oi! meu nome é daisy e aqui eu compartilho minhas aventuras literárias (e mais), com meus filhos francisco, de 6 anos, e vinícius, ainda bebê. seja bem-vindo! Leia mais



8 ago 2016

Quero Meu Chapéu de Volta, de Jon Klassen

Escrito por
Destaques, Divertidos, Novidades e Lançamentos, Para dar risada

Volta e meia a gente descobre alguns livros infantis que são pra lá de sensacionais: são engenhosos, especiais no conteúdo, ilustração, edição. “Quero Meu Chapéu de Volta”, de Jon Klassen, editado no Brasil pela WMF Martins Fontes é desses: não só traz uma história divertida demais, como tem uma edição impecável, na qual texto, ilustração, cores e fontes se fundem num contexto incrível – e hilário.

quero-meu-chapeu-de-volta

Tudo começa com um urso, que busca seu chapéu. Lá sai ele perguntando para raposa, sapo, tartaruga, coelho, tatu – mas ninguém viu o dito cujo. A história segue através de diálogos, curtos e dinâmicos, página a página – as cores do texto, preto e cinza, demarcam de quem é a fala (aqui em casa, eu e Francisco lemos cada um uma fala, como num teatro – é muito divertido!).

Certa hora, o urso passa por um animal que está com seu chapéu – mas a resposta é negativa, claro. O texto, no entanto, muda de cor – a resposta é vermelha, e apesar do urso não notar a mentira (mesmo com o chapéu na cabeça do bicho!), fica muito claro para nós, leitores, que ali há algo estranho:

quero-meu-chapeu-de-volta-2

O urso, coitado, segue a busca. Até uma hora que PERA! – ele lembra de algo. Lembra que viu o chapéu, e mais uma vez, é a cor vermelha que sinaliza essa súbita lembrança. A coisa é quase cinematográfica! Então ele volta, correndo – e aí, sem spoilers, porque esse é um livro que traz um final absolutamente surpreendente, cheio de ironia e longe de qualquer lugar comum.

Talvez a criançada não entenda na primeira não – o Francisco, quando se deu conta, levou um susto tão divertido que me fez rir mais do que o livro em si. E o barato é esse: ir deixando a criança sacar aos poucos, se não na primeira leitura, na segunda, na terceira – é susto e diversão garantida!

***

* Esse livro chegou até nós através do clube de leitores d’A Taba, que tanto falo e recomendo. Pra variar, sempre uma surpresa boa! 🙂


26 jul 2016

Especial: Livros para Presentear Mamães e Recém-Nascidos

Escrito por
Datas Especiais (Páscoa, Natal...), Destaques, Divertidos, Listas de Livros

Dia desses, arrumando a mala da maternidade do Vinícius (estamos entrando na semana 39 de gestação), tive uma ideia: fazer um especial sobre livros para presentear recém-nascidos e mamães que acabaram de ter bebê. Pois é! Quando a gente pensa num presente pra uma criança que acaba de chegar ao mundo, a gente pensa numa roupinha, algum brinquedinho…mas por que não um livro? Um livro que possa ser curtido naquele momento e em muitos outros no decorrer da vida dela, e de quebra, emocione e encante a mamãe também. Na listinha abaixo e lá no youtube, 6 livros infantis que abordam a temática maternidade-nascimento-descobertas, todos bonitos demais. 🙂

1. CORAÇÃO DE MÃE

Esse é um livro para emocionar e tocar qualquer coração de mãe – mas que também diverte e encanta os pequenos. Já passou por aqui antes, numa listinha que fiz no ano passado para o dia das mães, e quer saber? Segue sendo meu preferido da vida quando se trata do assunto “maternidade”. Reúne a sensibilidade da escritora portuguesa Isabel Minhós Martins e a alegria das ilustrações de Bernardo Carvalho em um livro delicioso que conta sobre o músculo maluco que é o coração de mãe: dança quando ouve gargalhadas dos filhos, parte-se em mil pedaços quando os vê tristes, vira um novelo embaralhado quando não os compreende. Tudo porque é ligado ao coração de cada filho por um fio fininho que só – e por isso, tudo que o filho sente, a mãe sente também. E como sente! Nossa edição é da editora portuguesa Planeta Tangerina, mas no Brasil o livro já saiu pelo selo Tordesilhinhas, da Editora Alaúde.

coracao-de-mae

2. QUANDO EU NASCI

“Quando Eu Nasci” é também escrito pela Isabel Minhós Martins, mas ilustrado pela Madalena Matoso – é outro livro delicado, cheio de carinho e descobertas. Narra, através dos olhos de uma criança pequenina, o descobrir e desvendar o mundo. Tudo começa já na barriga da mãe, mas é ao nascer que começam de fato as infinitas descobertas – as cores, cheiros, as texturas, barulhos, os primeiros passos. Cada dia algo completamente novo – que, vamos combinar, não acaba nunca! Outro livro lindo de se presentear um recém-nascido, um lindo recado de “boas-vindas”. Publicado por aqui também pelo selo Tordelhinhas, da Alaúde.

quando-eu-nasci

3. ALGUM DIA

Outro livro bacana de presentear as mães – especialmente aquelas que acabaram de ter uma menina, já que é uma declaração de amor de uma mãe à sua filha. Diferente do “Coração de Mãe”, que emociona meio sem querer (e é especialmente bonito por isso), esse é carregado de emoção e até um bocadinho de drama, vai – mas é delicado. A mãe começa contando para a filha por tudo que já passaram, até a constatação: “você era meu bebê, agora é minha menina”. E segue narrando algumas das coisas pela qual a garota vai passar: “algum dia seus olhos se encherão de profunda alegria e brilharão; algum dia ficarei triste neste terraço vendo você acenar para mim até desaparecer”. Ao final, ela fala sobre o momento em que a filha terá sua própria filha – e então se lembrará da mãe. As ilustrações são leves, bonitinhas – e fazem um contraste bacana com o texto carregado de emoção. Publicado pela WMF Martins Fontes.

