vive com seu pai, que muito trabalha e pouco tempo tem. A pequena ama os gorilas, e no seu aniversário pede um de presente. No meio da noite descobre decepcionada que ganhou um de brinquedo…mas ela não esperava por uma transformação cheia de fantasia e sonho que a noite reserva. Publicado originalmente em 1983, Gorila é um dos livros mais premiados de Browne – e também um de seus favoritos! No Brasil, a edição é da Pequena Zahar.

4. ENQUANTO MEU CABELO CRESCIA, de Isabel Minhós Martins

Todas as semanas a menina Vera acompanha a avó ao salão de beleza – é que a Mila, a cabeleireira, é uma profissional especial. Ela jura que compreendendo os cabelos, podemos perceber tudo o que se passa dentro das cabeças. E cada transformação que ela faz! Um dia, como de hábito, Mila foi cortar a franja da pequena Vera. A avó grita lá de longe: “corta certinho, hein?” – mas com todos aqueles secadores ligados, aquela barulheira toda…ela escuta errado. E lá se vão todas madeixas de Vera pelo chão. Não é fácil, claro. Sorte que ela faz dessa pequena tragédia um belo aprendizado…e que surpresa tem no final! História deliciosa de Isabel Minhós Martins sobre os pequenos dramas e decepções da infância – e sobre como enfrentá-los com bom-humor só faz a gente crescer mais forte. Publicado pela Peirópolis.

5. VOCÊ CONHECE PIPPI MEIALONGA?, de Astrid Lindgren

A personagem Pippi Meialonga nasceu em 1945 – foi um presente da autora, a sueca Astrid Lindgren, para sua filha que completava 10 anos. Mas acabou que Pippi virou uma personagem querida por crianças do mundo todo: suas histórias foram traduzidas para mais de 70 línguas! Pippi é essa garota tão diferente, que tem 9 anos de idade e mora sozinha, sem pai nem mãe – bem, não exatamente sozinha, mas com um cavalo e um macaco, o Nilson. É ela quem cuida de tudo: cozinha panquecas no café da manhã, trança o cabelo e abotoa a camiseta ao mesmo tempo e corta sua própria lenha. Sem contar que carrega um cavalo sozinha (sim!), afugenta ladrões e invade um espetáculo de circo para mostrar que também sabe fazer tudo aquilo (é, um tanto chata às vezes, vai!). Um clássico que vale conhecer, com ilustrações no maior estilo vintage (Ingrid Nyman foi a primeira artista a ilustrar Pippi) e muita molecagem! Da Companhia das Letrinhas.

6. ZLOTY, de Tomi Ungerer

Como todas as semanas, Zloty dirigia sua lambreta apressada pela floresta até a casa de sua avó. Mas nesse dia, algo inusitado acontece: ela atropela um grande anão! Ninguém se machuca, ufa – mas a lambreta fica destruída. O grande anão andava com um pequeno gigante, e juntos eles levam Zloty até seu povoado para que tudo seja consertado e ela possa seguir viagem. Entre minas abandonadas e cogumelos aconchegantes vivem esse povo fantástico, que ajuda a menina a recuperar (transformar, na verdade!) sua lambreta e seguir até sua avó na manhã seguinte. Problema é que dessa vez…ela atropela um lobo! Qualquer semelhança com Chapeuzinho Vermelho é mera inspiração, porque a história toma rumos incríveis. Os anões e gigantes voltam, poções mágicas entram em ação, um vulcão em erupção…tá maluco? Tá, porque é Tomi Ungerer, e não há nada mais doido e fascinante do que suas histórias. Enquanto a narrativa cresce, muita coisa acontece – até chegar a um final redondinho, lindo, surpreendente. Nas ilustrações, outros detalhes, brindes aos leitores atentos e apaixonados pela obra do autor. Viva o gênio! A publicação é da Gaudí.

***


15 dez 2016

10 dos Melhores Livros Infantis de 2016

Escrito por
Destaques, Listas de Livros, Livros, Novidades e Lançamentos

Rá, chegou a hora da lista mais legal do ano: um seleção cheia de carinho dos livros infantis mais bacanas publicados em 2016! 🙂

1.UM DIA, UM RIO, de Leo Cunha e André Neves

um-dia-um-rio

Um ano depois do maior desastre ecológico do Brasil, eis que surge um lindo livro infantil para resgatar a triste história e homenagear o Rio Doce. Em forma de poesia, traz o lamento de um rio que narra a vida que tinha e o deserto que se tornou. O poema, delicado, é do escritor Leo Cunha; as ilustrações são de André Neves. Daqueles livros que emocionam, arrepiam mesmo – e ainda despertam reflexão e curiosidade. Publicado pela Pulo do Gato.

