a verdadeira historia dos três porquinhos

Legal mesmo é pegar livros emprestados de vez em quando – seja da biblioteca, do amigo, do professor. É divertido – e convenhamos, econômico. Não há quem consiga completar uma biblioteca particular com tudo de bacana que tem por aí. Esse aqui quem nos emprestou foi a Maria Helena, professora do Francisco esse ano. Ela é outra fã dos livros infantis – esses dias estava me contando que volta e meia vai a livrarias com uma listinha certa de livros na mão e sai de lá com outros completamente diferentes. Não resiste. E é difícil mesmo, com tanta coisa divertida nas prateleiras.

tresporquinhos

Então ela nos emprestou esse livro aqui – e a gente leu várias vezes na semana passada e morreu de rir. A história é divertida demais. O livro se chama A Verdadeira História dos Três Porquinhos – e é a versão do clássico contada pelo lobo, pelo lado dele. É na primeira pessoa, e o lobo começa contando que não entende porque surgiu esse papo de mau:

“Talvez seja por causa de nossa alimentação. Olha, não é culpa minha se os lobos comem bichos engraçadinhos como coelhos e porquinhos. É apenas nosso jeito de ser. Se os cheeseburguers fossem uma gracinha, todos iam achar que você é mau.”

 

tresporquinhos2

Segundo ele, toda a confusão se deve a um espirro e uma xícara de açúcar: ele estava fazendo um bolo para sua avó, e foi buscar na casa de seus vizinhos porcos uma xícara emprestada. Mas estava resfriado – e ora bolas, quem constrói uma casa de palha? (adoro a indignação dele) Não deu outra, a primeira se foi com o primeiro espirro. Além disso, o lobo jura que o porquinho já estava morto quando chegou, e bem, ele só não queria desperdiçar comida. Foi a mesma coisa com o segundo – só o terceiro, esse provocou. Mandou a avó do lobo às favas – e aí, quando a polícia chegou, ninguém quis ouvir a versão do lobo, que espancava a porta do terceiro porquinho. Jura que foi vítima de uma grande armação, o pobre lobo.

tresporquinhos3

O livro é muito divertido, e rende boas risadas. Fato engraçado: foi lançado em 1989 pela primeira vez, mas antes foi rejeitado por inúmeras editoras. Vai entender! O livro foi escrito por Jon Scieszka (clica no link só pra ver como se pronuncia o nome do escritor – não é fácil não) e ilustrado por Lane Smith – os dois têm parceria em muitos livros. Gosto das ilustrações escuras, quase sombrias, tudo muito marrom. São bonitas! Por aqui a edição saiu pela Companhia das Letrinhas e é fácil achar em qualquer livraria, na faixa de 25 a 35 reais. Dica: na Fnac Online está por 21 reais.

Vamos conversar?