algum-dia

4. NA BARRIGA DA MINHA MÃE

Esse livro foi um presente que ganhei e que, admito, me emocionou um bocado (pode culpar os hormônios da gravidez, pode!). Na história, a menina Antonia, também conhecida como Totó, conta de quando morava na barriga de sua mãe. Ela queria poder lembrar de tudo que passou lá dentro, da imensidão na qual nadou quando ainda era um feijãozinho, dos saltos em torno do cordão umbilical. Um livro cheio de imaginação e sensibilidade, parceria linda entre as amigas Júlia Rosemberg, que escreveu (a Totó é sua filha!) e Thais Stoklos, que ilustrou. Um presente bastante sensível para uma mãe que acabou de ter bebê e também para aquela que carrega o bebê na barriga – tão gostoso imaginar tudo que ele faz lá dentro! Publicado pela editora Equador.

na-barriga-da-minha-mae

na-barriga-da-minha-mae-2

5. EL MENINO

Sabe o que mais AMO nesse livro? Do tom hilário com o qual ele conta uma história real, que aconteceu com a artista Isol, a autora, e com todas as mães do mundo: a chegada bombástica do recém-nascido em casa! O longo e demorado caminho pelo qual percorreu até chegar no mundo, a forma como se alimenta, os sons que emite, os que ouve, as reações, xixis e cocôs desse pequeno ser são tratadas com humor e também com ternura. O final é fofo demais: a gente descobre que o dia que o bebê se sente em casa mesmo é o dia em que se dá conta de que todo mundo já foi pequenininho, com ele. As ilustrações complementam o texto: enquanto vemos os grandes passeando, vemos suas versões bebês junto, grudadinhas a eles. Ainda sem edição no Brasil, trouxe nossa cópia de Buenos Aires – mas encontra-se fácil o livro em livrarias online, como a Amazon espanhola ou até a brasileira, mas na versão em inglês.

el-menino

el-menino-2

6. MON TOUT PETIT

“Mon Tout Petit” é o xodó dessa lista, um dos livros mais bonitos e sensíveis que tratam sobre maternidade. Fala, basicamente, do amor de uma mãe por seu filho, do ciclo da vida – conforme vamos virando as páginas, vamos acompanhando o filho crescendo nos braços da mãe, até não mais caber ali, até o momento em que os papéis se invertem: de repente é a mãe nos braços do filho. Tudo acontece como numa dança, página a página, ilustração por ilustração. O final é triste, lindo, verdadeiro: um dia a vida vai separá-los. Publicado pela La Joie de Lire, o livro ainda não tem edição nacional. Nossa cópia comprei através da Fnac francesa, e chegou tão rápido que foi até um susto: em menos de 5 dias estava aqui!

mon-tout-petit

***


30 mar 2016

livro: O Homem-Lua (“Moon Man”), de Tomi Ungerer

Escrito por
Clássicos, Destaques, Literatura Universal, Posts Especiais

Sou altamente apaixonada por toda obra de Tomi Ungerer – aliás, o Francisco também se diverte demais com seus livros: Os Três Ladrões, Zloty, Críctor são imperdíveis! O “Moon Man”, no Brasil  “O Homem-Lua”, foi o primeiro livro que conheci dele – tem uma história fantástica e sensível, é lindo de morrer: conta que lá em cima, na lua, vive esse homem, o Homem-Lua. Problema é que sua vida é um tanto entediante, e ele morre de inveja dos humanos que podem dançar. “Se ao menos pudesse me divertir como eles uma só vez!”, pensa ele.

"O Homem-Lua", de Tomi Ungerer

“O Homem-Lua”, de Tomi Ungerer

Um dia então, pega carona em um cometa e vem parar aqui na Terra. Cai deixando um grande buraco, causando uma confusão danada – ninguém sabe do que se trata aquele ser pálido, tão diferente! Acaba indo preso, coitado. Mas como a lua, ele também tem fases…e vai diminuindo, diminuindo, até que quando vira um quarto minguante, consegue escapar pelas grades da prisão. Foge, e em liberdade, vai parar em uma festa à fantasia, onde incógnito, dança feliz como nunca! E depois, satisfeito, ainda encontra um jeito fantástico de voltar ao seu lugar…

A versão americana e a nacional, lado a lado.

A versão americana e a nacional, lado a lado.

Mas nem tudo são flores: a gente tinha a versão em inglês, Moon Man (acima, à esquerda), edição da Phaidon, coisa linda: grande, capa dura e dupla, páginas foscas! Mas logo descobri que o livro tinha tradução no Brasil,  e resolvi comprar para presentear – comprei online, na Amazon mesmo. Mas foi o livro chegar em casa que…FUÉN! Que decepção! A história segue sensacional, tá certo, mas MUITO da obra de Ungerer está nas suas ilustrações (como em boa parte dos livros infantis, vamos combinar!), e muito, mas muito se perde numa edição que cabe quase na palma da mão (também acima, à direita). E olha, não foi barata não, 30 reais! Sem contar ainda o papel brilhante, de baixa qualidade, brochura, enfim: aprendi que além do preço, frete e tempo de entrega, vale verificar também o tamanho e qualidade (na medida do possível) das edições antes de comprar online. Ah, a edição brasileira é da WMF Martins Fontes.

***