2.A VIAGEM, de Francesca Sanna

a-viagem-francesca-sanna

Sob o olhar de uma criança, “A Viagem” traz a história de uma família de refugiados. Após a morte do pai, levado pela guerra, a mãe toma uma difícil decisão: fugir para outro país, um lugar seguro onde possam recomeçar a vida sem medo. A fuga é encarada pela crianças como uma aventura: pegar as malas, despedir-se de todos e partir, mesmo na incerteza. Fronteiras, guardas e botes cheios de gente são alguns dos desafios enormes que enfrentam a mãe e os dois filhos, certos de que do outro lado há uma nova chance. Forma delicada de abordar com as crianças um assunto tão presente nos noticiários, tão triste e urgente. Publicado pela V&R Editoras.

3. DRUFS, de Eva Furnari

drufs-eva-furnari

Maravilhosa é a Eva Furnari, que depois de 35 anos escrevendo e ilustrando para crianças, ainda cria um livro tão diferente e incrível como esse. Os Drufs são seres parecidos como nós, só que menores. Um dia, a professora Rubi dá um desafio aos seus alunos: levar fotos e curiosidades sobre suas próprias famílias. Tem família de ninjas, tem família que curte festa, tem família que perdeu o pai, família de duas mães, família de dois pais – sempre apresentadas na voz das crianças, com muito humor e delicadeza. O barato é que todos os personagens são montados nos próprios dedos da autora, e todos completamente diferentes: com canetinha, tecidos, bexiga, tampas e uma criatividade sem fim! Drufs é todo demais, livro imperdível – pra rir, se surpreender (muito!) e amar a diversidade. Publicado pela Editora Moderna.

4. TROMBA TROMBA, de David McKee

tromba-tromba-david-mckee

David McKee é um nome que olha, não devia ficar fora da biblioteca de ninguém. Tromba-Tromba é um de seus grandes clássicos, escrito em 1978, mas publicado pela primeira vez esse no Brasil, pela Pequena Zahar. Já falei dele aqui antes: um livro simples, leve (muito por conta das cores vibrantes e traços quase cômicos de McKee) – mas que serve de impulso para as mais diversas e importantes discussões sobre preconceito, intolerância e violência. Atual e urgente!

5. ESTE É O LOBO, de Alexandre Rampazo

este-e-o-lobo-alexandre-rampazo

Em uma página, eis o lobo. Na próxima, a chapeuzinho. Na seguinte, volta o lobo – e opa, a chapeuzinho não está mais ali. O mesmo acontece com os três porquinhos, com o caçador, com o príncipe. Nesse folhear das páginas desse livro surpreendente o lobo se aproxima, se afasta, como em um filme. Mas onde foram parar todos, afinal? Livro bonito em absolutamente tudo, edição, ilustração, reflexão e surpresas. Escrito e ilustrado por Alexandre Rampazo, a publicação é da Editora DCL.

6. ABRAPRACABRASIL!, de Fernando Vilela

abrapracabrasil-fernando-vilela

“AbrapracabraBrasil” é uma espécie de continuação do Abrabracabra, de Fernando Vilela, onde uma cabra viaja por diversos lugares do mundo. Nesse segundo livro, a viagem é dentro da imensidão do nosso Brasil, e é legal demais! Tem São Paulo, tem Recife, tem floresta, tem os pampas, tem muito mais – cada parada, muitas aventuras. Para mergulhar e descobrir um pouco sobre a diversidade do nosso país, com muita rima, cor e alegria. Da Brinque-Book.

7. AS CORES DOS PÁSSAROS, de Lúcia Hiratsuka

as-cores-dos-passaros-lucia-hiratsuka

Gosto muitos dos livros da Lúcia Hiratsuka e do quanto eles trazem um pouquinho do Japão para perto de nós. Em “As Cores dos Pássaros” ela reconta uma fábula japonesa onde os pássaros nascem todos brancos. É uma simpática coruja quem os colore, um a um, ao gosto do cliente. Ao final de uma longa tarde de trabalho colorindo diversos pássaros, surge o corvo, muito arrogante, pedindo para também ser colorido. Já cansada, a coruja despeja todas as cores dentro de um pote, esperando que ele mergulhe e saia dali multicolorido, como pediu. Mas o resultado acaba sendo outro… Livro supreendente, publicado pela Editora Rovelle.

8. MOSCAS E OUTRAS MEMÓRIAS, de Eve Ferretti e Fabíola Werlang

moscas-e-outras-memorias-eve-ferretti

“Moscas e Outras Memórias” reúne as memórias de uma infância, personagens e seus costumes. Mas as memórias nem sempre são fiéis aos fatos – às vezes são até contraditórias. É esse o jogo do livro: a lembrança é uma, mas o desenho mostra algo distinto. É preciso ficar atento, ler com calma, observar detalhes no texto, nas fontes, nas ilustrações. Livro lindo de Eve Ferretti e Fabíola Werlang, para se redescobrir muitas vezes e guardar como um precioso álbum de memórias! Publicado pela Aletria Editora.

9. DAQUI NINGUÉM PASSA, de Isabem Minhós Martins e Bernardo Carvalho

Processed with VSCO with 6 preset

“Daqui Ninguém Passa” é um livro que brinca, com muita originalidade, com o próprio objeto livro. Começa com um guarda que vigia, atento, a separação da página esquerda com a direita, e ordena: dali ninguém passa. Os personagens vão surgindo aos poucos, e logo começam a se aglomerar apenas do lado esquerdo – e também a questionar: como assim não podem passar? Não podem, são ordens do general: ele quer que ela fique em branco para poder entrar na história quando bem lhe apetecer. Mas é um grupo de crianças quem muda o rumo dessa história repleta de humor e rebeldia, surpreendente! Dos portugueses Isabel Minhós Martins e Bernardo Carvalho, o livro foi publicado em 2014 pela Planeta Tangerina – e acaba de sair no Brasil pela Sesi-SP Editora.

10. RUÍDO, de Pablo Albo e Guridi

“Ruído” é um livrinho pequenino, mas muito do barulhento. Traz uma história daquelas deliciosas de serem contadas em voz alta, em que uma coisa desencadeia outra – e que prendem a atenção até a última linha! Tudo começa numa manhã em que Patrícia liga o rádio para ouvir seu chá-chá-chá, mas não escuta direito. O jeito é aumentar o volume ao máximo, o que acorda o vizinho Osório, que assusta Jaime, que acaba fazendo com que um circo se apresse e começar seu desfile de animais antes da hora, o que…bem, gera uma confusão sem fim. Nem marcianos visitando a terra passam ilesos da bagunça que se instaura nessa cidade antes tão pacata! Para ler alto, fazer muito barulho e dar altas risadas. Publicado pela Gato Leitor.

***


15 jul 2016

Tromba Tromba, de David McKee

Escrito por
Destaques, Diversidade e Respeito, Novidades e Lançamentos, Para Refletir

David MacKee é um nome que olha, não devia ficar fora da biblioteca de ninguém. A verdade é que poucos autores conseguem tratar de assuntos tão importantes com a coragem e o humor desse britânico. Tromba-Tromba (Tusk Tusk, em inglês) é um de seus grandes clássicos, escrito em 1978 – e que chega agora no Brasil, publicado pela Pequena Zahar.

tromba tromba

A história, ao primeiro olhar, é muito simples: elefantes brancos e elefantes pretos que se dão muito mal e resolvem guerrear. A luta é só entre si – eles nem sabem porque não se gostam, mas não se gostam e pronto. Um dia, inicia-se uma batalha. Os elefantes que não estão dispostos a brigar se afastam; já os outros brigam, até, claro, se matarem.

tromba-tromba-2

Por muitos e muitos anos não se vê mais elefante algum sobre a terra. Até que do fundo da selva, um belo dia, saem os netos daqueles elefantes pacíficos: elefantes cinzas! Esses sim se dão muito bem – se bem que ultimamente os de orelhas grandes e os de orelhas pequenas têm se olhado de um jeito meio estranho…

Um livro tão simples, tão leve (muito por conta das cores e traços quase cômicos de McKee) – mas que serve de impulso para as mais diversas e importantes discussões sobre preconceito, intolerância e violência. Atual e urgente!

***